GÊNERO LÍRICO – ESPECIE BUCÓLICA – Poesia portuguesa no século XVI

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL   LIÇÃO VI GÊNERO LÍRICO —  ESPECIE BUCÓLICA À amenidade do clima de Portugal e ao gosto pslos praze­res campestres que sempre tiveram os seus habitantes cumpre atribuir a aparição da poesia bucólica na alvorada de sua civi­lização, e o grau de aperfeiçoamento que revelaram … Ler maisGÊNERO LÍRICO – ESPECIE BUCÓLICA – Poesia portuguesa no século XVI

Resumo sobre FILOSOFIA ORIENTAL – Noções de Filosofia

ordem dórica (segundo Augusto Choisy)

4. FILOSOFIA ORIENTAL — Concordam todas as tradições em situar na Ásia o berço da humanidade. Grécia e Roma não haviam ainda despertado para a história dos povos cultos e já, à sombra do Himalaia, floresciam adiantadas civilizações.

Aí também apareceram os primeiros vestígios da filosofia. As primitivas tradições religiosas fixadas com o tempo em livros sagrados e corrompidas pouco a pouco pelo ardor da fantasia oriental, excitaram nas inteligências a dúvida e, com a dúvida, a especulação racional.

A MORAL DOS IDEALISTAS – Introdução de “O Homem Medíocre” de José Ingenieros

O Homem Medíocre

José Ingenieros (1877-1925)

INTRODUÇÃO – A
MORAL DOS IDEALISTAS

i.    a emoção 
do  ideal.  —  ii.    de  um  idealismo  com
fundamento na experiência. — iii.    os temperamentos  idealistas.  — iv.    o  idealismo  romântico.  — v. o idealismo estóico. — vi.     símbolo.

 

I
A emoção do ideal

Quando orientas a proa visionária em
direção a uma estrela, e desdobras as azas para atingir tal excelsitude
inacessível, ansioso de perfeição rebelde à mediocridade, levas em ti o impulso
misterioso de um Ideal. É áscua sagrada, capaz de te preparar para grandes
ações. Cuida-a bem; se a deixares apagar, jamais
êle se reacenderá. E se ela morrer em ti, ficarás inerte: fria bazófia
humana.

Reflexões Morais – La Rochefoucauld

REFLEXÕES MORAIS – LA     ROCHEFOUCAULD Tradução de Brito Broca e Wilson Lousada. Fonte: Clássicos Jackson. François, príncipe de Marsillac, duque de Ia Rochefoucauld, nasceu em Paris, em 1613. Muito jovem se iniciou nos ambientes mais aristocráticos da época, formando entre os descontentes que intrigaram contra Richelieu e depois contra Mazarino. Quando Ana da Áustria assumiu … Ler maisReflexões Morais – La Rochefoucauld

La Bruyère – Do Coração

DO CORAÇÃOBruyère Tradução de J. Brito Broca e Wilson Lousada. Fonte: Clássicos Jackson. Há um gosto na amizade pura que não podem co­nhecer os que nasceram medíocres. A amizade pode subsistir em pessoas de sexos dife­rentes, e mesmo isenta de toda a grosseria; uma mulher, entretanto, olhará sempre um homem como homem, e, reciprocamente, uma … Ler maisLa Bruyère – Do Coração

Dos Poderosos – La Bruyère

DOS PODEROSOS – LA   BRUYÈRE  Tradução de J. Brito Broca e Wilson Lousada. Fonte: Clássicos Jackson. Vida quase sem história é a de Jean de La Bruyère, Tendo nascido em Paris, em 164*, estudou Direito, exerceu a advocacia, comprando depois um cargo de tesoureiro geral no "bureau das finanças" de Caen, continuando apesar disso a … Ler maisDos Poderosos – La Bruyère