Conversações com intelectuais fluminenses

Conversações com intelectuais fluminenses é um livro organizado pelo professor Roberto Kahlmeyer-Mertens que traz entrevistas com importantes filósofos como o falecido Gerd Bornheim, com Historiadores célebres como Ciro Flamarion Cardoso e outras figuras de relevo na cena intelectual do Rio de Janeiro.   Lista de entrevistados conforme os capítulos do índice: Roberto DaMatta  Ciro Flamarion Cardoso  … Ler maisConversações com intelectuais fluminenses

Resenha do livro Martin Heidegger – Fenomenologia da Liberdade, de Günter Figal

Publicado pela Editora Forense Universitária, o livro Martin Heidegger – Fenomenologia da liberdade revela ao Brasil a principal obra de Günter Figal. Professor da Universidade de Freiburg e um dos principais estudiosos da obra de Heidegger, Figal ocupa atualmente a cátedra que pertenceu ao filósofo e possui publicações especializadas sobre Platão, Nietzsche e Gadamer.

Resenha do livro A caminho da linguagem, de Martin Heidegger

Sob o título de A caminho da linguagem (Unterwegs zur Sprache), encontramos alguns dos textos de maturidade do filósofo alemão Martin Heidegger apresentados na forma de conferências ou redigidos como ensaios durante a década de 1950 (estes, reunidos tal como sua primeira publicação em 1959). Nestes escritos temos Heidegger ocupado em tratar a linguagem como questão do pensamento comprometido com a verdade. Contudo, este problema no momento aparece de maneira diversa daquela presenciada nos escritos da década de 1920, como em Ser e tempo, um de seus principais livros (no qual Heidegger ainda operava com o método fenomenológico, tratando a linguagem como algo ainda sobreedificado à noção de verdade). Em A caminho da linguagem, encontramos um reposicionamento do autor diante de sua compreensão feita; apontando a linguagem como a essência originária da verdade e abertura de sentido ao homem.

Resenha do livro Heidegger, de Zeljko Loparic

Foi lançado recentemente, integrando coleção Passo-a-passo da Jorge Zahar Editora, o pequeno livro intitulado Heidegger, de autoria de Zeliko Loparic (UNICAMP). A obra propõe uma introdução às ideias do filósofo alemão Martin Heidegger (1889-1976). Este trabalho não segue o modelo de uma introdução aos moldes dos manuais, apresentando ideias e fatos de maneira isolada; tendo como produto, conhecimentos gerais ou elementos de curiosa apreciação. Ao contrário, efetua uma introdução temática, ou seja, coloca o leitor no universo dos termos e questões fundamentais ao pensamento do filósofo; ‘convidando’ o leitor a interagir com estas questões. Embora Loparic utilize notas biográficas do autor alemão e explicações didáticas de suas ideias, isto é feito de maneira dosada; sem uma diluição demasiada dos conceitos, o que poderia acarretar a banalização das ideias do pensador.

Resenha do livro, Ética e finitude de Zeljko Loparic

A comunidade acadêmica de filosofia já dispõe da 2ª edição revisada e ampliada do livro Ética e finitude. O trabalho, assinado pelo Professor Zeljko Loparic, é contribuição relevante não só àqueles que buscam pensar a ética na contemporaneidade, mas aos que se ocupam em tratar de seus desdobramentos no pensamento de Heidegger.

Ontological Determination of the Environment Concept Based on Heidegger’s Philosophy

The essay aims to objectively address the environment concept within current’s environmental conservation discourse. The author defines the ontological concept of environmentbased on the phenomenological evidence provided by the German philosopher Martin Heidegger. The author intends to indicate that theusual understanding of the environment concept is derived from a more radical experience, which points to the between this surrounding world and human existence. This paper intends to clarify this concept, freeing it from its ambiguous use, and also to offer notesso that his issue can be revisited withbenefits to theenvironment epistemology issues. The text will also outline the discussion about an ethic and conservative posture concerning the environment and its bonds with the dwell, inhabit and responsibility notions.

As ciências humanas segundo Dilthey

Em 2011 se celebra o centenário de morte de Wilhelm Dilthey (1833-1911). Para esta data, no Brasil e no exterior, editoras e universidades vêm se mobilizando desde o ano passado para organizar novas edições das obras do filósofo alemão. Associados à Universidade de Colônia – Alemanha, tradutores de diversos países vêm vertendo a obra para o inglês, o russo e o japonês. Também traduções para o português vêm sendo publicadas tanto no Brasil quanto em Portugal.

Em nosso país, trabalhos de diferentes fases da obra de Dilthey já foram publicados por editoras de expressão. Até o momento, o resultado desses lançamentos é um desenho sincopado da produção do filósofo, hermeneuta, psicólogo, historiólogo e pedagogo. Com as lacunas que possui, entretanto, tal política editorial ainda nos é mais favorável do que a situação de penúria que enfrentávamos até a presente data, quadro em que eram praticamente inexistentes as traduções confiáveis de Dilthey.

DA EDUCAÇÃO COMO POSSIBILIDADE EXTREMA DE FORMAÇÃO DE COMPREENSÃO À LUZ DA HERMENÊUTICA FILOSÓFICA DE H-G. GADAMER

DA
EDUCAÇÃO COMO POSSIBILIDADE EXTREMA DE FORMAÇÃO DE COMPREENSÃO À LUZ DA
HERMENÊUTICA FILOSÓFICA DE H-G. GADAMER[1]

Roberto
S. Kahlmeyer-Mertens[2]

Resumo [171]

O trabalho
assume por tema a hermenêutica filosófica e sua conexão possível com a educação
a partir da obra do filósofo alemão Hans-Georg Gadamer. No interior deste,
desejamos colocar e buscar responder o problema: como a educação poderia
constituir-se como extrema possibilidade de formação de compreensão? Entendemos
que, com a resposta a esta pergunta, alcançaríamos o objetivo de ressaltar as
potencialidades pedagógicas da hermenêutica filosófica em Gadamer,
especialmente no que concerne ao processo ensino-aprendizagem. Para tanto, a
presente comunicação compilará diversas ideias avulsas na obra do autor,
buscando apresentar o que é a hermenêutica filosófica, bem como ressaltar o
serviço que ela prestaria à educação. O trabalho comunica os saldos de uma
pesquisa em fase inicial de desenvolvimento, devendo receber fundamentação
suplementar ao longo dos próximos semestres da pesquisa.

Palavras
chave:
Hermenêutica filosófica, Gadamer, Educação, Filosofia na educação,
compreender.

Nietzsche: Metafísica e Linguagem Subjetiva

RESUMO: O artigo visa abordar a metafísica a partir de um encadeamento de seu processo histórico, apontando a necessidade de ressaltar o papel da subjetividade ao longo desse projeto metafísico. Tendo como inspiração e ponto de partida de nossa análise o Prólogo do Assim Falou Zaratustra procuramos acompanhar a crítica que Nietzsche empreende ao modelo metafísico de pensamento, mostrando a necessidade de percorrer o caminho da Metafísica no ocidente, tendo como base os textos de maturidade do filósofo, onde fica evidente a orientação dada por Heidegger para a condução do problema.

Palavras-chave: Metafísica, Nietzsche, Subjetividade.

ABSTRACT: This essay aims to approach metaphysics coming from an enchainment of its historical process, indicating the necessity of making noteworthy the role of subjetivity along this metaphyisical project. Taking as inspiration and starting point of our analysis the Prologue of Thus said Zaratustra we try to follow the critics that Nietzsche undertakes the metaphysics model of thought, showing the necessity of covering the metaphysics way in the West, where the orientation given by Heidegger to the conduction of the problem is evident.

Keywords: Metaphysics, Nietzsche, Subjectivity.

Do conceito de “meioambiente”: Um esforço por pensar uma filosofia ambiental a partir de Heidegger

filosofia ambiental

RESUMO

A proposta do texto é
delimitar o conceito de meioambiente tal qual abordado no discurso de
conservação ambiental. Temos o objetivo de distinguir, em seus significados
derivados, o significado romântico de natureza; evitando o uso ambíguo e,
mesmo, equívoco desta noção. Esta tarefa justifica-se por ser um exercício de
compreensão, desenvolvido por meio de uma breve contextualização dos termos
atuais da chamada questão ambiental, na medida em que comentaremos, criticamente,
a ideia de “exploração sustentável”. Pretendemos assinalar que mesmo as novas
propostas de conservação ambiental, operam em um registro antropocêntrico, na
medida em que entendem a relação entre homem e meioambiente desde a dicotomia
sujeito-objeto, presente na filosofia e ciência cartesianas. Em seguida,
apresentaremos a exigência de uma definição do que vem a ser meioambiente, no
pensamento do filosófo alemão Martin Heidegger, contrapondo estas ideias a
elementos da filosofia da natureza de F.W.J. Schelling. O texto traz,
ainda, a discussão acerca de uma postura ética e conservacionista frente ao
meio ambiente, e seus vínculos com as noções de habitar, cons­truir e
responsabilizar-se.

Palavras chave: Heidegger;
meioambiente; natureza; preservação ambiental, filosofia ambiental

Verdade-Metafísica-Poesia: Um ensaio de filosofia a partir dos haicais de de Luís Antônio Pimentel

Download de Verdade-Metafísica-Poesia: Um ensaio de filosofia a partir dos haicais de Luís Antônio Pimentel   Verdade-Metafísica-Poesia Um ensaio de filosofia a partir dos haicais de Luís Antônio Pimentel por R. S. KAHLMEYER-MERTENS NOTA PRELIMINAR DO AUTOR O presente livro é produto de um curso de Filosofia intitulado Fundamentos filosóficos da cultura ocidental. Ministrado durante … Ler maisVerdade-Metafísica-Poesia: Um ensaio de filosofia a partir dos haicais de de Luís Antônio Pimentel

Interpretação da Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori na Crítica da razão pura de Immanuel Kant

Interpretação da “Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori” na Crítica da razão pura de Immanuel Kant[1] Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [2] Resumo: O texto pretende apresentar e esclarecer os conceitos elementares da Crítica da razão pura (1781) de Kant.[3] Nesta obra, o tópico Estética transcendental é tratado como a Ciência de todos os … Ler maisInterpretação da Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori na Crítica da razão pura de Immanuel Kant

Resumo e Explicação das duas primeiras Meditações Metafísicas de Descartes

Do corpo em face da dúvida: explicação das duas primeiras Meditações Metafísicas Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O artigo pretende uma apresentação didática das duas primeiras Meditações Metafísicas de René Descartes. Enfoca nos argumentos do filósofo a questão do corpo, considerando a especificidade de sua temática no interior dessa obra. Utiliza-se do comentário de alguns … Ler maisResumo e Explicação das duas primeiras Meditações Metafísicas de Descartes

Memória e confissão como exercício prático do conhecimento da verdade de Deus no pensamento de Agostinho

maravilhas das antigas civizações

Memória e confissão como exercício prático do conhecimento da verdade de Deus no pensamento de Agostinho[1] Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [2]     Resumo: Esse estudo oferece uma interpretação filosófica dos conceitos de memória e confissão, a partir da obra Confissões de Agostinho. Esses conceitos são abordados com relação a outros temas importantes do pensamento do … Ler maisMemória e confissão como exercício prático do conhecimento da verdade de Deus no pensamento de Agostinho

Da determinação do fundamento onto-teológico da metafísica na prova da existência de Deus de Anselmo de Cantuária

Da determinação do fundamento onto-teológico da metafísica na prova da existência de Deus de Anselmo de Cantuária[1] Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [2] Resumo: O texto é um estudo da prova da existência de Deus em St.°Anselmo. Pauta-se na análise dos principais argumentos dessa em sua obra Proslógio; objetiva uma interpretação pontual dos diversos passos do filósofo. … Ler maisDa determinação do fundamento onto-teológico da metafísica na prova da existência de Deus de Anselmo de Cantuária

Metafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche

maravilhas das antigas civizações

[download id=”30″] Metafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O artigo pretende abordar a Metafísica como um conceito histórico na obra de Nietzsche. Buscaremos apresentar a interpretação que o filósofo faz dos conceitos indicados em nosso título apoiando-nos na obra Crepúsculo dos Ídolos. Objetivamos … Ler maisMetafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche

Metafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo.

maravilhas das antigas civizações

Metafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo. Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O propósito do artigo é elaborar um estudo sobre as noções de metafísica, história do ser e subjetividade no pensamento de Heidegger. Para tanto, interpretaremos estas concepções na obra Nietzsche – Metafísica … Ler maisMetafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo.

Jean-Paul Sartre – Fenomenologia da alteridade

Resumo: O texto consiste de um estudo acerca da questão da alteridade em O ser e o Nada de Jean-Paul Sartre. Abordaremos a parte em que o filósofo francês aponta como a alteriadade ainda constitui um nó-górdio à fenomenologia. Sartre comentará o conceito em três estações do pensamento fenomenológico. Hegel, na modernidade, e sua compreensão de fenomenologia não husserliana; Husserl, em suas Investigações e Heidegger em Ser e tempo. Os comentários de Sartre são elucidativos das diferenças essenciais entre os autores, e ponto que pode ser tomado como elemento didático para um contato com esse campo teórico.

A tese de Hegel sobre o ser nas doutrinas da Enciclopédia das ciencias das filosóficas Lógica menor (1830)

maravilhas das antigas civizações

Resumo: O artigo pretende
uma breve apresentaçao acerca das tres doutrinas da lógica hegeliana.
Pautando-se na Ciencia da Lógica, tal como encontrada na Enciclopédia
das ciencias filosóficas
, buscaremos explicitar a compreensao que o
filósofo tem dos conceitos de ser, essencia e conceito; demonstrando
como esses estao ligados por uma dialética. O trabalho adota por metodologia o
comentário pontual de passagens seletas do autor, apoiando-se em bibliografia
especializada.

Interpretação da certeza do princípio em Fichte

maravilhas das antigas civizações

Resumo: O texto traz um
comentário pontual da primeira exposição da obra Doutrina-da-ciência,
intitulada Princípios da doutrina-da-ciência (1797). Nela, o autor
apresenta uma interpretação da filosofia transcendental de Immanuel Kant,
buscando desenvolver a partir dessa um fundamento às ciências. O que Fichte
chama de “doutrina da ciência”, é uma teoria que permitiria pensar os princípios
com os quais as ciências operam. Com esse exercício, o autor explica qual a
articulação das ciências com a filosofia, a luz de seu idealismo radical, em
que a noção de “eu” seria apresentado como pura interioridade. Buscamos para
endossar nossa interpretação o estudos de especialistas como Gueròult e
Philonenko.

“Da pergunta por uma ética própria ao pensamento de Heidegger

maravilhas das antigas civizações

[download id=”21″] Da pergunta por uma ética própria ao pensamento de Heidegger Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: A pergunta por uma ética heideggeriana é freqüente; também intrigante pelo fato de não aparecer de modo explícito em sua obra, entendida como questão derivada. Entretanto, vemos o pensamento de Heidegger influenciar autores ligados à ética como Arendt, … Ler mais“Da pergunta por uma ética própria ao pensamento de Heidegger

Como Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo

maravilhas das antigas civizações

Como Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo? Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O texto comunica o encaminhamento de uma pesquisa de Doutorado intitulada: Da Gênese do conhecimento teórico em Ser e tempo. Tem o propósito de apresentar um aprofundamento ao problema: Como se interpreta a gênese do conhecimento teórico nesta … Ler maisComo Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo

O MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER

O MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O tema do artigo é o caráter grego da filosofia entendida como metafísica desde o enfoque permitido pelo pensamento de M. Heidegger (1889-1976). Temos o objetivo de apresentar que a metafísica tem seu ethos em uma experiencia … Ler maisO MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER

Sobre identidade e diferença em Heidegger

maravilhas das antigas civizações

[download id=”28″] Sobre identidade e diferença em Heidegger Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: A proposta do ensaio é pensar a implicação ontológica entre ser e identidade na filosofia de Heidegger. Temos o objetivo de abordar o conceito de identidade, buscando acenar como esta estaria relacionada com a diferença ontológica entre ser e ente, atrelado ao … Ler maisSobre identidade e diferença em Heidegger

Método e verdade nas Regras para a direção do espírito de Descartes

rené descartes

O propósito do artigo é apresentar um estudo sobre as Regras para direção do espírito de René Descartes.[2] Esse exercício limita-se a interpretar as nove primeiras regras da obra, opção que se justifica por estas já explicarem o que está em questão em sua primeira parte; permitindo uma tematização adequada à extensão do nosso pequeno trabalho. Procuraremos esclarecer alguns conceitos elementares do texto cartesiano, buscando apresentá-los de maneira suficiente, dando ênfase, sobretudo, à implicação existente entre método e verdade, à luz dos conceitos de matemática universal (e a ordenação que esta torna possível) e ciência moderna.

SOBRE A SENTENÇA DE NIETZSCHE: O SUPER-HOMEM É O SENTIDO DA TERRA.

maravilhas das antigas civizações

Sobre a sentença de Nietzsche “O super-homem é o sentido da terra” Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo A questão do texto é perguntar sobre o conceito de “sentido da terra” tal como vemos formulado no livro Assim Falou Zaratustra de F. W. Nietzsche. Nosso objetivo é esclarecer a compreensão que o autor tem deste, bem … Ler maisSOBRE A SENTENÇA DE NIETZSCHE: O SUPER-HOMEM É O SENTIDO DA TERRA.

Da Genealogia da moral de F. W. Nietzsche

[download id=”20″] Da Genealogia da moral de F. W. Nietzsche Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O artigo propõe uma explicação didática das duas primeiras dissertações do livro A genealogia da moral de F.W. Nietzsche. Temos o objetivo de comentar algumas das principais passagens do texto do filósofo, enfocando aqueles que seriam os principais conceitos da … Ler maisDa Genealogia da moral de F. W. Nietzsche

Metafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger

maravilhas das antigas civizações

Metafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: Esse artigo traz uma primeira tentativa de pensar a obra do filósofo brasileiro Gerd Bornheim. Autor de significativa obra no cenário nacional, Bornheim é apontado como um dos receptores da filosofia de Heidegger no Brasil. As leituras que o brasileiro faz de Heidegger … Ler maisMetafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger