Um homem triste de coração – conto curto

Um triste „ Vereis a um dêstes, quando ainda se conta no número dos vivos, descorado, pálido, macilento, mirrado, as faces sumidas, os olhos encovados, as sobrancelhas caídas[1]), a cabeça derrubada para a terra, e a estatura tôda do corpo encurvada, acanhada, di­minuída. E, se êle se deixasse ver dentro da casa ou sepultura onde … Ler maisUm homem triste de coração – conto curto

DOMINGOS ALVES BRANCO MUNIZ BARRETO

  Biblioteca Academia Paulista de Letras – volume 7. História da Literatura Brasileira TOMO I. vol 3.  LIVRO PRIMEIRO Época de Transformação (século XIX) 2º período (Fase Patriótica) Artur Mota ( Arthur Motta) (1879 – 1936) CAPÍTULO IV (continuação) OUTROS FAUTORES DA INDEPENDÊNCIA DOMINGOS ALVES BRANCO MUNIZ BARRETO Nasceu na Bahia, na segunda metade do … Ler maisDOMINGOS ALVES BRANCO MUNIZ BARRETO

BIOGRAFIA DE FREI CANECA

Fr. JOAQUIM DO AMOR DIVINO CANECA

Nasceu na cidade de Recife, no bairro de Fora de Portas, freguesia de S. Frei Pedro Gonçalves, (Estado de Pernambuco), em julho de 1779, e faleceu a 13 de janeiro de 1825. Era filho de Domingos da Silva Rebelo, por alcunha Caneca, e D. Francisca Maria Alexandrina de Siqueira.

romance – LIÇÃO XII do CURSO DE LITERATURA NACIONAL de Fernandes Pinheiro

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL LIÇÃO XII romance Forma o romance a transição entre a poesia e a prosa: conservando da primeira a faculdade inventiva, e os floreios da imaginação, e da segunda a naturalidade da frase. A atenção que importa prestarmos às composições em verso impede que seja duradoura, … Ler maisromance – LIÇÃO XII do CURSO DE LITERATURA NACIONAL de Fernandes Pinheiro

Lírica Portuguesa no século XVI

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL   LIÇÃO VII ESPÉCIE LÍRICA Quase todos os poetas portugueses ensaiaram o seu estro em romances, endechas, décimas e principalmente canções, que na poesia moderna tomaram o lugar das odes entre os gregos e romanos. Mencionaremos unicamente aqui os que mais se avanta­jaram durante o … Ler maisLírica Portuguesa no século XVI

GÊNERO LÍRICO – ESPECIE BUCÓLICA – Poesia portuguesa no século XVI

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL   LIÇÃO VI GÊNERO LÍRICO —  ESPECIE BUCÓLICA À amenidade do clima de Portugal e ao gosto pslos praze­res campestres que sempre tiveram os seus habitantes cumpre atribuir a aparição da poesia bucólica na alvorada de sua civi­lização, e o grau de aperfeiçoamento que revelaram … Ler maisGÊNERO LÍRICO – ESPECIE BUCÓLICA – Poesia portuguesa no século XVI

A MADRE DO OURO – Lenda da Mineração em Poço da roda — Arredores de Bomfim – GO

garimpo escravo

A MADRE DO OURO Poço da roda — Arredores de Bomfim Bomfim é uma das mais antigas cidades de Goiás. Como suas irmãs mais velhas, Meia Ponte e Vila Boa de Goiás, guarda ainda, sob muitos aspetos, o cunho dos núcleos coloniais do século XVIII, com a sua inconfundível arquitetura reinol, estilo barroco, de feição … Ler maisA MADRE DO OURO – Lenda da Mineração em Poço da roda — Arredores de Bomfim – GO

O DRAMA DO ARROMBADO – Conto de fantasma

xaveco, cantada baile

O DRAMA DO ARROMBADO A tarde fora muito quente e ali por volta de cinco horas começou a escurecer. Alexandrina, que já preparava para ir à casa do tio ver passar a procissão, não pôde esconder o seu desgosto ao ver o tempo incerto, ameaçando chuva. Veio até a varanda, já calçada e de saia … Ler maisO DRAMA DO ARROMBADO – Conto de fantasma

Antônio Peregrino Maciel Monteiro, 2.º barão de Itamaracá

8

TRANSIÇÃO

POETAS DE TRANSIÇÃO ENTRE CLÁSSICOS E ROMÂNTICOS

Se a história da literatura brasileira fosse um simples amontoado de notícias biográficas e a citação de alguns trechos poéticos, ela estaria feita no Parnaso de Cunha Barbosa ou no Florilégio de Varnhagen.

Mas se a própria história política vai já atendendo mais ao caráter psicológico dos povos do que aos fatos meramente exteriores, e, por assim dizer, materiais, ainda mais a história literária deve ter por missão penetrar no ideal das nações para surpreender-lhes a vida subjetiva.

Se, em quatro séculos de convivência com a civilização ocidental, o povo brasileiro, na esfera da arte das criações intelectuais, não tivesse feito mais do que plagiar, copiar sem critério os modelos europeus; se um caráter novo, se uma nova feição nacional não viesse sequer despontando, o povo brasileiro seria um produto artificial, cedo condenado à morte, e não valeria a pena escrever-lhe a história.

A quem percorre, é certo, uma dessas antologias de nossos poetas, um desses parnasos aí publicados, se depara o ainda incerto valor de nossas produções.

Francisco Moniz Barreto – História da Literatura Brasileira

8

TRANSIÇÃO

POETAS DE TRANSIÇÃO ENTRE CLÁSSICOS E ROMÂNTICOS (continuação)

Francisco Moniz Barreto (1804-1868) reclama agora a atenção. Aos dezoito anos alistou-se como voluntário nos batalhões patrióticos da Independência. Já nesse tempo era o que sempre foi, a mais assombrosa personalização do talento improvisatório que o Brasil tem possuído. Fez a campanha da Cisplatina, residiu no Rio de Janeiro até 1838. O resto da existência, passou-o’ na Bahia, sua terra natal.

Nos dous últimos decênios de sua vida, foi ali o centro de um movimento literário assaz considerável. Em torno do velho repentista figuraram Agrário de Meneses, Augusto de Mendonça, Junqueira Freire, Pessoa da Silva, Rodrigues da Costa, Gualberto dos Passos, Laurindo Rabelo e muitos outros poetas de talento.

Moniz Barreto publicou em 1855, sob o nome de Clássicos e Românticos, dous volumes de poesias. O título da obra indica bem nitidamente que ele próprio se considerava um espírito de transição entre as duas escolas literárias. O livro não tem grande valor; encerra as poesias meditadas e escritas pelo poeta; são as suas composições mais fracas.

O que assinala a Moniz Barreto um lugar único em nossa literatura é o seu talento de repentista.

O ROMANTISMO NA LITERATURA BRASILEIRA – Silvío Romero

TERCEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO ROMÂNTICA — POESIA (1830-1870)

CAPITULO I

O ROMANTISMO

O momento histórico aberto agora diante dos olhos dos leitores, o romantismo, representa só por si quase toda a literatura do século XIX, e, todavia, ainda não tem sido bem apreciado. Distendido entre dous inimigos, dous rivais poderosos, tem levado golpes à direita e à esquerda. Nós os homens do último quartel do século não assistimos à sua luta com o classismo, pugna brilhante de que saiu vitorioso: presenciamos em compensação seu pelejar com o naturalismo e dez outras teorias, que o pretenderam definitivamente enterrar.

TIMOLEÃO – Plutarco – Vidas Paralelas

Arte etrusca

SUMÁRIO DA VIDA DE TIMOLEON

  • I. Situação da Sicília.
  • II. Invasão dos cartagineses.
  • A Sicília pede socorro a Corinto.
  • III. Corinto atende e Timoleon é enviado.
  • IV. Nascimento e nobreza de Timoleon. Seu valor.
  • V. Seus conselhos a Timófanes, seu irmão.
  • VI. Timoleon sacrifica o amor fraternal ao amor da pátria. Morte de Timófanes.
  • VII. Retiro de Timoleon.
  • IX. Timoleon aceita a direção da guerra na Sicília.
  • X. Sua partida.
  • XII. Aborda em Régio.
  • XIV. Timoleon engana os cartagineses e apodera-se de Tauro-mênio.
  • XVII. A cidade de Adrane abre-lhe as portas e êle recebe as homenagens de outras cidades.
  • XVIII. Dionísio, o Tirano, entrega-se a Timoleon.
  • XX. Dionísio é enviado a Corinto. Sua vida particular.
  • XXIV. Cerco do castelo de Siracusa por Icetes e pelos cartagineses.
  • XXVIII. Timoleon apodera-se de Messina.
  • XXX. Fuga de Magon, general dos cartagineses.
  • XXXI. Timoleon apodera-se da cidade de Siracusa.
  • XXXII. Destruição do castelo e de tudo o que pertenceu aos, tiranos.
  • XXXIII. Restabelecida a liberdade na Sicília.
  • XXXIV. Os cartagineses tentam nova investida.
  • XXXV. Nova vitória de Timoleon.
  • XXXIX. Despojos de guerra enviados a Corinto.
  • XLIII. Icetes é aprisionado e condenado.
  • XLIV. Submetem-se os remanescentes da tirania na Sicília.
  • XLVI. Reconhecimento da ilha a Timoleon.
  • XLVII. Timoleon passa a residir na Sicília.
  • XLIX. Timoleon perde a vista.
  • L. Honras que Siracusa lhe presta. Sua morte e seus funerais.
  • LII. O monumento denominado «Timoleontium».

Antes da 103ª Olimpíada até o 4." ano da 110.", 337 A. C. Comparação de Timoleon e Paulo Emílio.

Plutarco – Vidas Paralelas

TIMOLEON – Τιμολέων),

A situação dos siracusanos, antes de Timoleon ser enviado à Sicília, era deplorável. Tinha sido assassinado a traição o patriota Dion, que havia conseguido derrubar e expulsar o tirano Dionísio (1), seguindo-se um período de desorientação e desatinos, pois mesmo aqueles que haviam auxiliado na conquista da liberdade, agora se dividiam e se hostilizavam mutuamente. A cidade, mudando de governo continuamente, sem qualquer segurança administrativa, assistindo’ a ascensão e derrocada de novas tiranias, como que se tornou o alvo de toda a sorte de calamidades. Pouco faltou para que não ficasse inteiramente despovoada. Toda a Sicília, aliás, se encontrava em condições semelhantes, com as suas cidades destruídas pela guerra e o que restava de pé encontrava-se em poder dos bárbaros e outros estrangeiros, na maioria gente que, em virtude mesmo das diferenças de nacionalidade, não poderia formar uma coletividade unida. Isto criou justamente o clima propício a usurpações e arremetidas contra o poder constituído, que assim vacilava, sem qualquer firmeza ou estabilidade.

Raimundo Correa – Antologia Poética

RAIMUNDO DA MOTA AZEVEDO CORREIA, nascido a bordo do vapor "São Luís", na baía de Mogúncia, litoral do Maranhão, faleceuna Europa, tendo vivido de 1860 a 1911. Passou rapidamente pela admi-nistração e pela diplomacia e era, quando morreu, magistrado no DistritoFederal. São conhecidíssimas suas belas poesias, estampadas com os títulos deSinfonias, Versos e Versões e … Ler maisRaimundo Correa – Antologia Poética

Biografia e coletânea de Raymundo de Farias Brito

Dentro do campo de estudos a que se volveu desde moço, Farias Brito publicou as seguintes obras: Finalidade do Mundo, em que se integram A Filosofia como Atividade Permanente do Espírito Humano (Ceará, 1895), A Filosofia Moderna (Ceará, 1889) e Evolução e Relatividade (Pará, 1905); e A Verdade como Regra das Ações (Pará, 1905), A Base Física do Espírito (Rio, 1912) e O Mundo Interior (Rio, 1914).

HENRIQUE COELHO NETO

HENRIQUE COELHO NETO. Nasceu em Caxias, no Maranhão, aos 21 dias de fevereiro de 1864 e extinguiu-se a 28 de novembro de 1934, aos setenta anos, no Rio de Janeiro. Menino ainda, deixou a cidade natal, residiu em Recife e em seguida em São Paulo e veio, por fim, para o Rio, onde terminou o curso de humanidades, deixando em meio, depois, os estudos que iniciara sucessivamente nas Faculdades jurídica e médica.

Jornalista ao lado de Patrocínio, de Alcindo Guanabara, de Quintino Bocaiuva, em cujos jornais serviu, colaborando, além disso, em dezenas de revistas e diários do Rio, de São Paulo, do Rio Grande do Sul, do Maranhão e da República Argentina, Coelho Neto ao mesmo tempo prosseguia na publicação da larga série dos seus trabalhos de ficção, que constituem matéria ainda não suficientemente estudada. O que se não pode contestar, porém, é que êle é o mais copioso dos nossos romancistas.

JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS – Resumo biografia e obra

JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS (Rio de Janeiro, 1839-1908) romancista, poeta e crítico, começou humildemente como tipógrafo e foi um homem que por si mesmo se fêz, o que tem acontecido a muitos, mas sempre sem deslize de uma modéstia que passava as raias dl timidez, e isso é mais raro.

Quando morreu era presidente da Academia Brasileira de Letras e gozava de incontestada primazia entre seus pares, tanto na douta corporação como fora dela.

As 3 lebres, conto infantil de charada

No Brasil, Sílvio Romero publicou uma versão, “O matuto João”, XXXV do “Contos Populares do Brasil”. Teófilo Braga regista uma outra versão, “A princesa que adivinha”, conto 56, com a inicial: — “atirei no que vi, matei o que não vi”, repetida na história brasileira, na italiana de Pittré (“Novelle popolari tos-cane”, o soldatino): — ” Tirai-ai-chi-viddi, Chiappai-chi-non-viddi. “Cosquin, “La prin-cesse et les trois fréres”, (“Contes populaires Lorrains”). Muitbi popular na Espanha, com a presença nos velhos folcloristas. Numa coleção recente, “Cuentos Populares Españoles”, do prof. Aurelio M. Espinosa (Stanford Univer sity, U.S.A.) há quatro variantes, de Córdoba, Toledo e duas de Granada, “El acertijo” (Vol I°, pp. 40, 43, 45, 48.1932). Na versão cordobesa: — “Tiré ar que vi, maté ar que no vi. Em to das, o episódio da visita noturna e guarda de provas. É o Mt. 851 de Aarne-Thompson, The Princess who Cannot Solve tke Riddle, não se ajustando os elementos que constituem as adivi nhações catalogadas no “Motif-Index”, Vol-III E’ conhecida em toda América. J. Alden Mason recolheu três variantes em Porto Rico, “Journal of American Folk-Lore”, vol. XXIXo n.° 752, 753 e 754, p. 497. 1916.

AS TRÊS PERGUNTAS DO REI – Contos de Adivinhação

Gonçalo Fernandes Trancoso, 1515-1596, "Histórias de Proveito e Exemplo", edição antológica pelo prof. Agostinho de Campos, Lisboa pp. 77-90, 1921, XII da coleção, XVII no original.

Teófilo Braga, "Contos Tradicionais do povo Portuguez", pp. 86-89, II» da ed. de 1883, publica um resumo, registando (pp. 157-158, 1°) uma versão popular, "Frei João sem Cuidados". Sílvio Romero recolheu uma variante brasileira de Sergipe, "O Padre sem Cuidados", pp. 250-252, "Contos Populares do Brasil", Rio de Janeiro, 1897. Já era divulgado no século XII, figurando no "Anecdotes historiques, légendes et apologues tirés du recueil inédit d’Etienne de Bourbon", edição de Lecoy de la Marche, comentado pelo conde de Puymaigre, "Folk-Lore", pp. 239-252, Paris, 1885. No conto de Estêvão de Bou-rbon o Rei intima a um sábio para que responda a três perguntas sob pena de multa excessiva. A primeira é: — onde se encontra o centro da terra? Dá o sábio resposta idêntica ao hortelão português. A segunda, quanta átom contêm o mar, foi respondida semelhantemciiU ao que disse o moleiro, na versão popular dl Teófilo Braga, conto 71. No "Patrafiuelo" dl Juan Timoneda, (n.° 14) da época de Tran coso, há igualmente um Rei que recebe o co/.l« nheiro do abade, julgando-o em pessoa, para i i tisfazer a três problemas. O segundo é o mm» mo sobre o centro da terra. O último é a curió j identificação. Franco Sachetti, contemporâneo dl Dante, regista novela 4.a, versão tradicional nu Itália e repetida, com deformações, por Pitré, (1) Imbriani, Michel Zezza. Anderson, reunindo extenso material, publicou o completo "Kaiser und Abt", volume XLII das "Folk-Lore Com munications", Helsinki, Finlândia. É o conhe cido tema "The King and the Abbot" dos fol cloristas ingleses e norte-americanos. Geoffey Chaucer, "The Canterbury Tales."

Na classificação dos tipos de contos popula res, de Antti Aarne, figura como o Mt. 922. No Método, hoje clássico, de Aarne-Thompson, o conto de Trancoso é: — Mt. 922, H685 e H52II, para as respostas. Sobre a medida de altura do céu, não há entre as catalogadas pelo erudito professor da Universidade de Indiana. A ver são popular de Teófilo Braga é: — Mt. 922, H691. 1. 1, H704 e H5241. Todas as respostas estão registadas no volume III do "Motif-Index of Folk-Literature", de Stitt Thompson, colhidas em fontes alemãs e da Europa do Norte. Creio, pelo exposto, que a página de Trancoso i literária, com aproveitamento parcial de uma "estória" corrente na península. A fonte (ouse universalizou é a do conto de Teófilo Braga cujas transformações são encontradas em quási todos os folclores do Mundo. (C. CASCUDO)

A Arte na Europa no Século XVIII – História da Arte

Yafouba, o mágico da trilso, com uma das meninas que foram jogadas em cima de pontas de espadas.

Preponderâcia francesa   O papel de mestra das artes que aItália assumira havia dois séculos,passa de facto, durante o século xviii, para a França. A mudança opera-se de maneira mais prática do que teórica. Porque esta França tão imitada não cessa de enviar os seus artistas à Academia fundada por Colbert em Roma e de venerar os gigantes da Renascença. É certo que se não abstém de criticar os seus sucessores e particularmente esse espírito barroco cujos êxitos, entre nós, foram sempre passageiros e se limitaram a actividades menores, como a ourivesaria ou o mobiliário, não sem incorrer aliás nas condenações severas de muitos artistas.

Trabalho feminino – Crônica de Olavo Bilac

trabalho da mulher bonita

</a Trabalho feminino  O sábado, em que está sendo escrita esta crônica, arrasta-se aborrecido e pesado, numa enxurrada de lama, sob o açoite frio dos aguaceiros, cheio de uma melancolia que nada pode dissipar. Oh! estes dias de chuva! Deus sabe quanto suicídio tem por causa a sua fúnebre tristeza… Deixando cair o livro que … Ler maisTrabalho feminino – Crônica de Olavo Bilac

A ESTEPE (História de uma viagem) – Novela de Tchecov

Antón Tchecov A   ESTEPE (HISTÓRIA DE UMA  VIAGEM) Tradução de Costa Neves. Fonte: Clássicos Jackson. I DA cidade de N, na província de Z…, saiu ruidosamente, numa bela manhã de julho, e tomou a estrada da posta uma briska sem molas, suja, arrebentada, um desses veículos anti-diluvianos em que, na Rússia, só viajavam, então, os … Ler maisA ESTEPE (História de uma viagem) – Novela de Tchecov

A conquista da felicidade, de Bertrand Russell

A conquista da felicidade, de Bertrand Russell   Danilo Santos Dornas*   Bertrand Arthur Millian Russell (1872-1970), filósofo e matemático inglês, escreveu dentre as suas obras, um livro intitulado A conquista da felicidade. Neste livro, o autor adianta que não visa erudição acadêmica, mas tecer algumas considerações sobre a felicidade vivenciada por sua própria experiência. … Ler maisA conquista da felicidade, de Bertrand Russell

A RAINHA DONA CARLOTA – Capítulo VI – D. João VI no Brasil – Oliveira Lima

CAPÍTULO VI A RAINHA DONA CARLOTA A simples menção deste nome traz à imaginação um cortejo de caprichos dissolutos e de intrigas políticas. Um dos maiores, senão o maior estorvo da vida de Dom João VI foi certamente a rainha que os interesses dinásticos, então mais identificados com os políticos, lhe tinham dado por esposa … Ler maisA RAINHA DONA CARLOTA – Capítulo VI – D. João VI no Brasil – Oliveira Lima

Nietzsche – Cartas de 1887

Texto em inglês Tabela de conteúdo [esconder] 1 Cartas de Nietzsche – 1887 1.1 Carta 1 1.2 Carta 2 1.3 Carta 3 1.4 Carta 4 1.5 Carta 5 1.6 Carta 6 1.7 Carta 7 1.8 Carta 8 if (window.showTocToggle) { var tocShowText = “mostrar”; var tocHideText = “esconder”; showTocToggle(); } Tradução de Miguel Duclós Cartas … Ler maisNietzsche – Cartas de 1887

Doença de Nietzsche / Vida de Friedrich Nietzsche – Daniel Halevy /5

VIDA DE FREDERICO
NIETZSCHE

Autor: Daniel Halévy

Tradutor: Jerônimo Monteiro
Extraído da edição da Editora Assunção ltda.
Coleção Perfis Literários

 

 O livro foi dividido em 7 páginas

Cap. 1 – OS ANOS DE
INFÂNCIA
Cap. 2 – OS ANOS DA
JUVENTUDE
Cap. 3 – FREDERICO NIETZSCHE E
RICHARD WAGNER — TRIEBSCHEN
Cap. 4 – FREDERICO NIETZSCHE E
RICHARD WAGNER — BAYREUTH
Cap. 5 – CRISE E CONVALESCENÇA Cap. 6 – O TRABALHO DO
"ZARATUSTRA"
Cap. 7 – A   ÚLTIMA   SOLIDÃO [download id=”45″]

 

 

V

CRISE  
E   CONVALESCENÇA

Frederico
Nietzsche regressou a Basiléia. Achando-se fraco e doente dos olhos, teve que
aceitar o auxílio que seus amigos lhe ofereciam. Um era um jovem estudante
chama– do Köselitz, a quem, por brinquedo, apelidara Peter Gast — "Pedro,
o hóspede", sobrenome que ficou — o outro era aquele Paulo Rée, judeu de espírito
agudo, que conhecera fazia dois anos.
Graças à abnegação de ambos, pôde Nietzsche reler as notas escritas em
Klingenbrunn, nas quais esperava encontrar matéria para uma segunda Extemporânea. Paulo Rée publicava, então, as suas Observações Psicológicas, reflexões
inspiradas pelos mestres ingleses e franceses, por Stuart Mill e La Rochefoucauld. , Frederico Nietzsche ouviu a leitura deste opúsculo e apreciou-o. Admirou a maneira prudente com que nele se conduzia o pensamento; gozou-o como um repouso, depois das enfáticas cerimônias de Bayreuth, e resolveu entrar na escola de Rée e de seus mestres. No entanto, continuava sentindo o enorme vácuo que nele deixava a sua renúncia a Richard Wagner.

Filosofia e comunicação da arte barroca

FILOSOFIA E COMUNICAÇÃO DA ARTE BARROCA por José Geraldo Vidigal de Carvalho Síntese O objetivo deste capítulo é enfocar o Barroco Mineiro numa tentativa de abordagem de sua mensagem sob ângulo ainda não visualizado pela crítica. A partir de uma realidade que existe, sob o prisma da filosofia da história, uma interpretação dentro da filosofia … Ler maisFilosofia e comunicação da arte barroca