mapa roma itália
Índice

Continued from:

O senado, a legislação e o conselho privado

Se Augusto teve contemplações com o senado, este contudo perdera a independência desde que o imperador, na qualidade de censor, gozava da faculdade de rever as listas dessa alta assembléia e excluir da mesma os adversários, que no começo ainda os havia. A iniciativa da legislação, esta passara para o imperador. O centro do governo estava desde Augusto no chamado concilium prin-cipis, espécie de conselho privado composto dos seus amigos entre os senadores e outras classes, e do qual dependiam as repartições administrativas (scrinia). Degenerando com os tempos, tal instituição engendrou a camarilha.

Os limites do império

Augusto tomou por limites do império o Danúbio (Ister), anexando a região ao sul do seu curso inferior para com ela formar a província da Moésia (modernas Sérvia e Bulgária) e assegurando o seu curso superior com a criação das províncias da Panônia (Hungria), Nórica (Áustria), Récia (Grisões, Tirol e alta Lombardia) e Vin-dilícia (grande parte da Baviera e parte de Bade e do Würtemberg) — os territórios atuais não correspondendo todavia rigorosamente às antigas províncias, cuja incorporação foi obra de Tibério, enteado de Augusto e filho de Lívia, a qual exerceu sobre seu imperial esposo considerável influência.

A Germânia. Derrota de Varo

Ao norte Augusto levou o limite até o Elba, conquistando a região entre este rio e o Reno. Semelhante ampliação de domínio, obtida por quatro brilhantes campanhas de seu outro enteado, Druso, no coração da Germânia — nome dado a toda a Europa central compreendida entre o Reno e o Vístula e entre o Danúbio e os mares Sarmático (Báltico) e Germânico (do Norte) — acarretou porém a Augusto no ano 9 da nossa era o maior desgosto do seu reinado de 44 anos (31 a. C. a 14 da era cristã).

Guerras na Espanha e na Dalmácia. A paz otaviana

Foi este desgosto o aniquilamento na floresta de Teutoburgo das três legiões de Varo, a saber, 20 a 25 000 homens, pelos teutões comandados por Hermann, a quem os romanos chamavam Armínio. No dizer de um historiador americano, o general romano pensou que podia governar germanos amantes da liberdade como governara asiáticos servis e assim os estimulou à revolta, impedindo sua romanização, idêntica à dos celtas da Gália, o que teria mudado bastante a face dos acontecimentos na Europa e eliminado algumas das suas feições importantes, a começar pela conversão da Britânia em Inglaterra.

A idade de ouro da literatura latina no império e na república

Estas e outras guerras, como as derrotas dos asturianos e dos cantábricos pelo próprio Augusto e por Agripa, determinando a incorporação do Norte da Espanha, e a subjugação por Tibério dos rebeldes da Dalmácia, não afetavam por assim dizer a tranqüilidade do império romano: eram episódios passados nas suas fronteiras distantes, onde as guarnições viviam em campos entrincheirados. E mesmo assim, sob Augusto se fechou, uma das três vezes em oito séculos, o templo de Jano pelo fato de reinar no mundo a paz que se ficou chamando otaviana.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.