O leão doente e a rapôsa – fábula de La Fontaine

O leão doente e a rapôsa – La Fontaine Achando-se doente o rei dos animais, mandou publicar por todo o seu reino ser de sua vontade que todos os vassalos lhe enviassem embaixada, cada um segundo a sua classe e qualidade, a saber da real saúde e fazer-lhe companhia na sua câmara. Certificou que seriam … Ler maisO leão doente e a rapôsa – fábula de La Fontaine

A região ao Sul do Zambeze

Fichamento do texto:A região ao Sul do Zambeze H. H. K. Bhila in História Geral da África – Vol. V – África do século XVI ao XVIII Miguel Lobato Duclos O texto trata do Império Mutapa, o Império Rozwi e os Estados orientais shona. Existem poucas fontes para essa região nesse período. O principal subsídio … Ler maisA região ao Sul do Zambeze

NO MINHO – Vila do Conde

Oliveira Lima NO MINHO Vila do Conde O Minho, como aliás todo Portugal, é das regiões mais interessantes da Europa pela sugestiva combinação que oferece de história, de arte e de natureza. Em Vila do Conde, por exemplo, onde estou passando algumas semanas, temos de um lado a linha ondulante da praia, com seus rochedos … Ler maisNO MINHO – Vila do Conde

JACINTO FREIRE DE ANDRADE e FR. LUÍS DE SOUZA

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL Fonte: editora Cátedra – MEC – 1978 LIÇÃO XXVII – biografia O PADRE JACINTO FREIRE DE ANDRADE O Padre Jacinto Freire de Andrade, natural da cidade de Beja, na província do Alentejo, viu a luz em 1597. Revelando desde os mais verdes anos grande propensão … Ler maisJACINTO FREIRE DE ANDRADE e FR. LUÍS DE SOUZA

A poesia satírica de GREGÓRIO DE MATOS GUERRA

Corrigir os costumes por meio do ridículo foi sempre lou vável, porém difícil tarefa; e tanto mais difícil quanto custoso é parar no plano inclinado da crítica. Desde Arquíloco, que os gregos consideram como o pai da sátira, numerosos são os poetas que se entregaram a esta espécie do gênero didático com mais ou menos êxito. Entre os romanos, Horácio e Juve­nal parece haverem na compreendido por duas diversas fa-sès; o cortesão de Augusto, reconhecendo-se incapaz de deter a torrente da corrupção, imola nas aras da sua faceta musa os ridículos do povo-rei, e, como Demócrito, ri-se e zomba dos seus contemporâneos; ao passo que o implacável discípulo de Cornuto marca com o ferro candente da sua sátira essa de­generada raça que aplaudia os Ñeros, os Claudios, os Calí-gulas e os Domicianos, e que turiferava diante de suas ima­gens. “Cada sátira de Juvenal, diz o Sr. Loise, é um exército disposto em ordem de batalha, cuias setas nartem a um sinal convencionado e dirigem-se ao mesmo alvo.”1 A cólera, a indignação eram suas Musas: facit indignatio versum, como ele próprio se expressava.

Epistolografia em D. Jerônimo Osório – Curso de Literatura

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876)

CURSO DE LITERATURA NACIONAL

 

LIÇÃO XIV

epistolografia

Constitui o gênero epistolar pela universalidade dos assuntos que pode abranger, verdadeira pedra de toque do talento do escritor. Não há quem não faça uma carta; poucos porém sabem conservar-se no justo meio que lhe é prescrito pelo bom gosto. Cumpre que nem se perca o autor nas nuvens da hipérbole e da ênfase, nem rasteje pelas baixas e grosseiras expressões. Pretende Blair que seja a carta a conversação escrita, natural como esta, e subindo, ou descendo de tom. segundo a importância da matéria. Poucos são os escritores que verdadeira nomeada tenham alcançado em tais composições; assim vemos que apenas cita a antiguidade as cartas de Cícero e Ático, e nos tempos modernos consideram os franceses a madame de Sévigné como o seu primeiro modelo.

Também no nosso século áureo tivemos um eminente epistológrafo, o qual tanto se aproximou ao amigo d’Ático, que foi denominado de Cícero português. Queremos falar de D. Jerônimo Osório, eloqüente escritor da vida de D. Manuel, cuja obra se subtrai à nossa análise por ser composta em estranho idioma. Julguemos suas Cartas com imparcialidade, dizendo antes duas palavras sobre ele.

D. JERÔNIMO OSÓRIO

ORIGENS E 1ª ÉPOCA DA LITERATURA PORTUGUESA – 1140 — 1279

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL I LIÇÃO III PRIMEIRA ÉPOCA — 1140 — 1279 Foi cercado de perigos o berço da monarquia portuguesa; com o montante e não com a pena gravou-se ela no mapa político da Europa; assim pois, a era dos guerreiros devera preceder a dos sábios. Arrancando … Ler maisORIGENS E 1ª ÉPOCA DA LITERATURA PORTUGUESA – 1140 — 1279

FASTOS DE COIMBRA – Forte Novo de Coimbra – Rio Paraguai – MS

FASTOS DE COIMBRA Coimbra, a fortaleza fundada à margem ocidental do Paraguai, como sentinela avançada ao sul de Mato Grosso, inscreve-se nos fatos militares do país com duas páginas do heroísmo que nos enchem de ufania quando contemplamos as suas altas muralhas, erguidas à encosta em que se assenta sobranceira à vasta planura dos seus … Ler maisFASTOS DE COIMBRA – Forte Novo de Coimbra – Rio Paraguai – MS

IGUALDADE no Iluminismo de Voltaire

Dicionário Filosófico de Voltaire – verbetes selecionados IGUALDADE Voltaire. Que deve um cão a um cão e um cavalo a um cavalo? Nada. Nenhum animal depende do seu semelhante. Mas para o homem, que recebeu esse raio da Divindade que se chama razão, qual o fruto? Ser escravo em quase toda a terra. Se o … Ler maisIGUALDADE no Iluminismo de Voltaire

Os principados feudais portugueses – História do Brasil de Handelmann

CAPÍTULO II

Os principados feudais portugueses

Voltemos agora ao litoral brasileiro. Ficou já referido como aí, nos primeiros decênios do século XVI, não só os portugueses rendeiros de monopólios, como também mercadores de outras nações, máxime franceses da Bretanha e da Normandia, exploravam lucrativo tráfico no litoral e fundaram até feitorias em vários pontos.

Em vão Portugal havia procurado pôr cobro a isso, por meio de sucessivas reclamações à corte de Paris, contra tais violações dos seus direitos.

Os reis de França, entretanto, não podiam ou não queriam restringir essa atividade por parte dos seus vassalos, e, sendo assim, mercadores, que partiam de Honfleur e de Dieppe para o Brasil, prosseguiram, como dantes, na exploração do seu negócio.

Em vista disso, decidiu-se d. João III de Portugal (1521-1557) a reprimir por si mesmo esses desmandos; e, para esse fim, mandou aprestar uma frota armada, que deveria estacionar nas costas sul-americanas e fazer o cruzeiro contra tais contrabandistas; o almirante nomeado foi Cristóvão Jacques, que, em fins de 1526, apareceu com seis naus nas costas da província de Pernambuco.

Cartas Filosóficas de Voltaire – Parlamento Inglês

Sobre o Parlamento

OS membros do Parlamento na Inglaterra gostam de comparar-se, tanto quanto lhes é possível, com os antigos romanos.

Não faz muito tempo, o Sr. Shipping, na Câmara dos Comuns, começou seu discurso com estas palavras: "A majestade do povo inglês seria ferida, etc."

A singularidade da expressão causou enorme hilaridade; mas, sem desconcertar-se, ele repetiu as palavras num tom firme, e já ninguém mais riu.

Confesso não ver nada de comum entre a majestad lo povo inglês e a do povo romano, e menos ainda entre os dois governos. Há um Senado em Londres, alguns membros do qual são suspeitos, embora sem justa razão, naturalmente, de vender os votos na ocasião oportuna, como se fazia em Roma: eis aí toda a semelhança.

O Ramaiana (épico sânscrito da Índia)

O Ramaiana (India)

O NASCIMENTO DE RAMA

ERA uma vasta e extensa comarca, alegre, abundante em trigo e rebanhos, junto das margens do Sarayu, chamado, também, Ka-sala. Havia ali uma cidade, célebre em todo o Universo, fundada por Manu, o chefe do gênero humano. Chamava-se Ayodhya.

Cidade bela e feliz, inexpugnável, provida de portas bem distribuídas, com ruas amplas, grandes, entre as quais destacava-se a Rua Real, onde o rocio da água destruía as volutas do pó.

Numerosos mercadores freqüentavam seus bazares e vários joalheiros adornavam suas vitrinas. Casas enormes cobriam sua superfície, embelezada com pomares e jardins públicos. Fossos profundos e intransponíveis circundavam-na. Seus arsenais armazenavam grande quantidade de armas de toda a espécie. Arcos ornamentais coroavam suas portas, constantemente vigiadas pelos archeiros.

Um rei magnânimo, chamado Daçaratha, que juntava vitória sobre vitória para o império, governava naquela época a cidade, como Amaravati governava a cidade dos imortais.

A LENDA DE LA SARRAZ

Suíça Toda a tortura inenarrável de viver, viver, viver, sem poder fugir, entretanto, à decadência física e à solidão afetiva e mental, está palpitante nesta lenda que tem início na Suíça, em um castelo todo de pedra… A LENDA DE LA SARRAZ NUM CASTELO da Suíça vivia outrora opulento senhor, chamado o barão de La … Ler maisA LENDA DE LA SARRAZ