Antônio João Ribeiro -Um episódio da Guerra do Paraguai

Um verdadeiro patriota – Antônio João Ribeiro A coluna devastadora vinha dirigida pelo coronel Resquin que, em nome do Paraguai, levara inopinadamente a guerra ao seio do Brasil. O ataque havia sido tão pouco esperado que os batalhões pa­raguaios, sem oposição alguma à sua marcha de conquista, fo­ram tangendo adiante de si tôda a população … Ler maisAntônio João Ribeiro -Um episódio da Guerra do Paraguai

O alfaiate e o banqueiro

O alfaiate e o banqueiro Morava numa aldeia um alfaiate, que apenas ganhava o ne­cessário para o sustento, mas sempre contente com a sua sorte. A mulher, igualmente resignada e laboriosa, nunca o amofi­nava pelas precisões da casa: antes o ajudava a levar a cruz da vida com uma satisfação, que muitos ricos podiam invejar; … Ler maisO alfaiate e o banqueiro

O CONGRESSO DOS AMERICANISTAS DE VIENA

Oliveira Lima O CONGRESSO DOS AMERICANISTAS DE VIENA O Congresso que hoje se inaugura é o 16.° da série. O anterior foi em Quebec, o penúltimo em Stuttgart, o antepenúltimo em Nova York; desde algum tempo assim alternadamente numa cidade européia e numa cidade americana. _A série começou por Nancy, *em 1875, num início, como … Ler maisO CONGRESSO DOS AMERICANISTAS DE VIENA

Perfil biográfico de Alexandre Herculano

Oliveira Lima ALEXANDRE HERCULANO DlZIA um poeta francês de outro poeta também francês — não há furor mais terrível do que o de um lírico que se zanga — que há mortos que é preciso matar. Vejam que requinte de crueldade! Chega a parecer uma atrocidade, e esta ocorrida em tempo de paz. Dizia lie … Ler maisPerfil biográfico de Alexandre Herculano

CÓNEGO JANUÁRIO DA CUNHA BARBOSA

Biblioteca Academia Paulista de Letras – volume 7. História da Literatura Brasileira TOMO I. vol 3.  LIVRO PRIMEIRO Época de Transformação (século XIX) 2º período (Fase Patriótica) Artur Mota ( Arthur Motta) (1879 – 1936) CAPÍTULO IV (continuação) OUTROS FAUTORES DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL CÓNEGO JANUÁRIO DA CUNHA BARBOSA Nasceu na cidade do Rio de … Ler maisCÓNEGO JANUÁRIO DA CUNHA BARBOSA

A LENDA DA IPECACUANHA

A LENDA DA IPECACUANHA

A LENDA DA IPECACUANHA Ipecauanha, Ipeca ou Poaia — "Cephaelis ipecacuanha" (Rubiáceas). — Esta planta preciosíssima habita as matas virgens e sombrias do município, que é, incontestavelmente, o maior habitat, neste Estado, desta famosa ru-biácea. O seu caule, em parte subterrâneo, eleva-se à altura de palmo e meio, mais ou menos fora da terra e … Ler maisA LENDA DA IPECACUANHA

A DESVENTURA DO CEL. FAWCET

tiroteios e flechadas

A DESVENTURA DO CEL. FAWCET A sonhada serra dos Martírios atraiu para o ignorado, em junho de 1925, o sempre lembrado Cel. Fawcet que, juntamente com o filho Jack e o companheiro Railegh Rimmel, saiu disposto e certo de localizá-la em rumo inédito, em direção diferente dos seguidos até então. Chegando a Cuiabá, onde se … Ler maisA DESVENTURA DO CEL. FAWCET

A ALAVANCA HISTÓRICA – gold rush Matogrossense

A ALAVANCA HISTÓRICA Uma jazida riquíssima havia atraído a atenção dos novos povoadores da terra predestinada. Isto se dera num dos interstícios do outeiro da Prainha que partindo da hoje capital matogrossense, deriva ondeante para o Nordeste, onde o São Jerônimo se alteia como atalaia soberbo da cidade ridente. Num daqueles desvãos, que abrem passagem … Ler maisA ALAVANCA HISTÓRICA – gold rush Matogrossense

AS MINAS DOS MARTÍRIOS

AS MINAS DOS MARTIRIOS A terra é virgem; homens, parai. Bandeirantes que vos internais pelos sertões Araés, à procura do gentio que vos odeia de morte, sustai os vossos passos; é virgem a terra que pisais. Penitência e oração. Tirai da mente a idéia da escravização dos indígenas da ubertosa terra; são eles vossos irmãos, … Ler maisAS MINAS DOS MARTÍRIOS

POR QUÊ É TRISTE O JABURU – mito indígena de animais encantados do Mato Grosso

POR QUÊ É TRISTE O JABURU Nessa hora dúbia que ainda é dia e ainda não é noite, uma imensa tristeza se apodera dessa ave esquisita. E o jaburu, num dormitar profundo, nem sequer agita o longo pescoço, parecendo então um empalhado espécime de museu. Nas grandes noites de cheia, move as asas poderosas e … Ler maisPOR QUÊ É TRISTE O JABURU – mito indígena de animais encantados do Mato Grosso

Dominação Espanhola e Segunda Invasão Francesa no Brasil

A voz do povo decidiu-se pelo primeiro e tumultuosamente foi ele aclamado rei; a sorte das armas, porém, se decidiu pelo último, e após pequena resistência submeteu-se todo o Portugal ao vencedor, no que foi acompanhado pelas colônias portuguesas. Assim também o Brasil. Verdade é que apareceram ali, em 1581, diversos navios franceses com cartas do prior do Crato, nas quais ele exigia submissão, como mais próximo herdeiro e rei aclamado; a mensagem, porém, chegou tarde demais, pois já haviam as autoridades reconhecido o rei de Espanha, além de que viera sob uma bandeira, que os brasileiros desde muito estavam habituados a considerar como a de seus mais acirrados inimigos e, assim, foi ela rejeitada sem mais cerimônia. As capitanias, uma após outra, prestaram submissão ao rei Filipe II, provisoriamente com simples manifestações de contentamento, e mais tarde, por ordem expressa, foi-lhe prestado o juramento formal na Bahia, aos 25 de maio de 1582.

Esta mudança na dinastia quase não fez diferença alguma no direito público de Portugal e suas colônias, pois no parlamento, em Tomar, concedeu Filipe II que, entre ambos os reinos da Península Ibérica, a união se efetuaria somente na pessoa do monarca: Portugal conservaria a sua língua, as suas leis, as suas colônias, e tanto aqui, como lá, ocupariam os cargos somente os filhos do país.

Estas promessas, todavia, não foram estritamente cumpridas e, assim, Portugal sentiu-se dentro de pouco tempo profundamente ferido na sua nacionalidade, execrando a imposta dominação espanhola.

Diferentemente sucedia no Brasil: aqui se sentiam as pequenas humilhações menos apaixonadamente que além-mar, pois para o Brasil era de fato indiferente que o seu rei residisse em Lisboa ou em Madri, que fosse um português ou um espanhol ocupar os mais importantes cargos da colônia.

Antônio Conselheiro – Crônica de Olavo Bilac

quem foi antonio conselheiro

Antônio Conselheiro – Olavo Bilac Confesso que nunca entendo bem as cousas que se pas­sam aqui. Tenho viajado tanto, que já não há canto da terra que os meus pés de cabra não tenham calcado, nem recanto de horizonte em que não tenham pousado os meus olhos satânicos: e tenho, em todas as terras, entendido … Ler maisAntônio Conselheiro – Crônica de Olavo Bilac