Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

Lógica Formal e Material – Curso de Filosofia de Jolivet


Curso de Filosofia – Régis Jolivet

LIVRO    1 LÓGICA

LÓGICA FORMAL — LÓGICA MATERIAL

LÓGICA

PRELIMINARES

Art.    I.    DEFINIÇÃO DA LÓGICA

O termo "lógica" vem de uma palavra grega que significa razão, A Lógica é, de fato, a ciência das leis ideais do , e a arte de aplicá-las corretamente à procura e à demonstração da verdade.

1.    A    Lógica   é    uma   ciência,    isto    é,    um        de conhecimentos certos, fundados em princípios universais. Nisto, a Lógica filosófica difere da Lógica espontânea ou empírica, como o que é perfeito difere do imperfeito. Porque a Lógica natural não é mais do que uma aptidão inata do espírito para usar corretamente as faculdades intelectuais, mas sem ser capaz de justificar racionalmente, recorrendo aos princípios universais, as regras do pensamento correto,

2. Ciência das leis idéias do pensamento, a Lógica pertence por isto à filosofia normativa, porque não tem por fim definir o que é, mas o que deve ser, a saber, o que devem ser as operações intetelectuais para satisfazer às exigências de um pensamento correto. Ela estabelece as condições, não de existência, mas de legitimidade.

3.     A lógica é também   uma   arte, isto  é,  um  método   que permite bem fazer uma obra segundo certas regras.  A Lógica, de fato, ao mesmo tempo em que define as leis ideais do pensamento, estabelece as regras do pensamento correto, cujo conjunto constitui uma arte de pensar. E como o raciocínio é a operação intelectual que implica todas as outras operações do espírito, define-se muitas vezes a lógica como a ciência do raciocínio correto.

Ι. A Lógica tem por fim a procura e a demonstração da verdade, porque a procura e a demonstração da verdade são o fim (dai inteligência e, por conseguinte, da Lógica, enquanto define as condições de validade das operações do espírito.

Art.   II.   IMPORTÂNCIA DA  LÓGICA

7.        É   necessário  não  exagerar  nem depreciar a  importância  da Lógica científica.

1.    A Lógica empírica. — Podemos chegar e chegamos muitas vezes à verdade sem o auxílio da Lógica científica, sobretudo quando as operações intelectuais não comportam uma grande complexidade. Neste caso, é suficiente a Lógica espontânea, da qual η Lógica filosófica é tão-somente um aperfeiçoamento metódico, e LEIBNIZ disse com razão que "as leis da Lógica não são mais do que as regras do bom-senso colocadas em ordem e por escrito".

 

2.    A Lógica científica. — Mas se o bom-senso é sempre necessário, nem sempre é suficiente. Se se pode observar espontaneamente as regras de um pensamento correto, temos ainda mais probabilidades de o fazer quando estas regras são conhecidas e familiares. — Além disso, não se trata unicamente de conhecer a verdade: é necessário afastar as dificuldades e refutar os erros, e o bom-senso aí encalha muitas vezes, porque ignora as causas de erro e os processos sofísticos. — Enfim, o bom-senso pode tirar de uma verdade as conseqüências mais imediatas. Mas da mesma forma que não sabe elevar-se aos princípios universais, não sabe descer às conseqüências1 remotas.

A Lógica é então necessária para tornar o espírito mais penetrante e para ajudá-lo a justificar suas operações recorrendo aos princípios que fundam a sua legitimidade.

ART. III.    DIVISÃO DA LÓGICA

Vimos (6) que a Lógica quer estabelecer as condições a que as operações intelectuais devem satisfazer para serem corretas. Ora, estas condições podem ser grupadas em duas grandes categorias. Existem, de início, as condições que asseguram o acordo do pensamento consigo mesmo, abstração feita de todo dado particular, de tal sorte que elas sejam válidas universalmente. Existem a seguir as condições que decorrem das relações do pensamento com os objetos diversos a que se pode aplicar. Donde as grandes divisões da Lógica:

1.    Lógica formal ou menor. — É a parte da Lógica que estabelece a forma correta das operações intelectuais, ou melhor, que assegura o acordo do pensamento consigo mesmo, de tal maneira que os princípios que descobre e as regras que formula se aplicam a todos os objetos do pensamento, quaisquer que sejam.

Ora, como as operações do espírito são em número de três, a saber: a apreensão, o juízo e o raciocínio, a Lógica formal compreende normalmente três partes, que tratam da apreensão e da idéia, — do juízo e da proposição, — do raciocínio e da argumentação.

2.    Lógica material ou maior. — É a parte da Lógica que determina as leis particulares e as regras especiais que decorrem da natureza dos objetos a conhecer. Ela define os métodos das matemáticas, da física, da química, das ciências naturais, das ciências morais etc, que são outras tantas lógicas especiais.

À Lógica maior, podemos ligar o estudo das condições da certeza,  assim como dos sofismas pelos quais o falso se apresenta sob a  aparências do verdadeiro. Estas questões não se confundem ab-lolutamente com aquelas de que trata a Crítica do conhecimento. Não se cuida, efetivamente, em lógica, senão de definir, de um ponto-de-vista formal, o que são de direito a verdade e o erro e quais são as condições de direito da certeza, enquanto que a Crítica do conhecimento tem por objeto resolver a questão de saber se de fato nossas faculdades de conhecer são capazes de atingir a verdade.




Índice   [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45] [46]

Comentários

Mais textos

21 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , , , ,

Início