Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

textos interessantes sobre poetas portugueses

Índices de trabalhos (artigos, resumos, resenhas, ebooks):

Carta de um professor de belas letras, na qual dá conselhos a um seu ex-discípulo

CARTAS Carta de um professor de belas letras, na qual dá conselhos a um seu ex-discípulo Meu caro discípulo e prezado amigo do coração. Quando V. Sª. honrava o meu curso com sua presença, posto que entre seus condiscípulos muito se distinguisse, não pude eu endereçar a V. Sª. instruções e advertências particulares, porque era […]

DOMINGOS BORGES DE BARROS (Visc. da Pedra Branca)

DOMINGOS BORGES DE BARROS (Visc. da Pedra Branca) Nasceu na cidade da Bahia, a 10 de dezembro de 1779 (5> e faleceu a 20 de março de 1855. Era filho do capitão-mor Francisco Borges de Barros e D. Luísa Clara de Santa Rita. BIBLIOGRAFIA 1) Dicionário português-)rances e francês-português — Paris, 1821, 2 vols. in 8.°. […]

O PROTO-ROMANTISMO BRASILEIRO e a ARCÁDIA LUSITANA

Biblioteca Academia Paulista de Letras – volume 7. História da Literatura Brasileira TOMO I. vol 3.  LIVRO PRIMEIRO Época de Transformação (século XIX) 2º período (Fase Patriótica) Artur Mota (Arthur Motta) (1879 – 1936) LIVRO SEGUNDO ÉPOCA DE TRANSFORMAÇÃO (1800-1835) PERÍODO DE TRANSIÇÃO DOS CLÁSSICOS PARA OS ROMÂNTICOS Manifestação literária, artística, científica e filosófica CAPÍTULO […]

FRANCISCO RODRIGUES LOBO, e a poesia bucólica no Teócrito Português

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL LIÇÃO XIX Gênero lírico espécie bucólica FRANCISCO RODRIGUES LOBO Forma este suavíloquo poeta, chamado o Teócrito Português, a transição da terceira para a quarta época da literatura. Pertence ainda à escola italiana, de que foram paladinos Ferreira, Miranda e Camões, mas participa já da funesta […]

quarta época — 1580 — 1750 – Curso de Literatura do Cônego Fernandes Pinheiro

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876)

CURSO DE LITERATURA NACIONAL

LIÇÃO XVIII

quarta época — 1580 — 1750

Atribui-se geralmente a decadência da literatura portuguesa ao domínio espanhol, que por sessenta anos enervou as forças e abateu os brios dos netos de Viriato. Para assegurar o triunfo da força e da astúcia sobre o direito forçoso era que promovessem os monarcas usurpadores o obscurantismo; assim pois, desde D. Filipe II até D. Filipe IV vigorou em Portugal um sistema calculadamente combinado para embrutecer o povo, e deturpar o gosto literário.

ESPÉCIE ELEGÍACA – Poesia lusitana

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL  LIÇÃO VIII ESPÉCIE ELEGÍACA Esta espécie do gênero lírico, destinada aos sentimentos de dor e melancolia, foi cultivada em todos os tempos pelos maiores engenhos. Admiramos na Bíblia o Livro de Jó, sublime hino da mais sublime resignação, choramos com Si-môn:des, acompanhamos Ovídio a seu […]

Lírica Portuguesa no século XVI

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL   LIÇÃO VII ESPÉCIE LÍRICA Quase todos os poetas portugueses ensaiaram o seu estro em romances, endechas, décimas e principalmente canções, que na poesia moderna tomaram o lugar das odes entre os gregos e romanos. Mencionaremos unicamente aqui os que mais se avanta­jaram durante o […]

Resumo sobre GIL VICENTE e Teatro Vicentino – Fase Quinhentista

CAPITULO 4

FASE QUINHENTISTA

(Século XVI)

POETAS PORTUGUESES

GIL VICENTE (Guimarães, 1460-1536) seguiu em Lisboa, onde então
se achava a Universidade, o curso de Jurisprudência, e ensinou Retórica
do Duque de Beja, D. Manuel, que sucedeu no trono por morte de D,
João II. Aclamado rei esse príncipe, Gil Vicente entrou a escrever peças
dramáticas, começando pelo Monólogo do Vaqueiro ou da Visitação (1502)
e fazendo representar no ano de sua morte a Floresta dos Enganos.

Dividem-se as suas composições em Obras de devoção, Comédias Tra-
giomédias, Farsas
e Obras várias. Entre as primeiras citam-se como as
melhores: O Auto da Barca do Inferno, o da Barca do Purgatório e o da
Barca da Glória. Julga-se a mais perfeita farsa Inês Pereira. Romagem de
Agravados
é a mais apreciada das tragicomédias. À comédia de Rubena or-
dinarimente se confere a primazia na sua espécie.

Gil Vicente foi poderoso e original engenho, e sobretudo se avan-
tajou no mordacíssimo chiste, que não raro degenerava em grosseiras
Indecências. Mais do que isto, os arcaísmos da linguagem a bem pouco
limitam o número de seus leitores atuais.

Não se deve confundir, segundo a autoridade de Teófilo Braga, a
Gil Vocente, poeta, com o ourives ou lavrante de igual nome. Este ponto
foi bem elucidado por C. Castelo-Branco.

Auto da Mofina Mendes – Teatro Vicentino

BOCAGE – Biografia e Poemas

MANUEL MARIA BARBOSA DU BOCAGE, Setúbal (1765-1805)partiu como guarda-marinha para a Índia e de lá se escapou para Lisboa,onde tomou o nome de Elmano Sadino e granjeou suma popularidade pelamelodia de seus versos e pasmosa faculdade de improvisar. Foi uma vez preso por divulgar idéias ímpias e sediciosas, e cantoua palinódia em poesias mais sinceras, […]

JOSÉ AGOSTINHO DE MACEDO

JOSÉ AGOSTINHO DE MACEDO (Beja, 1761-1831) teve em a Nova Arcádia o título de Elmiro Tagídeo. Professou na Ordem dos Ere-mitas de Santo Agostinho e em 1793 logrou secularizar-se presbítero. Tornou-se notável pela prodigiosa variedade dos seus conhecimentos epela sua índole inquieta e acerbamente polemística. Foi pregador, poetaépico (O Oriente), didático (A Meditação) e satírico […]

NICOLAU TOLENTINO DE ALMEIDA

NICOLAU TOLENTINO DE ALMEIDA (Lisboa, 1741-1811), foi
professor de Retórica, e, enfadado de tal ocupação, começou a lisonjear
os poderosos, de quem obteve finalmente o lugar de oficial da Secretaria
do Reino, em que tinha posto as suas mais altas aspirações. Manejou a
sátira com verso fluente, cuja forma predominante era a quintilha octos-
sílaba, e nunca se distanciou de polida mordacidade.

ANTÔNIO DINIS DA CRUZ E SILVA

ANTÔNIO DINIS DA CRUZ E SILVA, entre os Árcades Elpino Nonacriense (Lisboa, 1731-1799) seguiu a carreira da magistratura até o cargo de chanceler da Relação do Rio de Janeiro. Entre suas numerosas poesias citam-se as odes, que pecam pela uniformidade e pelo infladoestilo. Trabalhou também no gênero dramático; mas, de tudo quanto escreveu, melhor tem […]

DOMINGOS DOS REIS QUITA

DOMINGOS DOS REIS QUITA (Lisboa, 1726-1770). As suas obrascompreendem éclogas, odes, sonetos, outras poesias miúdas, o drama pas-toral Licore; e quatro tragédias, uma das quais, Castro, foi aproveitadapor João Batista Gomes para a sua Nova Castro. Quita foi membro da Arcádia Ulisiponense, sob o nome de Alcino Micênio. Tinha a profissãode cabeleireiro e morreu paupérrimo. […]

PEDRO ANTÔNIO CORREIA GARÇÃO

PEDRO ANTÔNIO CORREIA GARÇÃO, que na Arcádia se deno-minava Coridon Erimanteu, nasceu em 1724 e faleceu em 1772. Serviu como escrivão na casa da índia e, no fim. de uma vida placi- damente consagrada às letras, foi encarcerado e morreu na cadeia, exa- tamente no dia em que se lhe expedira a ordem de soltura. […]

ANTÔNIO CÂNDIDO GONÇALVES CRESPO

ANTÔNIO CÂNDIDO GONÇALVES CRESPO (Rio de Janeiro, 1845-1883) viveu no Brasil até a idade de catorze anos. Estudando em Coimbra,publicou o seu primeiro volume de versos, Miniaturas. A publicação destas poesias, além de renome, lhe valeu a simpatialiterária, e logo depois pessoal, da Exma. Sra. D. Maria Amália Vaz deCarvalho, com quem se casou o […]

Antero do Quental

ANTERO TARQUINIO DO QUENTAL (Ponta Delgada, Açores,1842-1891) era um pensador original e profundo, em cujo espírito se mes-clavam ansiosas aspirações de verdade e doridos desânimos que, produtoou causa de incurável neurastenia, finalmente o conduziram ao abismo dosuicídio Obras em verso: Odes Modernas, 1865; e Sonetos (1890), além deoutras composições só publicadas depois da morte do […]

Tomás Ribeiro

TOMÁS ANTÔNIO RIBEIRO FERREIRA (Parada da’ Gonta, naBeira Alta, 1831-1901) foi uma inteligência de escol; poeta mimoso eimpecável metrificador, orador fluentíssimo, diplomata, político, jorna-lista de rápida concepção, historiador consciencioso e eloqüente. Na poesia lírica manteve em devida altura a tradição romântica deCastilho, e suas poesias correram mundo, ganhando portentosa popula-ridade. Quem não recitou, ou não […]

JOÃO DE DEUS RAMOS

JOÃO DE DEUS RAMOS, mais vulgarmente conhecido só porJoão de Deus, nasceu em São Bartolomeu de Messines, Concelho de Silves,no Algarve, e viveu de 1830 a 1895. Bacharelou-se em Direito na Uni-versidade de Coimbra em 1859, e pouco depois já era bem conhecidopelos seus belos versos, tão espontâneos quão delicadamente sentidos. Não ligava maior importância […]

ANTÔNIO FERREIRA

ANTÔNIO FERREIRA (Lisboa, 1528-1559) fêz sérios estudos de humanidade em Coimbra, onde aprendeu o Grfego com Diogo de Teige. Concluindo o seu curso de Direito Civil, foi lente da Universidade donde passou a desembargador na capital do Reino. Benquisto na corte, obteve a mercê de fidalgo.

Escreveu duas comédias em prosa, Bristo e Cioso, e uma tragédia em versos, Castro; além de várias composições líricas — sonetos, éclogas, elegias, epístolas, odes publicadas com o título de Poemas Lusitanos.

FRANCISCO DE SÁ DE MIRANDA – Poesia Portuguesa

FRANCISCO DE SÁ DE MIRANDA (Coimbra, 1495-1558) dou-tourou-se na Universidade de Lisboa, e, depois de viajar cinco anos, viveu ora nesta capital ora na cidade do seu nascimento. Obtendo a comenda das duas Igrejas no Alto Minho, retirou-se da vida cortesã, ;ios quarenta anos de idade.

Escreveu em português e em espanhol; e das suas viagens pela Itália lomou o gosto do verso decassílabo e das combinações em sonetos e iiTcêtos. Obras: poesias várias, éclogas, cartas, elogios, canções etc; e duas comédias — Vilhalpandos e Estrangeiros.

BERNARDIM RIBEIRO – ESCRITORES e POETAS PORTUGUESES da FASE QUINHENTISTA

BERNARDIM RIBEIRO (Torrão, 1475-1553) um dos poetas que figuram no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, tem nome pela gentil singeleza das suas composições pastoris e sobretudo pelo seu romance Menina e Moça, assim denominado pelas palavras por que começa, mas que primeiro se imprimiu com o título Saudades de Bernardim Ribeiro. Sobre estas produções literárias paira a lenda de uma inditosa paixão de Bernardim por D. Beatriz, filha de el-rei D. Manuel.

JOSÉ DA SILVA MENDES LEAL – Poeta Português

JOSÉ DA SILVA MENDES LEAL (Lisboa, 1818-1886) foi destinado por seus pais à vida eclesiástica e fêz estudos no Mosteiro de São Vicente de Fora; mas com tais intuitos não se coadunava a ambição que o impelia à conquista de renome no mundo das letras e da política.

Escreveu muito para o teatro, filiando-se na escola romântica e principiando pelos Dois renegados: foi um triunfo.



11


Início