O HÁBITO – Curso de Filosofia de Jolivet



Curso de Filosofia – Régis Jolivet

Capítulo Segundo

O   HÁBITO

Art. I.    A NATUREZA DO HÁBITO

91        1.    Definição. — A   palavra   "hábito"   vem   de   uma   palavra latina que significa ter ou possuir. É, no seu sentido mais geral, a propriedade de conservar as modificações recebidas.

É necessário, porém, precisar a natureza do hábito. Ela não se reduz absolutamente à inércia e à passividade. Todos nós sabemos, por experiência, que o hábito tem por fim dar-nos maior facilidade de agir. É o que queremos dizer quando nos desculpamos de não ser bem sucedidos num trabalho novo, com palavras deste gênero; "Eu não estou habituado". O hábito pode ser então definido, no sentido próprio, como uma aptidão adquirida, para reproduzir certos atos com tanto mais facilidade quanto mais tenham sido executados.

2. Hábito e costume. — O hábito não deve ser confundido com o costume. Sabe-se que os seres vivos são capazes de se acomodar, até um certo ponto, ao meio e às circunstâncias (clima, temperatura, alimentação etc.) : o próprio organismo se transforma, de algum modo, sob a ação das novas condições em que for colocado. É a esses fenômenos de adaptação passiva (chamados, por vezes, mas de uma forma um pouco equívoca, hábitos passivos) que se dá o nome de costume.

Ora, o costume não é ainda o hábito propriamente dito. Assinala a plasticidade do organismo, mas esta plasticidade é apenas uma condição do hábito: este implica desenvolvimento de atividade. Cria a capacidade e permite ao ser vivo não apenas adaptar-se às circunstâncias, mas dominá-las.

3.    Automatismo e dinamismo do hábito. — Se é verdade que o hábito é dinamismo, é também automatismo, e de fato é esta característica que o senso comum reteve acima de tudo. Nada nos é mais familiar que o desenvolvimento mecânico do ato habitual em que, a partir de um sinal dado (como numa lição que se sabe de cor e que se desfia por completo a partir da primeira palavra), todos os movimentos se encadeiam sem parar, e por si mesmos, do principio ao fim. A consciência não apenas não tem por que intervir, mas ainda, o mais das vezes, na intervenção corre o risco de perturbar o desenvolvimento do ato habitual. Deste ponto-de-vista, de finir-se-á o hábito como um impulso automático para continuar ale o fim um ato ou um conjunto de atos a partir do sinal que os desencadeou.

Assim, o hábito é, ao mesmo tempo, automatismo e dinamismo. O automatismo é o meio de que dispõe a natureza para realizar seus próprio, fins, isto é, ela se serve do mecanismo para dele se libertar.

Para compreendê-lo, é suficiente imaginar o que significarei como liberdade para o espírito os hábitos intelectuais (por exem pio, as regras lógicas), para a vida moral as , para a vida social a linguagem e a escrita, para vida prática as técnicas da profissão. Todos estes automatismos, assinalando novas conquistas e fixando-as sob a forma de hábitos, libertam as forças do homem para novos progressos.

4.   Espécies do hábito. — O hábito não cria qualquer atividade especial: aplica-se a todas para dar-lhes um funcionamento mais fácil e mais regular, e, quando se produz de novo, é sempre no quadro das atividades fundamentais do homem. Podemos ter então tantos hábitos quantas funções temos. Pode-se, contudo, dividi-las todas em três grandes classes, que são: os hábitos intelectuais, que interferem nas faculdades de conhecimento (sob este aspecto, ;a ciência, considerada subjetivamente, é um hábito) ; — os hábitos motores, que são aptidões a executar, por meio de mecanismos adquiridos pelo exercício e desenvolvendo-se de uma, forma automática,  atos mais ou menos complexos (como as técnicas da bicicleta, do patim, da escrita e, em geral, das profissões) ; — os hábitos morais,  que interferem na vontade (as virtudes e os vícios).

Art.  II.    PAPEL DO HABITO

92      1.   Finalidade do hábito.      O hábito é condição da continuidade o de progresso.

a)     Continuidade. O hábito dá à nossa vida esta coesão pela qual os atos que realizamos formam, não um conjunto de episódios isolados na nossa existência, mas uma trama cerrada e contínua em que o presente se liga ao passado e prepara o futuro. Sem dúvida, a liberdade conserva sempre o poder de intervir soberanamente neste encadeamento. Mas seu papel é, antes, inicial, enquanto, pela atenção, que é uma das formas da liberdade, é criadora dos próprios hábitos. Uma vez formados, estes se desenvolvem por seu próprio exercício, e permitem conservar os frutos dos esforços anteriores. É por isso que a vida adquire essa unidade e essa continuidade que dela fazem uma espécie de obra de arte, em que todos os elementos estão solidários e se organizam em torno de uma idéia central.

b)     Progresso. Pelo hábito, por um lado, os resultados adquiridos são mantidos e acrescidos. O pianista que possui a necessária habilidade manual pode, a partir daí, aprender indefinidamente novos trechos. — Por outro lado, o hábito é uma função de economia: reduz ao mínimo o dispêndio de esforço exigido pela ação. É assim que o mecanismo da escrita, exercendo-se por assim dizei "sozinho", permite aplicar inteiramente a atenção às idéias que se quer exprimir por escrito. — Enfim, o hábito se torna criador quando acrescenta às aptidões naturais modos novos de exercício, técnicas novas que, dotando o ser vivo de habilidade original, abrem à sua atividade perspectivas de desenvolvimento infinito.

98        2.    Efeito   do   hábito. — É bastante que nós nos observemos para descobrir os efeitos do hábito.

a)     O hábito reforça os órgãos e as faculdades. Desenvolve os órgãos, conferindo-lhes força, resistência e agilidade. Ao contrário, a inatividade os atrofia. É nesta constatação que se baseia a cultura física.

b)     O hábito diminui a consciência. É bem o que exprime a linguagem corrente, para a qual "agir por hábito" significa "agir maquinalmente". Se a atenção foi necessária para adquirir hábitos,, estes, uma vez formados, tendem a dispensar a atenção. Muitas vezes,  a atenção se torna uma fonte do erro, porque, fixando-se nos elementos de um conjunto, que funciona como um todo, arrisca-se a separá-los e daí a desorganizar o sistema.

c) O hábito reforça as necessidades. Se o hábito não cria necessidades, propriamente, não deixa de reforçar as tendências que o colocaram a seu serviço. Age, então, como uma segunda natureza, enquanto que as tendências e os instintos que coloca em ação adquirem, através dele, uma força cada vez maior e cada vez menos contrariada, até o ponto em que o hábito pode tornar-se, por vezes, uma verdadeira tirania.

Vê-se também, entretanto, que o hábito não deve efetivamente seu poder tirânico senão à tendência, à necessidade ou à paixão de: que se investiu para agir com mais facilidade. Por si mesmo não conhece outra tirania senão aquela que rege o desdobramento do ato habitual a partir do primeiro ato (ou primeiro elo da cadeia), chamado sinal.

Art. III.    FORMAÇÃO E DESAPARECIMENTO DOS HÁBITOS

94        1.    Condições de formação. — O hábito depende, por sua formação, de condições  biológicas, fisiológicas e psicológicas.

a) Condições biológicas. Vimos que o hábito é um meio de superar a natureza, acrescentando-lhe algo novo. Mas essa própria superação está latente em nossa natureza, que se submete às servidões da matéria, mas que é também espírito de liberdade: O hábito é, assim, o efeito e o sinal da dualidade de nossa natureza, que é a um tempo corporal e espiritual.

Biològicamente, o hábito não tem, pois, outra condição que não seja a de responder de alguma forma aos desígnios da natureza, o que significa que a natureza apenas exclui os hábitos que a contrariam ou negam. Um certo costume pode permitir tolerar os excessos e as falhas (é o caso de Mitrídates quando se exercitava em absorver doses cada vez mais fortes de veneno), mas dentro de limites que a natureza jamais permite transpor.

b)     Condições fisiológicas. Os elementos que compõem o hábito formam um todo organizada, de tal maneira qie o sistema por inteiro tem a tendência de se reproduzir, desde que a condição inicial (ou sinal) seja dada. É assim que a lição aprendida de cor se desenrola por si mesma, desde que se possuam as primeiras palavras. Inversamente, o bloco ou o sistema tenderá a se desagregar quando as condições de sua execução estiverem modificadas. Assim, a recitação é bruscamente interrompida, quando uma palavra é trocada.

Fisiològicamente, a condição essencial do hábito será, então, de um lado, a criação de vias nervosas, facilitando a passagem do influxo nervoso (fenômeno do franqueio), — e, de outra parte, a agilidade e a disciplina do sistema muscular (cada vez que se trate de hábitos motores).

Invoca-se muitas vezes também a repetição. Com efeito, esta se torna indispensável, desde que se trate de vencer uma resistência orgânica. O número das repetições, como a solidez do hábito, será por outro lado extremamente variável segundo as espécies e os indivíduos. Mas, de qualquer forma, o hábito é ao menos esboçado desde o primeiro ato, e, por vezes, este primeiro ato, completado por uma intensidade ou uma aplicação extrema, pode gerar um hábito perfeitamente constituído.

c)       Condições psicológicas. Estas condições podem resumir-se na inteligência, que toma consciência dos mecanismos exigidos pelo hábito e lhe compreende o sentido exato, — e no interesse, que dirige a atenção. É a atenção que exerce o papel principal na formação dos hábitos. É ela que escolhe os movimentos úteis e elimina os movimentos inúteis, — que coordena os diversos movimentos entre si, e intensifica os atos terminados, concentrando-se inteiramente neles.

Deste ponto-de-vista, as experiências que se relacionam com as condições da aprendizagem são particularmente interessantes. Todas elas mostram claramente o papel preponderante que exercem os fatores conscientes no progresso da aprendizagem, a qual se resume na aquisição de um sistema de hábitos.

95       2.    Condições de desuso. — Os hábitos se adquirem e podem perder-se, mesmo os mais inveterados. As leis de desaparecimento  (ou desuso) são exatamente contrárias ás leis do formação: é possível desfazer-se dos hábitos quer abstendo-se de os exercer, quer desorganizando o sistema que compõem.

a)     A abstenção. A abstenção, ou não-cumprimento dos atos habituais, pode admitir duas formas, ou dois graus, sendo um a diminuição progressiva do número de atos habituais, o outro a sua supressão radical repentina. Em qualquer dos casos, e a vontade que deve intervir para inibir o efeito normal do sinal, e da mesma forma o rompimento e o desdobramento dos movimentos, gestos ou palavras, que constituem o mecanismo habitual. É o caso do fumante que, para vencer sua paixão, se abstém de carregar consigo a carteira de cigarros, cujo contato no seu bolso determina automaticamente (como um sinal) o gesto de apanhar um cigarro e de acendê-lo. Pouco a pouco, quando o esforço de inibição se mantém (de qualquer forma que seja), o hábito desaparece, por não ser exercido.

Com mais forte razão, o hábito desaparece pela falta de exercício,  desde que não seja mais do que uma técnica, (arte ou profissão,  esporte ou jogo) que cessa de praticar, e não o instrumento de uma paixão, que deve ser vencida. O pianista, que Já não faz. mais exercícios e não toca mais, termina por não saber mais tocar, a não ser desajeitadamente; o esportista, que não treina, mais, se esquece rapidamente a técnica  do seu esporte.

b)     A desorganização. Observa-se por vezes que o hábito podo ser destruído por substituição, quer dizer, pela aquisição de um ha bito contrário ao que se quer destruir. É certo que, na ordem nu» ral, sobretudo, esse processo é dos mais eficazes, pois dá um objetivo positivo à atividade. Mas isto se aplica muito mais à tendência ou à paixão do que ao próprio hábito. Para vencê-lo, o meio mais eficaz,  com a abstenção, consiste em desorganizar o sistema por ele constituído. Mas esta desagregação é raramente total, quando o hábito  estiver sòlidamente constituído. É o que explica a revivescência dos hábitos perdidos e a facilidade mais ou menos grande, que se experimenta, de reavivá-los.

Art. IV.    INCONVENIENTES  E PERIGOS  HÁBITO

96        O hábito, dizemos, tem o seu  reverso: comporta certos  inconvenientes e certos perigos, que se importa assinalar, e muitos  moralistas ficaram tão impressionados com isto que quiseram condenar o hábito como nefasto. É o que faz Jean-Jacques Rousseau no seu Emílio. Devemos conhecer, também, os argumentos que se fazem valer contra o hábito, para apreciar-lhes, em seguida, o valor e o alcance.

1.    Requisitório contra o hábito. — Este requisitório faz valer as seguintes observações:

a)     Há maus hábitos. Quando se fala dos benefícios do hábito, esquece-se muito que não existem só bons hábitos, e que existem hábitos maus. Familiarizamo-nos com o mal facilmente, na verdade mais facilmente que com o bem, e pode-se dizer do hábito o que Esopo dizia da língua: que ela é ora uma coisa excelente e ora uma coisa detestável.

b)     O hábito ê fator de endurecimento. Mas será que jamais possa ser uma coisa excelente? Considerando tudo pelo lado melhor, e não falando dos hábitos maus, é necessário salientar que se o hábito, por debilitar a consciência, nos torna cada vez menos sensíveis às emoções, e assim nos torna aguerridos e nos endurece, torna-nos também insensíveis ao belo e ao bem, cria a monotonia e a saciedade, a tudo embota, e gera tédio.

c)     O hábito gera o automatismo. Enfim, se o hábito é função de economia, é também função de automatismo, enquanto subtrai nossos atos ao império da reflexão e da vontade. Afirma-se assim como o inimigo mais inflexível da liberdade e da responsabilidade.

4.    Apreciação.

a)     Este requisitório se aplica mais à rotina do que ao hábito, É a rotina que suprime a iniciativa, que paralisa a atividade inteligente e livre, que gera a saciedade c faz do ser vivo uma máquina.

b)     É verdade, contudo, que o hábito tende, a degenerar em rotina, como o espírito de economia em avareza, e a prudência em pusilanimidade. Mas é sempre possível remediar este perigo. De inicio,   pela reflexão e a atenção, que renovam sem cessar os hábitos , enriquecendo-os e transformando-os, incorporando à aquisição que representa o hábito formado as novas conquistas que realizam; — em seguida, pelo espírito de iniciativa, ou, mais precisamente, o hábito da iniciativa ou da liberdade, que é um hábito como os outros, e, do ponto-de-vista da educação, o primeiro dou hábitos.

O hábito da reflexão e da liberdade, eis o que se trata anteÉ de mais nada de adquirir, quer dizer, o hábito de dominar seus hábitos, de controlá-los pela razão e, se for necessário, de destruí-los ou de reformá-los pela vontade. Assim, estaremos armados contra mm rotinas; e, os hábitos, longe de constituir um perigo, serão pre-Ciosos auxiliares, e a própria condição do progresso no bem.

c)    Hábito e liberdade. É, com efeito, o principal sofisma, do requisitório, que se levanta contra o hábito, pretender que ele suprima necessariamente a liberdade e a responsabilidade. Se é verdade que o hábito, abandonado a seu automatismo, atenua grandemente  a liberdade e, por conseguinte, a responsabilidade dos meios que   produz, convém notar, inicialmente, que o hábito é voluntário na sua causa, quer dizer, nos atos livres, que o geraram, -   depois, que o exercício do hábito deixa subsistir a liberdade e a responsabilidade na mesma medida em que a vontade, usando deliberadamente de  hábito, confirma e reforça a iniciativa livre de onde ele se origina.




Índice   [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45] [46]

Comentários

comments

Mais textos

3 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início