Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

A MATÉRIA E A FORMA OU A ESSÊNCIA DOS CORPOS – Curso de Filosofia de Jolivet


de Filosofia – Régis Jolivet

Capítulo Segundo

A  MATÉRIA  E   A   FORMA   OU   A  ESSÊNCIA DOS  CORPOS

76.       A questão da essência dos corpos não é um problema importante para as ciências físico-químicas. Ultrapassa, com efeito, a competência do puro físico, enquanto se trata de descobrir, não precisamente os elementos dos corpos (moléculas, átomos, íons, elétrons, nêutrons, prótons etc), que compõe o objeto das ciências, mas os princípios intrínsecos de sua constituição. Em outros termos, o físico não vai jamais, ou não pode ir, enquanto físico, além dos corpos, porque mesmo os elementos dos corpos, por menores que sejam, são ainda corpos. A Cosmologia, ao contrário, partindo unicamente da experiência, e utilizando-se dos resultados das ciências físico-químicas,

 decide ir além do corpo e determinar os princípios de que resultam, não enquanto são tais ou tais corpos, mas enquanto são, puni e simplesmente, corpos.

ART. I.    A TEORIA HILEMÓRFICA

77        O nome de teoria hilemórfica (de duas palavras gregas que significam matéria e forma) foi dado à doutrina, proposta inicialmente por ARISTÓTELES, que define a essência dos corpos como resultante da união de dois princípios chamados matéria e forma.

1.   Matéria e forma.

a) Noção. Os corpos comporiam a matéria, que é uniu matéria determinadas a matéria do corpo humano difere da de uma pedra ou da do ar. Mas de onde vem a diferença que existe entre estas diversas matérias? Não vem da própria matéria como tal, pois vemos que esta é suscetível de todas as transformações, em virtude de uma espécie de inércia, ou plasticidade que lhe ê própria. A diferença deve então provir de um outro princípio que se chama a forma substancial e que, apropriando-se da matéria indeterminada (ou prima), faz com que seja tal matéria (matéria segunda: corpo humano, pedra, vegetal). O corpo, como tal, tem então dois princípios constitutivos intrínsecos: a matéria primeira e a forma substancial (assim chamada porque, por sua união, com a matéria, constitui uma substância corporal determinada).

b)     A matéria e a forma como potência e ato. Desta análise, vê-se, ao mesmo tempo, recorrendo-se às noções dadas acima (73) sobre o ato e a potência, que a matéria-prima é potência e pura potência, quer dizer, capaz de converter-se em qualquer corpo, graças a sua absoluta indeterminação original. Por sua vez, a forma substancial é ato, porquanto é por ela que a matéria se torna tal corpo. E por isto que se diz que a forma ê ato da matéria. Assim, a alma racional (forma substancial) é o ato que faz da matéria-prima um corpo humano.

c)     A matéria e a forma como princípios de ser. É preciso bem compreender que a matéria-prima não existe e não pode existir como tal. Toda matéria real é matéria segunda, quer dizer, determinada por uma forma substancial. Do mesmo modo, a forma, .substancial (salvo o caso da alma humana, como se verá em ) não existe e não subsiste sem matéria. Com efeito, matéria-prima e forma substancial não são seres, mas apenas princípios de ser.

78        2.    União da matéria e da forma.

a)     A unidade resultante da união da matéria e da forma é uma unidade essencial, quer dizer que forma uma única essência ou espécie.

b)     A união da matéria e da forma se faz sem intermediário, uma vez que a forma substancial é o ato primeiro da matéria. Ou dois princípios do corpo se unem então por si mesmos, sob a ação de um agente físico, e formam por si mesmos um corpo único, uma única substância (o homem, composto de um corpo e de uma alma, é um ser único).

3. Atividade e passividade no corpo. — Os corpos aparecem ao mesmo tempo como ativos e passivos. Estão sujeitos ao que a ciência chama inércia, quer dizer, a uma impotência para modificar por si mesmos seu estado, e ao mesmo tempo manifestam, sob a provocação de agentes físicos, atividades determinadas: o fogo queima, o corpo do animal se move, a árvore cresce e dá frutos. Estes dois aspectos contrários das realidades corporais se explicam pelo duplo princípio que os constitui: a matéria é, assim, princípio de passividade e de inércia, enquanto que a forma é princípio de atividade.

 

79         4.    A noção de espécie.

a)     Definição. Todo corpo pertence a uma espécie determinada, quer dizer, a uma categoria de seres com a mesma natureza (espécie mármore, espécie carvalho, espécie lobo, espécie humana). É a forma substancial que é, no corpo, o princípio específico, quer dizer, o princípio que, unindo-se à matéria, produz um ser de uma iluda espécie.

b)     A forma é o fundamento da diferença específica. É então a forma substancial que servirá para definir o que se chama a diferença específica, quer dizer, o caráter essencial, que situa um ser numa dada espécie. Assim, a diferença específica do homem (animal racional) será o caráter de racional, que define a forma substancial do homem ou alma racional.

c) As formas substanciais e, por conseguinte, as diferenças específicas da maior parte dos seres permanecem desconhecidas na sua essência. Daí se definirem estes seres por suas propriedades ou, mesmo simplesmente, em certos casos, por seus caracteres exteriores: é assim que se definirá a espécie carvalho descrevendo a forma das folhas e do fruto deste vegetal.

5. A forma acidental. — Todo ser corporal pode receber formas acidentais, que não mudam sua natureza, mas apenas sua maneira de ser. Assim, o mármore (matéria segunda) pode tornar-se estátua ou coluna, ou bacia, estátua de Júpiter ou estátua do Mercúrio. A água pode tornar-se vapor ou gelo. As formas acidentais são atos segundos em relação ao corpo, que está em potência destes atos diversos.

Art. II.    O PRINCÍPIO DA  INDIVIDUAÇÃO

80         1. O problema da individuação. — Apresentou-se a questão de saber se a individuação (o fato de ser um indivíduo, quer dizer, um ser uno em si mesmo e distinto dos outros) provém da matéria ou da forma substancial. Esta questão se apresenta com o fim de explicar como uma espécie (por exemplo, a espécie humana) pode comportar indivíduos múltiplos (João, Tiago, Paulo etc), quer dizer, comportar seres ao mesmo tempo idênticos (uma vez que têm todos a mesma natureza) e distintos (uma vez que um não, é o outro).

2. A individuação pela matéria. — Responde-se comumente que é a matéria que é o princípio da individuação. Com efeito, a forma, por si mesma, é universal (assim, a razão, que faz o homem, tem por si de individual; uma razão que não seja mais do que razão formaria por si só uma espécie). Ao contrário, recebendo a forma, a matéria, por estar dotada de quantidade, quer dizer de dimensões e, por conseguinte, de finitude, limita e restringe a forma, determina-a, e, portanto, a individualiza.




Índice   [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45] [46]

Comentários

Mais textos

2 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , ,

Início