Costumes dos povos do Pará

farinha de pau do pará

Costumes dos povos do Pará (Continuação) O que admira é ver o desapego que esta gente conserva para tudo: quatro paus levantados ao ar, cingidos e cobertos de algu­mas fôlhas de árvores; uma rêde para dormir, uma panela, uma corda estendida, onde penduram êsses poucos farrapos de que usam; e estão contentes. Algumas vêzes tenho … Ler maisCostumes dos povos do Pará

O Pampeiro – José de Alencar

O Pampeiro Um ruído surdo reboou pelas grotas 2) e algares 1)’ que acantilavam o cêrro abrupto. Parecia que a terra arquejava com o estertor de um pesadelo. Ao mesmo tempo uma exalação ardente como o vapor de uma cratera derramou-se pela solidão. As feras uivaram longe na pro­fundeza das selvas, e as aves espavoridas … Ler maisO Pampeiro – José de Alencar

Tremores de terra ou terremotos – Terremoto de Lisboa de 1755 (Manoel. P Chagas)

Tremores de terra ou terremotos [1]) – Manoel P. das Chagas Um dos fenômenos mais estupendos da natureza e que às vôzes acarreta consigo desastres espantosos, são os tremores de terra. ou os terremotos. Ouve-se um ruído surdo e subterrâneo, um bramido rouco, que se reforça, abranda e se reforça de novo, como se rugira … Ler maisTremores de terra ou terremotos – Terremoto de Lisboa de 1755 (Manoel. P Chagas)

Viana do Castelo e Caminha

Oliveira Lima Viana do Castelo e Caminha Para um pernambucano que se tem ocupado da história da sua terra natal, Viana do Castelo oferece um particular atrativo: das cidades minhotas é a que mais íntimas ligações teve com o feudo de Duarte Coelho, desde os seus inícios. Ao que escrevia o jesuíta Fernão Cardim, na … Ler maisViana do Castelo e Caminha

Beiriz

Oliveira Lima Beiriz I Beiriz é uma freguesia quase a igual distância da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde, situada mais para o interior entre pinhais, milharais e vinhedos, além de alguns campos em que só crescem urzes. Há uma aldeia e há sobretudo um grupo de habitações pertencentes à família Almeida Brandão. … Ler maisBeiriz

Japão: Desenvolvimento Socioeconômico, História e Geopolítica no início do século XX

Oliveira Lima NO JAPÃO* DIREÇÃO E INSPIRAÇÃO NACIONALISTA Destarte, quando chegou o momento em que o Japão teve, per fas aut nefas, de entreabrir seus portos à influência ocidental, a revolução nos espíritos, precursora da revolução pelas armas, estava parcialmente realizada, ainda que numa direção nacionalista, a qual veremos que não foi afinal sacrificada na … Ler maisJapão: Desenvolvimento Socioeconômico, História e Geopolítica no início do século XX

NO MINHO – Vila do Conde

Oliveira Lima NO MINHO Vila do Conde O Minho, como aliás todo Portugal, é das regiões mais interessantes da Europa pela sugestiva combinação que oferece de história, de arte e de natureza. Em Vila do Conde, por exemplo, onde estou passando algumas semanas, temos de um lado a linha ondulante da praia, com seus rochedos … Ler maisNO MINHO – Vila do Conde

A BELEZA DO RECIFE

Oliveira Lima A BELEZA DO RECIFE Somos uma raça de poetas. Não é tanto pelo fato de verificarmos com notável facilidade e bastante felicidade que o digo; as exceções, como eu e como o falecido José Veríssimo, são raríssimas e citam-se quase como casos de anormalidade. Este é porém o lado superficial do estro, a … Ler maisA BELEZA DO RECIFE

PAN-AMERICANISMO NEGRO

PAN-AMERICANISMO PRETO OLiveira Lima Produziu entre nós grande alarma o projeto de colonização negra americana em Mato Grosso, o qual se dizia encobrir graves desígnios ocultos de anexação ou antes sujeição territorial. Um pan-americanis-mo de nova espécie ou antes de nova côr servia, como o outro, o objetivo da preponderância dos Estados Unidos no Novo … Ler maisPAN-AMERICANISMO NEGRO

OS ESTADOS UNIDOS E A EUROPA

OS ESTADOS UNIDOS E A EUROPA Oliveira Lima A conseqüência essencial da vitória republicana nas urnas é que os Estados Unidos readquirem o contrai da sua própria política e que o modo de exercê-la é deixado ao arbítrio c critério do seu governo e do seu povo, não se regulando por alianças, mormente militares. Tanto … Ler maisOS ESTADOS UNIDOS E A EUROPA

O CASO DO HAITI

O CASO DO HAITI Oliveira Lima O caso do Haiti parece-se com o de São Domingos, mas não e inteiramente semelhante. Em 1914 os governos britânico, francês e alemão tinham dado mostras evidentes de quererem proceder à cobrança dos seus empréstimos mediante a ocupação das alfândegas haitianas, uma solução em que os Estados Unidos não … Ler maisO CASO DO HAITI

VIAGENS PELA ALEMANHA RENANA

PELA ALEMANHA RENANA Oliveira Lima 1 Regressei de Contrexéville a Bruxelas pelo caminho da Alemanha renana, o que um francês apelidaria le chemim des écoliers, por ser o mais longo: não só o mais longo, como o mais divertido. O passeio é efetivamente dos que mais merecem a pena de ser feitos. Os encantos dos … Ler maisVIAGENS PELA ALEMANHA RENANA

Impressões de viagem – EM TERRA BASCA – Loiola

EM TERRA BASCA Oliveira Lima II Loiola Da estação de Zumárraga o berço de Legazpi, o conquistador das Filipinas, centro de tradições guipuzcoanas e carlistas, portanto particularistas c absolutistas, onde se ergue a estátua do bardo vas-conço Iparraguirre, com sua barba de Homero, empunhando porém cm vez da nobre lira a popular guitarra, e muito … Ler maisImpressões de viagem – EM TERRA BASCA – Loiola

Impressões de viagem – EM TERRA BASCA – Fuenterrabía

EM TERRA BASCA Oliveira Lima I Fuenterrabía Da minha Janela, por onde o sol do meio-dia da Europa entra jorros, com uma luz que ainda não é a claridade crua e ofuscante dos trópicos mas já não é a claridade suave e difusa do Norte, desdobra-se um panorama encantador na sua variada uniformidade. Os seus … Ler maisImpressões de viagem – EM TERRA BASCA – Fuenterrabía

PELO TIROL – Paixão em Oberammergau

PELO TIROL Oliveira Lima I. "Paixão" em Oberammergau O Tirol bávaro e austríaco é certamente uma das porções privilegiadas desta Europa onde não escasseiam as belezas naturais. A parte austríaca é mais agreste, por isso mesmo mais imponente; a bávara mais harmônica, se bem que menos majestosa. Naquela predominam os picos escarpados e nus, de … Ler maisPELO TIROL – Paixão em Oberammergau

DE COMO SE TRABALHA EM PARIS

DE COMO SE TRABALHA EM PARIS Oliveira Lima O lado sério da vida de Paris escapa infelizmente a muitos que ali vão, não digo só dos da nossa nacionalidade, antes dos de qualquer nacionalidade. Récordo-me de um chileno, meu companheiro de viagem, a quem dava que fazer a alegria de Paris. Não há uma só … Ler maisDE COMO SE TRABALHA EM PARIS

A SEMANA SANTA EM PARIS

A SEMANA SANTA EM PARIS Oliveira Lima O privilégio das grandes cidades — e penso que grandes cidades só o são, verdadeiramente, na plena acepção do termo, Londres e Paris — é terem distrações, prazeres, ocupações e entretimentos de todo gênero, de todo custo e para todos os gostos. Em Paris só é ocioso quem … Ler maisA SEMANA SANTA EM PARIS

EXPLORAÇÕES GEOGRÁFICAS DOS ÁRABES

Mapa árabe de meados do século XII, desenhado no Cairo, por Prisse d'Avesne.

I — EXPLORAÇÕES GEOGRÁFICAS DOS ÁRABES. Relações dos árabes com os pontos mais afastados do globo. Relações com a China no século IX da nos-ssa era. Viagens de Almassudi, Haukal, Albiruni, Ba tuta, etc., através do mundo. II — PROGRESSOS GEOGRAFICOS REALIZADOS PELOS ÁRABES Trabalhos de geografia astronômica. Retificarão dos erros consideráveis de Ptolomeu. Comparação das posições astronômicas determinadas pelos gregos e árabes. Retificação pelos árabes do erro de quatrocentas léguas cometido pelos gregos no comprimento do Mediterrâneo. Importância das obras de geografia dos árabes. Tratado de Edrisi sobre as nascentes do Nilo. Resumo dos trabalhos geográficos dos árabes ………………………………

A MADRE DO OURO – Lenda da Mineração em Poço da roda — Arredores de Bomfim – GO

garimpo escravo

A MADRE DO OURO Poço da roda — Arredores de Bomfim Bomfim é uma das mais antigas cidades de Goiás. Como suas irmãs mais velhas, Meia Ponte e Vila Boa de Goiás, guarda ainda, sob muitos aspetos, o cunho dos núcleos coloniais do século XVIII, com a sua inconfundível arquitetura reinol, estilo barroco, de feição … Ler maisA MADRE DO OURO – Lenda da Mineração em Poço da roda — Arredores de Bomfim – GO

BARQUEIROS DO RIO SÃO FRANCISCO

BARQUEIROS DO SAO FRANCISCO - percy lau

O S TIPOS sertanejos das margens do São Francisco não resultam apenas do caldeamento dos elementos que compuseram a população do vale do grande rio. Decorrem também dos diferentes “gêneros de vida” a que foram levadas aquelas populações ao entrarem em contacto com um meio físico diverso.

Se as condições do meio físico acabaram por definir — no tempo e no espaço — cada tipo social já esboçado pelas circunstâncias da economia da época, a sua estruturação resultou, no fundo, da função antropogeo-gráfica do rio, que o espírito de aventura cedo descobriu.