OS DEVERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Oliveira Lima OS DEVERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA* Minhas Senhoras, Senhores: Eu só posso atribuir à circunstância de haver regressado há poucos dias de uma demorada viagem à República Argentina a honra que me é feita por profissionais de iniciativa convidando-me para orador desta festa de posse da diretoria da Maternidade Pernambucana que se pretende acertadamente … Ler maisOS DEVERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

epistolografia – Padre Vieira e D. FRANCISCO MANUEL DE MELO

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL LIÇÃO XXVI epistolografia O PADRE ANTÔNIO VIEIRA O padre Antônio Vieira, a quem já classificamos como primeiro orador português, é também o principal epistológrafo de sua época. Sua correspondência com diversas pessoas da corte, com seus superiores eclesiásticos, ou com seus íntimos amigos, constitui um … Ler maisepistolografia – Padre Vieira e D. FRANCISCO MANUEL DE MELO

O BOM JESUS DE CUIABÁ – Crônicas matogrossenses

O BOM JESUS DE CUIABÁ A 5 de Junho de 1728, regressou a São Paulo numa luzida canoada, Cuiabá abaixo, o governador de São Paulo, D. Rodrigo Cesar de Meneses. Após dezoito meses e dez dias de humilhação e vexames, o povo cuiabano respirou afinal, menos oprimido. Deixara D. Rodrigo o capitão-mor Luís Rodrigues Vilares, … Ler maisO BOM JESUS DE CUIABÁ – Crônicas matogrossenses

Que é a virtude? Dicionário Filosófico de Voltaire

VIRTUDE Dicionário Filosófico de Voltaire Que é a virtude? Fazer bem ao próximo. Poderei eu chamar virtude a outra coisa senão ao bem que me fazem? Se sou indigente, e tu generoso; se estou em perigo, e tu vens em meu socorro; se me enganam, e tu me dizes a verdade; se me desprezam, e … Ler maisQue é a virtude? Dicionário Filosófico de Voltaire

Fase Seiscentista – escritor Manuel de Sousa Coutinho ou Frei Luís de Sousa

Yafouba, o mágico da trilso, com uma das meninas que foram jogadas em cima de pontas de espadas.

FR. LUÍS DE SOUSA (Santarém, 1555-1630) chamou-se no século Manuel de Sousa Coutinho. Tendo noviciado na Ordem de Malta, esteve cativo em Argel, onde, aliás, sem maior fundamento, se disse que contraíra «amizade com Cekvantes. Casou com a viúva de D. João de Portugal e estava em Almada com a patente de coronel, quando incendiou a casa por negar hospedagem aos governadores espanhóis do reino.

Mais vale quem Deus ajuda do que quem cedo madruga…

UM sapateiro remendão trabalhava noite e dia e mal podia sustentar a mulher e os filhos Começava na tarefa pela madrugada, com luz candeia, e ia até ao anoitecer, ganhando pouco sustento para os seus.

Uma madrugada já estava êle batendo sola quando passou um comerciante rico e muito cari doso e reparou naquele sapateiro trabalhando ain da com estrelas no céu. Ficou com piedade do ho mem e resolveu ajudá-lo. Mandou, por um criado, um bolo, todo recheiado de moedas de ouro, sem dizer quem mandava.

Trabalho feminino – Crônica de Olavo Bilac

trabalho da mulher bonita

</a Trabalho feminino  O sábado, em que está sendo escrita esta crônica, arrasta-se aborrecido e pesado, numa enxurrada de lama, sob o açoite frio dos aguaceiros, cheio de uma melancolia que nada pode dissipar. Oh! estes dias de chuva! Deus sabe quanto suicídio tem por causa a sua fúnebre tristeza… Deixando cair o livro que … Ler maisTrabalho feminino – Crônica de Olavo Bilac