Os vulcões – definição, tipos de vulcão.

Os vulcões Os vulcões são montanhas que vomitam fumo, substâncias calcinadas, turbilhões de fogo ou de pedras, e matérias em fusão, chamadas lavas. O cume da montanha tem uma. abertura, em for­ma de funil, chamado craterai e algumas há que têm léguas de ex­tensão. A cratera comunica com um conduto tortuoso, uma es­pécie de chaminé, … Ler maisOs vulcões – definição, tipos de vulcão.

História da borracha

Dr. Aluísio Telles de Meirelles. Fonte: Manual do Executivo. Novo Brasil editora brasileira.       A BORRACHA     HÁ muitos anos um explorador francês, Charles Marie de la Condamine, ao analisar uma amostra de látex que lhe chegou às mãos, teve a intuição de sua excepcional importância e logo partiu para o Peru, em busca da árvore … Ler maisHistória da borracha

HISTÓRIA DO PAPEL

Dr. Aluísio Telles de Meirelles. Fonte: Manual do Executivo. Novo Brasil editora brasileira.     O PAPEL – HISTÓRIA DO PAPEL EM RESUMO DESDE o ano 400 antes de Cristo que a forma do livro é a mesma de agora. Antes da invenção da imprensa, os manuscritos eram os únicos livros conhecidos e, em geral, os seus preços … Ler maisHISTÓRIA DO PAPEL

POESIA – GÊNERO DIDÁTICO – ESPÉCIE DIDÁTICA E EPIGRAMÁTICA

Cônego Fernandes Pinheiro (1825 – 1876) CURSO DE LITERATURA NACIONAL   LIÇÃO IX   GÊNERO DIDÁTICO   ESPÉCIE DIDÁTICA E EPIGRAMÁTICA   ESPÉCIE  DIDÁTICA F. DE SÁ DE MIRANDA   Distinguiu-se este grande poeta na espécie didática; por isso que seu espírito naturalmente inclinado às cogitações fi­losóficas, a experiência que adquirira em suas peregrinações, e … Ler maisPOESIA – GÊNERO DIDÁTICO – ESPÉCIE DIDÁTICA E EPIGRAMÁTICA

A LENDA DA IPECACUANHA

A LENDA DA IPECACUANHA

A LENDA DA IPECACUANHA Ipecauanha, Ipeca ou Poaia — "Cephaelis ipecacuanha" (Rubiáceas). — Esta planta preciosíssima habita as matas virgens e sombrias do município, que é, incontestavelmente, o maior habitat, neste Estado, desta famosa ru-biácea. O seu caule, em parte subterrâneo, eleva-se à altura de palmo e meio, mais ou menos fora da terra e … Ler maisA LENDA DA IPECACUANHA

CARTA XIII de VOLTAIRE – Sobre JOHN LOCKE

Cartas Filosóficas de Voltaire   CARTA XIII Sobre Locke 7 Nunca houve, talvez, espírito mais sagaz, mais metódico, um lógico mais exacto do que Locke; não obstante, não era grande matemático. Nunca pudera submeter-se à fadiga dos cálculos nem à aridez das verdades matemáticas, que não apresentam, à primeira vista, nada de sensível ao espírito; … Ler maisCARTA XIII de VOLTAIRE – Sobre JOHN LOCKE

Resumo sobre a Filosofia de Spinoza

Baruch de Apinoza. Gravura de H. Lips

[caption id="attachment_11909" align="alignleft" width="279" caption="Baruch de Apinoza. Gravura de H. Lips"]Baruch de Apinoza. Gravura de H. Lips[/caption]
Baruch (Benedito) Espinoza (também grafado por alguns como Spinoza), nasceu em Amsterdam, na Holanda, em 1632. Descendia de uma abastada família de comerciantes originários da Espanha, cujos antepassados haviam sido expulsos de Portugal. Espinoza cresceu na comunidade judaica portuguêsa de Amsterdã e, ainda pequeno, iniciou estudos da Tora e do Talmud. Jovem, passou a freqüentar a escola de Francisco van den Enden, doutor de formação católica que se tornou livre pensador -o que à época era quase equivalente a ser ateu – despertando a ira dos agrupamentos de fanáticos. Foi na escola de van den Enden que Espinoza travou contato com outros pensadores clássicos, como Cícero, Sêneca e Aristóteles; estudou a filosofia medieval e a filosofia moderna, entre os quais Descartes, Bacon e Hobbes. Neste círculo intelectual Espinoza também teve oportunidade de se aprofundar na matemática, geometria e as ciências de sua época, principalmente na obra de Galileu.

A crítica à metafísica aristotélica clássica e o despontar da subjetividade cognoscente-autônoma em Immanuel Kant 

maravilhas das antigas civizações

 

Francisco Nunes de Carvalho

Licenciado em Filosofia – [email protected]

 

O presente trabalho objetiva apresentar o processo
histórico-filosófico de decadência da metafísica enquanto ciência sobre o mundo
objetivo em sua totalidade – ciência do ser – na vertente de Aristóteles,
relacionando-o à afirmação do sujeito cognoscente que se volta para si mesmo e
estabelece a própria autonomia racional, o que ocorre na chamada Modernidade e
atinge momento privilegiado em Immanuel Kant. Analisaremos assim a transição de
uma racionalidade ontológica, típica da metafísica aristotélica do ser, a um
pensamento centrado no problema gnosiológico como pressuposto para ulteriores
desenvolvimentos filosóficos, inclusive na ética.

O MUNDO MARAVILHOSO DA QUÍMICA

Yafouba, o mágico da trilso, com uma das meninas que foram jogadas em cima de pontas de espadas.

O MUNDO MARAVILHOSO DA QUÍMICA

Henry Thomas

O mistério dos elementos

CONTEMPLAI as numerosas coisas que nos cercam, madeira, ferro, cobre, aço, vidro, porcelana, areia, ar, vapor, água, e assim por diante. Ora, quantas coisas diferentes supondes que existem? Inúmeras, sem dúvida. Mas quantas coisas elementáis diferentes existem no mundo?

Uma das mais notáveis realizações da ciência foi ter provado que todos os ilimitados objetos deste mundo podem ser formados justamente de 92 elementos, nem mais nem menos. Há apenas 92 materiais de construção na natureza e com estas substâncias elementáis tudo pode ser construído desde o menor grão de areia à mais gigantesca das estrelas.

O CORPO HUMANO – MÁQUINA MARAVILHOSA

Os rins, situados (grosseiramente falando) de cada lado da extremidade da espinha, servem de aparelho de purificação. Separam os venenos do sangue, eliminam os venenos por meio da bexiga e enviam o sangue purificado para o coração.

O fígado serve não somente de importante dente numa máquina, mas também de eficiente armazém de provisões. Faz quatro coisas. Cria a bilis para auxiliar a digestão; auxilia os rins a eliminar os venenos; manufatura algumas das gorduras que são necessárias ao corpo e faz as vezes de despensa para o açúcar, nas ocasiões em que o corpo possa dele precisar.

Os pulmões respiram o ar pelas narinas e o distribuem para os músculos, os ossos e o sangue através de todo o corpo. A capacidade dos pulmões é bastante grande: aspiram cerca de 400 pés cúbicos de ar, o conteúdo de um pequeno dormitório, cada 24 horas. Por aí vereis quão necessário é conservar as janelas de vosso quarto

abertas, afim de garantir um constante suprimento de ar fresco.

O coração é talvez o mais importante órgão do corpo. E’ o capataz da fábrica humana. Marca o ritmo de vossa vida e espalha o sangue para todas as partes do corpo. Cada 24 horas a coração de um homem sadio perfaz 103.000 batidas e cada uma delas impele 170 gramas de sangue. Por outras palavras, arremessa nada menos de 12.000 toneladas de sangue cada dia, enorme tarefa para uma pequena máquina que pesa justamente um pouco mais de meia libra!

Considerando o maravilhoso mecanismo do corpo, não devemos esquecer os pés e as mãos. Os pés, ou antes, as pernas, são os raios do corpo. Estão ligadas ao corpo justamente como os raios de uma roda estão presos ao eixo. Mas o corpo é uma roda incompleta. Tem somente dois raios. Imaginai quanto poderíamos correr se tivéssemos um jogo completo de raios, ou pernas, irradian-do-se do eixo do nosso corpo! Estaríamos continuamente "dando cambalhotas", todas as vezes que andássemos pela rua.

EDUCAÇÃO E MERCANTILIZAÇÃO NO CAPITALISMO TARDIO: UMA ABORDAGEM HERMENÊUTICA

maravilhas das antigas civizações

EDUCAÇÃO E MERCANTILIZAÇÃO NO CAPITALISMO TARDIO: UMA ABORDAGEM
HERMENÊUTICA[1]

Mauricio Cristiano de
Azevedo[2]

Resumo

Estudo de
análise bibliográfica que discute as relações entre a educação e seu possível
estatuto de mercadoria, dentro do paradigma produtivista em colapso na fase
tardia do capitalismo, problematizando pontos da teoria marxista da produção.
Os objetivos elencados visam expor ao fim a contraditoriedade da consideração
dos saberes como bens mercantis. Para tanto, o percurso argumentativo expõe a
questão da própria produção de sentido como consenso obtido pela linguagem, o
que desloca o conceito de conhecimento da posição de materialidade propalada
pela abordagem epistemológica moderna, abrindo o horizonte de sua consideração
como construção intersubjetiva. O contraponto à abordagem epistemológica é
feito pela abordagem hermenêutica especificamente nas obras de Gadamer e
Habermas, que fornecem suporte e base para a crítica do produtivismo
materialista. Com isso, mais do que uma disputa de posições teóricas, o
resultado das análises aponta para a falta de alcance das visões ortodoxas da
filosofia da consciência e do sujeito no trato com fênomenos do capitalismo
tardio e da cultura pós-moderna, o que convida a pensar o processo educativo, a
cultura escolar e os saberes da formação cultural como elementos posicionados
para além da lógica empresarial e dos objetivos e da educação como mera
preparação à competitividade do mundo do trabalho.

Palavras-chave: Educação. Marxismo. Hermenêutica.

Metafísica de Aristóteles: Essência e Existência – História da Filosofia na Antigüidade

História da Filosofia na Antiguidade – Hirschberger B.   A Essência e a Existência a)    Conceito   de   metafísíca α) O termo metafísica. — A lógica aristotélica foi sempre realista: o conceito é um desvendar do ser; o juízo, uma exposição do conteúdo do real; o silogismo, uma fundamentação do ser. !É por isso compreensível seja. o … Ler maisMetafísica de Aristóteles: Essência e Existência – História da Filosofia na Antigüidade

Hegel: Unificação de Ontologia e Lógica

Hegel: Unificação de Ontologia e Lógica Miguel Duclós Trabalho originalmente apresentado para o CFH-UFSC (2007) 1.     Kant e o “fim” da metafísica. Como é sabido, o sistema de Kant deixou uma tarefa intrincada para a posteridade ao reconceituar a metafísica na dissecação detalhada da razão humana que empreendeu, gerando uma revolução divisora de águas na … Ler maisHegel: Unificação de Ontologia e Lógica

O problema dos universais em Pedro Abelardo

maravilhas das antigas civizações

Trabalho Originalmente Apresentado para a FFLCH/USP

“Reflitamos primeiramente a respeito da causa comum. Cada um dos homens, distintos uns dos outros, embora difiram tanto pelas próprias essências quanto pelas formas – como lembramos acima ao investigarmos a física da coisa – se reúnem naquilo que são homens” (ABELARDO, Lógica Para Principiantes, pg.61)

1 – Escopo do trabalho

O problema que se coloca nesse trecho resume a temática da querela dos Universais, discussão central na filosofia medieval, da qual se ocuparam diversos autores além de Abelardo num grande período de tempo. Trataremos aqui, de forma compacta, de alguns aspectos dos universais e da visão de Abelardo sobre o tema. A questão dos universais é primeiramente enunciada a partir da Isagoge de Porfírio. Isagoge é o termo grego para “introdução”. Trata-se de uma introdução às categorias de Aristóteles, que como o filósofo mais importante e de maior alcance, era objeto constante de comentários, debates e glosas. Averróis, por exemplo, era conhecido como O comentador e escreveu dezenas de obras sobre o filósofo. Porém ele é de uma geração posterior a Abelardo, viveu entre 1126 e 1198, enquanto Abelardo viveu entre 1079 e 1142. Nesse período de tempo a obra de Aristóteles se difundiu consideravelmente. A geração de Abelardo conhecia Aristóteles principalmente através das traduções de Boécio para o latim de duas únicas obras, referentes ao corpo da lógica no sistema: Categorias e De Interpretatione. Estas, juntamente com outros cinco textos (além de Isagoge, De syllogismo categórico, De syllogismo hypothetico, De diffèrentiis topicis and De divisione do próprio Boécio) são as fontes primárias da lógica de Abelardo. Abelardo sabia muito pouco grego, e, não obstante fazer breves referências a outros trabalhos como os Argumentos Sofísticos e os Primeiros Analíticos, nada indica que tenha conhecido as grandes obras sobre a moral, a física e a metafísica.