Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

FILOSOFIA ESPECULATIVA, filosofia da natureza – Curso de Filosofia de Jolivet


Curso de Filosofia – Régis Jolivet

LIVRO    II

FILOSOFIA   ESPECULATIVA

FILOSOFIA                Cosmologia

DA         

NATUREZA                Psicologia

METAFÍSICA             Crítica do conhecimento

COSMOLOGIA         

PRELIMINARES        Teodicéia

68        1.    Noção.

a) Definição. A Cosmologia (etimologicamente ciência do mundo) constitui a primeira parte da Filosofia natural (ou filosofia da natureza) ; tem por objeto o estudo dos corpos como tais, abstraindo, por conseguinte, se são vivos ou não. Distingue-se das ciências físico-químicas enquanto visa a determinar a natureza dos princípios intrínsecos dos corpos, ao passo que as ciências físico-químicas, deixando de lado as questões de natureza ou de essências, se limitam ao estudo das aparências sensíveis dos corpos e de suas leis empíricas.

b) A questão da vida. O estudo da vida pertence normalmente à Psicologia, ou estudo da alma e suas operações. A vida, com efeito, é a presença da alma, vegetativa, sensitiva ou racional. Podemos, todavia, como se faz comumente, limitar a Psicologia ao estudo do homem e acrescentar à Cosmologia o estudo da vida em geral.

2. Divisão. — A Cosmologia, conforme a ordem de toda a Filosofia, parte da observação das propriedades mais gerais dos corpos, tendo em vista definir qual a essência dos corpos, que estas propriedades manifestam. Acrescentando a este o estudo da vida, teremos então a seguinte divisão:

I.    As propriedades gerais dos corpos:

A.    Quantidade:

1.     Descontínua: o número.

2.    Contínua:

Capítulo Primeiro

AS PROPRIEDADES GERAIS DOS CORPOS

(59       As propriedades mais gerais dos corpos são, por um lado, a quantidade e tudo o que se lhe relaciona, — e, por outro, as qualidades sensíveis.

ART.    I.    A QUANTIDADE

Os corpos compõem o domínio da quantidade. A primeira questão que interessa à Cosmologia é, então, a da quantidade, considerada sob os dois aspectos que pode revestir (50), a saber, a quantidade descontínua ou número, e a quantidade contínua, que compreende a extensão (com os efeitos formais desta: lugar e espaço), o movimento e o tempo.

§ 1.     A QUANTIDADE DESCONTÍNUA

A.    Noções de unidade e de número.

É importante distinguir desde já a unidade numérica, que está ligada à quantidade, e a unidade transcendental, que é estranha à ordem da quantidade.

1.    A   unidade   numérica.   —   A quantidade descontínua é a que se conta, ou mede e exprime-se por um número. Esta tem por princípio a unidade numérica. Assim, "10 ovos" é uma quantidade medida pela unidade-ovo, "10 metros" uma quantidade medida pela unidade metro.

A   unidade  transcendental –  A   unidade   transcendental (de que teremos de falar em Metafísica geral) designa simplesmente a propriedade que possuir o de indiviso em si mesmo.

Esta propriedade não acrescenta realmente nada ao ser. Significa apenas uma negação, a saber, a negação da divisão; tudo o que e ser é indiviso. Donde o axioma: o ser e o uno são convertíveis. Esta unidade transcendental é princípio da multiplicidade, quer dizer, da coleção de seres indivisos em si mesmos, e distintos uns dos outros, e considerados como distintos: um homem, um cavalo,, uma pedra, um vegetal formam uma multiplicidade ou pluralidade de seres.

B.    A gênese do número.

70        O número se encontra sob formas diversas:

1.    Na quantidade contínua (número contínuo) : o que é divisível em partes da mesma natureza. As partes do contínuo são tais que o fim de uma será ao mesmo tempo o começo da seguinte. Daí resulta a propriedade da extensão.

2.    Na quantidade descontínua (número descontínuo ou propriamente dito) : o que é feito de unidades da mesma natureza ou de partes atualmente separadas umas das outras ou em simples contigüidade: três cadeiras, cem homens, as peças de uma máquina, os eixos formando um monte.

Distinguem-se o número numerado e o número numerante. O número numerado designa as coisas múltiplas que se somam por um número: três cadeiras, dez homens; o número numerante é o número abstrato, ou tomando absolutamente: 2, 3, 5 etc.

§   2.     A  QUANTIDADE  CONTÍNUA

A.    A extensão dos corpos.

71         1. Realidade da extensão. — A realidade da extensão foi negada por certos filósofos, em particular os idealistas, que sustentam que a extensão não tem existência real, mas é apenas uma idéia no> espírito (opinião de BERKELEY ou uma simples maneira de sentir (opinião de KANT),

Estas opiniões interessam sobretudo à Crítica do conhecimento. Nós apenas notaremos aqui que elas vão diretamente  contra o juízo espontâneo,  natural e necessário do , que professa a realidade objetiva da extensão: se um tal juízo fosse falso, toda certeza seria destruída de roldão.

2. As pretensas antinomias do contínuo. — Outras objeções contra a realidade da extensão (ou do contínuo) foram propostas, em nome de uma análise do contínuo. Estes são os argumentos famosos de Zenão de Eléia.

a) Zenão de Eléia entende que, se a extensão fosse real, tornaria impossível o movimento. A extensão sendo, com efeito, composta de partes em número — pelo fato de que o contínuo é indefinidamente divisível — seria impossível transpor qualquer espaço, uma vez que cada elemento deste espaço seria por sua vez. composto de elementos em número . Como não se pode atravessar o , seria impossível o movimento. Zenão ilustra esta. doutrina pelo exemplo de e da tartaruga: , o de. pés ligeiros, por mais que corra, jamais poderá alcançar a tartaruga. De fato, o movimento é uma ilusão, se a extensão existe; e, se o movimento existe, é a extensão que é a ilusão.

a) Discussão. Contra esta doutrina, existe inicialmente o fato. evidente da realidade do movimento. Além disso, o erro de Zenão é supor que as partes da extensão são descontínuas. Na verdade, elas não são divididas realmente, mas simplesmente divisíveis, © compõem um contínuo que um movimento, igualmente contínuo, pode transpor.

72        3.    Efeitos formais da extensão. — Da   extensão   dos   corpo» resultam o lugar e o espaço.

a)     O lugar. O lugar é a superfície interior de um continente em relação a um conteúdo, mas considerada como imutável e jamais, havendo mudado. Em suma, o lugar é uma determinação fixa 8 invariável do espaço.

b)     O espaço. Pode-se distinguir o espaço do senso comum, o espaço do matemático e o espaço filosófico. Para o senso comum, o espaço aparece como um grande receptáculo de três dimensões, em que podemos, pela imaginação, entender indefinidamente os limites. Este receptáculo contém todo os corpos.

Para o matemático, o espaço é uma grandeza contínua homogênea, onde só existem pontos sem dimensão, superfícies sem espessura etc.

Para o filósofo, o espaço real é o lugar universal dos corpos, a relação das dimensões do universo com tudo o que elas envolvem. Esta definição precisa a concepção imaginativa do senso comum e corrige a convenção matemática. Implica, com efeito, na afirmação de que não existe espaço real sem corpo real: o espaço é, pois, inseparável dos corpos, mas não se confunde com eles. Para encontrar o espaço real, é necessário considerar o universo nas suas dimensões, e estas na sua relação com o que contêm. O espaço é, assim,  uma relação  de dimensões.

B.    O  movimento.

73.       1. Noção. — Para o senso comum, o movimento consiste na passagem de um lugar para outro. Isto é verdade, mas não define o movimento senão exteriormente, e só se aplica ao movimento local.

a) Elementos da definição. Para definir filosòficamente o movimento, é necessário utilizar as noções de ato e de potência, que pertencem à Metafísica geral. Aqui, será suficiente saber que A potência é a aptidão de um ser a tornar-se ou a receber alguma coisa (Pedro está em potência para receber a ciência, a água fria está em potência para tornar-se vapor), enquanto que o ato é o fato, puni um ser, de ter recebido ou de se haver tornado esta coisa que podia receber ou tornar-se (Pedro, tendo adquirido ciência, é sábio em ato. A água, aquecida, a 100 graus, está quente em ato).

b) Definição. Considerado na sua essência, o movimento se define, então, com o ato daquilo que está em potência, enquanto estando em potência, Para compreender esta definição comecemos pela transformação. Pedro vai iniciar o estudo do latim. Ele o podo aprender, em virtude de sua qualidade de ser inteligente e, mais proximamente, em virtude de seus primeiros estudos de gramática, está, claro, com potência para saber latim. Desde que o saiba, será latinista em ato. Terá, então, passado da potência ao ato.   É esta passagem que constitui   o  movimento: é um ato     (ou uma sucessão de atos), uma vez que consiste na aquisição progressiva dos elementos do latim; mas é o ato de um ser em potência, uma vez que Pedro não é ainda latinista perfeito. Quando o for, o movimento cessará. O movimento é, portanto, o ato de uma potência enquanto tal, quer dizer, um ato começado, que prossegue, que não chegou ainda a seu termo derradeiro.

2.    Divisão. — A noção do movimento se aplica, não somente ao movimento local, mas, por analogia, a toda transformação, e não somente à ordem material, mas também à ordem espiritual (raciocinar, meditar, são movimentos).

C.    O tempo.

74        1. Noção. — O tempo se define como o número ou a medida do movimento. Com efeito, não se pode conceber o tempo sem O movimento, e isto resulta do fato de que distinguimos os progressos (ou fases) do movimento enquanto se sucedem uns aos outros. O tempo é, pois, uma espécie de número. Mas não é um número descontínuo: é um número continuo e fluente.

Cumpre distinguir o tempo, da duração. Esta não faz senão significar a permanência no ser, haja ou não sucessão. O tempo supõe a sucessão. Quem suprime a sucessão suprime o tempo.

2.   Os diferentes tempos. — Distinguem-se:

a)     O tempo concreto ou vivido. É aquele que resulta do -movimento vivido por cada ser. O tempo pode ser mais ou menos vivido, conforme a rapidez ou a lentidão do movimento vivido por este ser. Durante o sono, o tempo quase desaparece, em conseqüência do relaxamento da atividade psíquica (ou movimento psíquico). De outras vezes, desde que a atividade é intensa, o tempo parece, ao contrário, precipitar-se.

b)     O tempo abstrato. É o tempo uniforme, e vazio que nos representamos como uma linha, ao longo da qual se situam os acontecimentos do universo.

c)     O tempo objetivo. É o tempo resultante do movimento da Terra nobre si mesma, e que foi tomado como unidade,  (um dia de vinte e quatro horas).   Este tempo uniforme  não depende de nós, se bem que, sem um espírito que numere (ou meça) o movimento da Terra, o tempo não existiria em ato, mas apenas em potência no movimento da Terra.

75        3.    Os elementos do tempo.

a)     Presente, passado, futuro. O tempo se compõe, essência mente, de três partes: o passado, o presente, o futuro. Só o presente  existe: o passado já não é e o futuro ainda não é. Isto prova, ainda, que o tempo, tomado na sua totalidade, não existe realmente a não ser no espírito, que, graças à memória, conserva o passado e, pela previsão, antecipa o porvir.

b)     A duração concreta. A duração concreta, contudo, quer dizer, o próprio ser, enquanto permanência do ser na sucessão, realiza de alguma forma a presença simultânea do passado e do futuro no presente. O presente do ser, que dura, é, com efeito, o passado acumulado, e ao mesmo tempo o futuro potencial, sob a forma das virtualidades de que está carregado.

c)     O presente. O presente é como um ponto-limite e perpetuamente movente entre o passado e o futuro. Considerado abstratamente, não comporta nenhuma multiplicidade interna, nenhuma sucessão de atos. Mas pode-se falar também de um presente concreto, psicológico, que comporta uma certa sensação de multiplicidade interna: é o tempo exigido para que a consciência apreenda como um todo sintético e único uma sucessão de movimentos. É assim que uma frase (sucessão de palavras) é dada num presente concreto. Na realidade, como se vê, este presente concreto, síntese de sucessões, encerra os três elementos do tempo.

4.    O tempo e a eternidade.

a)     O tempo corresponde ao que muda, ao que comporta a sucessão e o vir-a-ser. — A eternidade é uma duração, quer dizer, uma permanência de ser, sem nenhuma sucessão e, daí, sem começo nem fim. Pode-se dizer, em outras palavras, que é um eterno presente, uma posse perfeita e total do ser.

b)     O tempo poderia não ter começo nem fim. Deus, com efeito, teria podido criar um tal tempo.   O tempo, assim concebido, não mudaria de natureza e não se confundiria de forma alguma com a eternidade, uma vez que não deixaria de ser sucessão e vir-a-ser, enquanto que a eternidade, sendo posse perfeita do ser, exclui necessariamente toda sucessão e todo vir-a-ser.

ART. II.    AS QUALIDADES SENSÍVEIS

A.    Noção.

75bis    1.   Natureza da qualidade. —   A qualidade é uma maneira de ser que afeta as coisas em si mesmas. Seu domínio é muito mais amplo que o da quantidade, uma vez   que   a   qualidade se aplica ao espírito tanto quanto ao corpo, ao contrário da quantidade, que não tem realidade a não ser no domínio corporal.

2.    A objetividade das qualidades sensíveis. — Não   se   trata aqui de negar a realidade empírica (ou aparente)   das qualidades sensíveis, que se impõe por si mesma. Mas certos filósofos se perguntaram se as  qualidades  sensíveis têm,  objetivamente falando, toda a realidade que lhes atribuímos espontaneamente, quer dizer, se, por exemplo, a cor, o calor, o peso etc. existem, como tais, fora de nós.  Devemos aqui apenas assinalar este problema e remetê-los para sua discussão à Psicologia, onde o encontraremos, no estudo da sensação.

B.    Divisão das qualidades.

1.    Divisão acidental. — Desde  Locke,   distinguem-se as qualidades primárias e as qualidades secundárias, correspondendo respectivamente ao que os  escolásticos  chamavam sensíveis  comuns e sensíveis próprios.   As qualidades primárias são as que se referem à quantidade, a saber, a extensão, a figura ou a forma, o movimento e a resistência. — As qualidades secundárias são as que são objeto de um sentido próprio: cor e luz (vista), som (audição), sabor (paladar), odor (olfato), qualidades táteis e calor (tato) etc. Esta  divisão   é  feita  de  um ponto-de-vista  acidental.   Além disso, o movimento não é, propriamente, uma qualidade, mas recai, por redução, na categoria do lugar. Da mesma forma, a extensão, recai na quantidade.

2. Divisão essencial. — Colocando-se do ponto-de-vista da essência da qualidade, quer dizer, das diversas maneiras pelas quais um sujeito pode ser modificado, obtêm-se as quatro espécies de qualidades seguintes:

a)     A disposição. Chamam-se assim as maneiras de ser que afetam a própria natureza de um ser, seja espiritual (o dom da música), seja corporal   (saúde).

b)     A potência e a impotência. São estas qualidades que afetam o sujeito, enquanto suscetível de atividade (Pedro pode fazer sem fadiga uma longa marcha ou um trabalho de várias horas seguidas. Paulo é incapaz disto).

c)     As paixões. Sob este nome (usa-se também o de qualidades passíveis), agrupam-se as qualidades que resultam de uma alteração (cor, som, sabor, calor, odor etc.) ; — e as que causam a alteração (propriedades químicas ou físicas; eletricidade,  por exemplo).

d)     A figura e a forma. Designam-se assim as qualidades que determinam   (ou  particularizam)   a  quantidade de um sujeito.

C.    A medida das  qualidades.

A experiência nos mostra que as qualidades podem ter graus (a água é mais ou menos quente; uma fazenda é mais ou menos vermelha; um sabor é mais ou menos pronunciado etc.) Esta constatação nos leva a perguntar se não seria possível medir as qualidades, quer dizer, reduzi-las de alguma forma ao número (e por conseguinte à quantidade).

1.    A medida  indireta. — Os   processos  usados  nas  ciências para medir as qualidades  (ou fenômenos)  já nos  são  mais familiares.  

Quando se consulta o termômetro, sabe-se que as variações do calor nele se denunciam pelo movimento da. coluna, de  mercúrio no tubo graduado. Vê-se perfeitamente que se trata apenas de uma medida indireta  do calor,   completamente  diferente da medida de uma quantidade, que se faz por comparação com uma outra quantidade: vinte graus de calor não são a soma de vinte vezes um grau de calor. – Para  realizar estas medidas indiretas, as ciências recorrem,

 ora à medida da massa, ora à medida dos efeitos quantitativos (termômetro, barómetro, galvanômetro etc), — ora à medi da das relações e das proporções, que consiste em comparar entro si medidas de massas ou de efeitos quantitativos.

2.    A medida analógica. — Era todos estes casos, a medida dun qualidades não é evidentemente mais do que uma medida por analogia. A qualidade, como tal, não é suscetível de medida; em outras palavras, não é redutível a um número. Daí se segue que a diversidade  qualitativa, como tal, escapa à ciência, que apenas  nos pode dar uma representação simbólica do real.




Índice   [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45] [46]

Comentários

Mais textos

6 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Início