A EVOLUÇÃO DA METAFÍSICA E A CRÍTICA KANTIANA

A metafísica como disciplina filosófica tem sua origem em Aristóteles, que caracterizava sua “filosofia primeira” como “o estudo do ser enquanto ser”. No livro IV da Metafísica, Aristóteles faz a seguinte afirmação: “Há uma ciência que investiga o ser como ser e as propriedades que lhe são inerentes devido à sua própria natureza” (Aristóteles, 2006).

O Trigésimo Aniversário por uma Geografia Nova: Uma reflexão geográfica para a historiografia social crítica

Resumo: O que é a Geografia Humana? O que é geografia? O que
ela estuda? Muitas perguntas, muitas respostas. Podemos perceber que é um
conceito polissêmico, abrangente, complexa, ou seja, este conceito está
interligando a própria conceito historiográfico da geografia é que apresenta
questões teóricas da Geografia que já receberam uma proposta de solução
consistente há 30 anos permanecem vivas no discurso geográfico brasileiro,
embora nenhuma crítica tenha sido feita às formulações de Milton Santos, e
ninguém tenha feito uma proposta clara de retorno ao passado, tendo como os principais
geógrafos a saber, Bernhardus Varenius, James Cook, Alexander von Humboldt,
Immanuel Kant, Ferdinand Paul Wilhelm, barão de Richthofen, Friedrich Ratzel, Paul
Vidal de La Blache, Karl Ritter, e assim sucessivamente. As críticas feitas por
Milton Santos à definição da Geografia como ciência de síntese, ou à pretensa
interdisciplinaridade sem disciplinaridade desta disciplina permanecem
ignoradas por parcela significativa da Geografia brasileira, que ainda parece
tentada por aquele delírio, denunciado por Lucien Febvre em 1922, de que a
Geografia comportaria todos os conhecimentos humanos. Na medida em que a
preocupação com a posição da Geografia frente às demais ciências sociais, ou
quanto ao objeto da disciplina permanecem ignoradas.

Palavras
– Chave
: Geografia Humana –
Historiografia – Conceitos.

 

EMPIRISMO E RACIONALISMO


Desde as origens da filosofia o problema do conhecimento sempre ocupou a maioria dos filósofos. O tema já era tratado pelos pensadores pré-socráticos, os quais, dada a maneira como abordavam o assunto, se dividiam entre racionalistas e empiristas. O racionalismo e o empirismo representam visões opostas na maneira de explicar como o homem adquire conhecimentos. A classificação em correntes de pensamento, evidentemente, foi realizada pelos pensadores posteriores, já que nem os gregos ou os medievais tinham clara a separação entre as duas tendências. Parmênides (cerca de 530



a.C. -460 a.C.) e os pitagóricos (século VI a.C.) concordam que além do conhecimento empírico existe também o racional, e é somente este último que efetivamente tem valor absoluto. Por outro lado, os sofistas Protágoras (480 a.C. -410 a.C.) e Górgias (480 a.C.375 a.C.) reconhecem somente o conhecimento sensível. Assim, como sabiam que as experiências eram falhas e que não eram as mesmas para todo e qualquer indivíduo, os sofistas concluíram pela rel

A crítica à metafísica aristotélica clássica e o despontar da subjetividade cognoscente-autônoma em Immanuel Kant 

maravilhas das antigas civizações

 

Francisco Nunes de Carvalho

Licenciado em Filosofia – [email protected]

 

O presente trabalho objetiva apresentar o processo
histórico-filosófico de decadência da metafísica enquanto ciência sobre o mundo
objetivo em sua totalidade – ciência do ser – na vertente de Aristóteles,
relacionando-o à afirmação do sujeito cognoscente que se volta para si mesmo e
estabelece a própria autonomia racional, o que ocorre na chamada Modernidade e
atinge momento privilegiado em Immanuel Kant. Analisaremos assim a transição de
uma racionalidade ontológica, típica da metafísica aristotélica do ser, a um
pensamento centrado no problema gnosiológico como pressuposto para ulteriores
desenvolvimentos filosóficos, inclusive na ética.

A BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT

maravilhas das antigas civizações

A BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT Francisco Nunes de Carvalho Estudante de Filosofia – [email protected]   INTRODUÇÃO Procuraremos aqui apresentar e discutir a busca do critério de moralidade na reflexão ética de Kant. Portanto, nossa pesquisa está situada no âmbito da reflexão ética ou ética filosófica, que trata acerca da … Ler maisA BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT

O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NA FILOSOFIA DA RAZÃO VITAL DE ORTEGA Y GASSET

O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NA FILOSOFIA DA RAZÃO VITAL DE ORTEGA Y GASSET*

Danilo Santos Dornas**

Resumo: Neste trabalho, examinamos quais são os aspectos da Filosofia da Educação segundo o pensador espanhol José Ortega y Gasset (1883-1955). Adicionalmente, procuramos compreender qual a postura do educador e do educando nesse modelo teórico.

Palavras-chave: Filosofia, Educação, Raciovitalismo.

Considerações iniciais