Consciência - Filosofia e Ciências Humanas

11

René Descartes - resumos, ebooks, artigos acadêmicos

René Descartes nasceu 31 de março, 1596 em Haia, Touraine, atualmente Descartes (Indre-et-Loire), na França e morreu 11 de fevereiro, 1650 em Estocolmo, foi matemático, físico e filósofo.Por vezes assinou seu nome de forma latinizada: Renatus Cartesius; o adjetivo cartesiano ou cartesiana refere-se à sua filosofia.

Ele é considerado um dos fundadores da filosofia moderna, com o “cogito”, e o sistema baseado no sujeito do conhecimento da ciência para fundamentar o mundo representado. Na física, contribuiu para a óptica e é considerado o fundador do mecanicismo. Em matemática, é criador do importante ramo da geometria analítica, que inclusive o homenageia no chamado “plano cartesiano”, que traz o sistema de coordenadas cartesianas – permitindo que equações algébricas sejam expressas em formas geométricas, num sistema de coordenadas em duas dimensões.

A sua influência é tão grande que causa repercussão há séculos. Algumas de suas teorias são ainda hoje contestadas na evolução da filosofia da mente, por exemplo. Um dos seus maiores clássicos, obrigatório em quase todos os cursos de filosofia, é o conjunto de seis “Meditações sobre a Filosofia Primeira”.

Descartes, assim como Bacon. ocupou-se em fornecer um método para o desenvolvimento das ciências e para a direção da razão, mas, ao contrário do empirista inglês, é um filósofo racionalista que usa mais a dedução que a experiência e a indução. Seu método filosófico e científico, descrito em 1628 das Regras para a direção da mente, ou então, no Discurso do Método, em 1637, traz uma brusca ruptura com a escolástica até então ensinada na Universidade.

Como Galileu, Descartes concorda com o modelo o cosmológico de Copérnico, mas prudente contra a censura, mantém sua posição “oculta” (prodeo larvatus), escondendo parcialmente a novidade de suas idéias sobre o homem e a metafísica. A influência de Descartes é crucial sobre todo o século: os grandes filósofos que o sucedem desenvolvem sua filosofia na relação com a de Descartes, seja desenvolvendo (Arnauld, Malebranche) ou opondo-se (Hobbes, Pascal, Espinosa Leibniz).

Descartes foi uma figura importante no século 17 no racionalismo continental, posição defendida por Baruch Spinoza e Gottfried Leibniz, e empiristas oposição pela Escola de Pensamento consistindo de Hobbes, Locke, Berkeley, Jean-Jacques Rousseau e Hume. Leibniz, Descartes e Spinoza foram todos bem versado em matemática, bem como a filosofia, e Descartes e Leibniz contribuiu grandemente para a ciência também.

Talvez ele seja mais conhecido pela sua declaração chave “Cogito ergo sum” (feu penso, logo existo; Françês: je pense, donc je suis ), encontrado no IV parte do Discurso sobre o Método (1637 )e na § 7 º da Parte I dos Princípios da Filosofia (1644 – escrito em latim).

Descartes afirma um dualismo substancial entre a alma (res cogitans, o pensamento) e corpo (res extensa, o escopo). A posição é radical, concebendo o corpo como uma “máquina”, desprovida de alma. Esta teoria será criticado na época do Iluminismo, incluindo Voltaire, Diderot e Rousseau.


11
Continue navegando: Filosofia Moderna e Renascimento, Textos Introdutórios |

Início