A SEMANA SANTA EM PARIS

A SEMANA SANTA EM PARIS Oliveira Lima O privilégio das grandes cidades — e penso que grandes cidades só o são, verdadeiramente, na plena acepção do termo, Londres e Paris — é terem distrações, prazeres, ocupações e entretimentos de todo gênero, de todo custo e para todos os gostos. Em Paris só é ocioso quem … Ler maisA SEMANA SANTA EM PARIS

Resumo sobre FILOSOFIA ORIENTAL – Noções de Filosofia

ordem dórica (segundo Augusto Choisy)

4. FILOSOFIA ORIENTAL — Concordam todas as tradições em situar na Ásia o berço da humanidade. Grécia e Roma não haviam ainda despertado para a história dos povos cultos e já, à sombra do Himalaia, floresciam adiantadas civilizações.

Aí também apareceram os primeiros vestígios da filosofia. As primitivas tradições religiosas fixadas com o tempo em livros sagrados e corrompidas pouco a pouco pelo ardor da fantasia oriental, excitaram nas inteligências a dúvida e, com a dúvida, a especulação racional.

História de João e Maria

Não há país europeu que não tenha uma variante desse conto de João e Maria. Em Portugal, além desta versão, conheço as de Teófilo Braga, As crianças abandonadas, O afilhado de Santo Antônio, ambas de Airão, as de J. Leite de Vasconcelos, de Guimarães e Vila Real, as regis tadas por Z. Consiglieri Pedroso e Adolfo Coelho, a versão brasileira do Rio de Janeiro e Sergipe João mais Maria, colhida por Sílvio Romero, sobre cujas variantes estrangeiras escreveu Oscar Nobiling erudito ensaio; ver o meu Antologia do Folk Lore Brasileiro. É o Hansel und Grethe dos irmãos Grimm, também corrente na Africa do Norte, em Marrocos (Ouad Souss) onde A Socin e H. Stumme registaram uma versão igual. P. Saintyves resumiu muitas variantes da Europa no Les Contes de Perrault et les récits paralléles 276-281.

Mt. 327 de Aarne-Thompson, The Children and the Ogre, A: conhecido em toda América latina, na América Indiana, segundo Stith Thompson, entre os negros da Jamaica, nos estudos de Beckwith, Memoirs of the American Folk-Lore Society, XVII. (Câmara Cascudo)

Etrúria e Roma – História da Arte

mapa roma itália

 

Pierre du Columbier – História da Arte

Tradução de Fernando de Pamplona .Fonte Livraria Tavares Martins, Porto, 1947.

Á Etrúria e Roma

A Etrúria

SEJAM embora muito vincados certos caracteres da arte etrusca, não se pode dissimular que ela deve em boa parte o lugar que se lhe atribui à sua grande herdeira, a arte romana.

As túnicas de urtiga – Literatura sobre plantas mágicas

Numa terra muito distante, havia um rei bondoso e sábio, que tinha uma linda filha, chamada Lúcia e onze filhos, todos belos e inteligentes. O soberano, que já estava velho e cansado, amava ternamente sua esposa e seus filhos.

Infelizmente, a rainha morreu, e o rei, sentindo-se triste e solitário, resolveu casar-se com a viúva de seu primo, que tinha sido o soberano de um país vizinho.

Branca Flor – Contos de Bruxas e Feiticeiras

Branca Flor

O rei D. Carlos tinha o vício de jogar. Estava acos tumado a ganhar sempre, pois os seus súditos não se atreviam a vencê-lo no jogo.

Um dia, recebeu a visita de um príncipe de outro reino e o convidou para jogar. O rapaz não sabia que o rei ficava furioso quando perdia, de modo que jogou sem se importar com o resultado. Ganhou todos os jogos.

João e Maria – Contos de Feiticeiras e Bruxas Más

João e Maria

Um casal de lenhadores possuía dois filhos, João e Maria. Não podendo mais sustentar as crianças, de-vido à sua pobreza, resolveram abandoná-las na floresta. João teve, porém, o cuidado de marcar o caminho com pedrinhas. Por isso, conseguiu voltar para casa em companhia de sua irmã. Os pais, que já estavam arrependidos do que haviam feito, receberam os meninos com grande alegria.

A madrasta malvada – Contos de Feiticeiros e Bruxas

A madrasta malvada

Marcelino era um homem feliz. Casado com uma mulher bondosa, possuía duas lindas filhinhas que eram o encanto da sua vida. Mas o que é bom dura pouco. A esposa de Marcelino ficou doente e morreu. Algum tempo depois, Marcelino resolveu casar de novo. Perto da sua casa, morava uma mulher que, sabendo das intenções do vizinho, fazia tudo para agradar as suas filhas, a fim de se casar com o pai.

No fim de certo tempo, conseguiu realizar o seu desejo. Mas logo que se apanhou casada, mostrou o» que era. E começou a maltratar as enteadas, obrigando-as a trabalhar como escravas. Quando o marido se ausentava, quase matava as meninas de pancada.