Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

textos interessantes sobre Dostoievski

Índices de trabalhos (artigos, resumos, resenhas, ebooks):

A árvore de Cristo – conto de Dostoiewsky

Th. Mikhailovitch Dostoiewsky é, sem dúvida alguma, o maior nome da literatura russa tão fecunda, e que tão poderosamente influiu na marcha das idéias contemporâneas.

Nascido em 1821, em Moscou, estava destinado à carreira militar, alcançando nela, aliás, o posto de segundo-tenente.

A vocação literária e a epilepsia que nele apareceu muito cedo cortaram-lhe a carreira das armas.

Intensamente ligado por simpatia às mais duras realidades do seu tempo, o grande novelista russo foi preso na mocidade como revolucionário tendo passado alguns anos na Sibéria. As experiências desse período, que aparecem no seu romance "Recordações da Casa dos Mortos", enriqueceram-no com conhecimentos mais sólidos dos segredos da alma humana e o intrincado de seus caminhos.

Mas, apesar de todo o sofrimento por que passou em todo o curso da sua existência, o que vemos nele é o ser compassivo, o humano defensor dos "humilhados e ofendidos", que descobriu a dignidade humana no idiota, no bêbedo e no criminoso.

Brückner, historiador da literatura russa, disse, ao se referir a Dostoiewsky, que, "para o estudo da alma russa, especialmente da sua própria, êle nos legou um material extraordinário; mas as suas manifestações excedem, de muito, toda a classe de fronteiras políticas ou nacionais" .

Entre as suas obras mais notáveis figuram: "Os irmãos Karamazov", "Crime e Castigo", "O idiota", "Oa possessos", "Humilhados e Ofendidos", etc.

dostoievski romancistaOU romancista. O meu destino é estar sempre escrevendo histórias. Esta foi imaginada do princípio ao fim. Apesar do que bem poderia ter sucedido em qualquer parte, na vés-ra do Natal, numa grande cidade com um frio horrível.

Gógol – O Diário de um Louco

Considerado como o primeiro representante verdadeiro do realismo russo, NIKOLAI VASILIEVITCH GÓGOL nasceu na região de Poltava em 1809, de uma, família de cossacos ucranianos tipicamente patriarcal. O pai era comediógrafo de fama local e exerceu influência sobre a sua formação literária; a mãe, espírito inclinado ao misticismo religioso, sobre a sua formação moral. Gógol teve uma infância feliz e fêz medíocres estudos no liceu de Néjin, onde sobressaiu, principalmente, pelo seu talento de ator. Em 1828 vai para São Petersburgo. Era, como bom ucraniano, humorista e sonhador, imaginativo e realista, mas, o que contrastava com os de sua região, pouco expansivo, irritadiço e pouco sentimental.

Vsevolod Gárshin – Biografia e conto O SINAL

GÁRSHIN

(1855 — 1888)

O “mal do século” atingiu de forma definitiva, levando-o ao suicídio a VSEVOLOD MIKHAILOVITCH GÁRSHIN, fruto de uma sociedade agonizante e último produto de uma nobreza em decadência, que não soube reagir aos insultos das enfermidades e aos golpes das transformações sociais e espirituais de seu tempo. Os personagens deste escritor atormentado são todos vítimas de uma “consciência doente”, homens torturados pelo problema do mal.

Discíptilo de Gógol e de Dostoievski, o infeliz escritor nasceu em Bachmut, tendo estudado em São Petersburgo e tomado parte na guerra russo-turca.

Entre seus diversos contos mais conhecidos, é notável o que se chamou “Quatro Dias”, inspirado nos horrores da guerra. “A flor vermelha” é outro relato seu de grande intensidade emotiva.

Gárshin viveu atormentado por uma doença nervosa, que o levaria a um trágico fim aos 88 anos de idade.

CRÍTICA A ROXIN

     CRÍTICA A ROXIN Ernani Fernandes Bolsista do PRP-Institucional/USP e articulista do Blog Escola Filosófica RFC http:// blog.escolafilosoficarfc.org/  1 PREFÁCIO      Deve-se assercionar, antes que se inicie a crítica, que a superficialidade, decorrente não só da limitação de páginas, como também do objetivo designado, pode dar margem a dúvidas quanto a conceitos apresentados, em […]

Nietzsche e o cristianismo

Nietzsche e o CristianismoMiguel Duclós Trabalho apresentado no CFH/UFSC 2008, disciplina Filosofia da Religião ministrada pelo Prof. Dr. Luiz Hebeche          O objetivo deste trabalho é o de investigar alguns aspectos conhecidos e característicos da vida e obra de Nietzsche e sua relação com alguns outros autores, para que possamos identificar questões que nos permitam visualizar […]

Crítica a Maquiavel

Crítica a Maquiavel Ernani Fernandes * Bolsista do PRP-Institucional/USP e articulista do Blog Escola Filosófica RFC http:// blog.escolafilosoficarfc.org/ Prefácio      Para que se dê início a explanação quanto a divergências do pensamento maquiaveliano, deve ser feita a ressalva de que, para uma crítica com mais propriedade e livre de posições que podem aparentar irreflexão, dado […]

Prefácio a Tchecov

  Prefácio A Tchecov. Henrique de Campos Fonte: Clássicos Jackson Antes de entrarmos no estudo da obra de Tchecov, julgamos conveniente esquematizar a evolução do ficcionismo russo até ao grande contista, a fim de darmos uma idéia mais nítida da posição deste último no quadro da literatura eslava. As primeiras manifestações apreciáveis da ficção, na […]

Nietzsche e Dostoiévski: uma possível conexão

Este artigo faz uma aproximação entre Nietzsche e Dostoiévski através do romance Crime e castigo. Mostra que o filósofo inspirou-se na literatura do escritor russo mas fazendo uma outra interpretação, diferente do que pensava Dostoiévski. Expõe que a tese do além-do-homem (Übermensch) foi inspirada em personagens literário

A MORTE DE DEUS E A IDEALIZAÇÃO DO HOMEM SEGUNDO A ÓTICA MORAL DE FRIEDRICH NIETZSCHE


RESUMO


Wilhelm Friedrich Nietzsche (1844-1900) é um dos filósofos contemporâneos que mais suscita discussões na atualidade. Concentrando nosso tema na crítica de Nietzsche ao cristianismo, temos por objetivo principal apresentar o seu pensamento acerca da religião cristã – incluindo, primeiramente, a sua crítica à filosofia, à razão e à moral – e confrontá-lo com algumas produções filosóficas que questionem e discorram acerca de suas premissas e conclusões, propondo, num desafio à obra do filósofo, que a sua constatada “morte de Deus”, e o seu anúncio a um novo tipo de homem, o sobre-homem, não nos oferecem um questionamento eficaz ao teísmo e aos pressupostos filosóficos cristãos, sendo mais válidos como denúncia do que como suporte a uma nova filosofia.



Palavras-chave: razão, moral, verdade, morte de Deus.



11


Início