Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

  • 2015 (3)
  • 2014 (130)
  • 2013 (25)
  • 2012 (104)
  • 2011 (515)
  • 2010 (415)
  • 2009 (158)
  • 2008 (244)
  • 2007 (91)
  • 2006 (102)
  • 2005 (15)
  • 2004 (17)
  • 2003 (3)
  • 2002 (8)
  • 2001 (10)
  • 2000 (4)
  • 1999 (6)
  • 1998 (9)
  • 1997 (22)

  • agosto 2015 (1)
  • julho 2015 (1)
  • janeiro 2015 (1)
  • novembro 2014 (28)
  • outubro 2014 (3)
  • setembro 2014 (24)
  • agosto 2014 (1)
  • julho 2014 (1)
  • junho 2014 (51)
  • maio 2014 (2)
  • abril 2014 (2)
  • março 2014 (11)
  • fevereiro 2014 (2)
  • janeiro 2014 (5)
  • dezembro 2013 (8)
  • novembro 2013 (2)
  • outubro 2013 (1)
  • setembro 2013 (6)
  • agosto 2013 (7)
  • abril 2013 (1)
  • setembro 2012 (2)
  • agosto 2012 (2)
  • julho 2012 (23)
  • junho 2012 (1)
  • abril 2012 (3)
  • março 2012 (2)
  • fevereiro 2012 (1)
  • janeiro 2012 (70)
  • dezembro 2011 (47)
  • novembro 2011 (17)
  • outubro 2011 (72)
  • setembro 2011 (43)
  • agosto 2011 (76)
  • julho 2011 (121)
  • junho 2011 (31)
  • maio 2011 (33)
  • abril 2011 (31)
  • março 2011 (15)
  • fevereiro 2011 (17)
  • janeiro 2011 (12)
  • dezembro 2010 (12)
  • novembro 2010 (36)
  • outubro 2010 (9)
  • setembro 2010 (120)
  • agosto 2010 (66)
  • julho 2010 (48)
  • junho 2010 (40)
  • maio 2010 (60)
  • abril 2010 (9)
  • março 2010 (2)
  • fevereiro 2010 (3)
  • janeiro 2010 (10)
  • dezembro 2009 (3)
  • novembro 2009 (8)
  • outubro 2009 (15)
  • setembro 2009 (2)
  • agosto 2009 (15)
  • julho 2009 (10)
  • junho 2009 (21)
  • maio 2009 (46)
  • abril 2009 (7)
  • março 2009 (4)
  • fevereiro 2009 (9)
  • janeiro 2009 (18)
  • dezembro 2008 (21)
  • novembro 2008 (5)
  • outubro 2008 (11)
  • setembro 2008 (44)
  • agosto 2008 (41)
  • julho 2008 (4)
  • junho 2008 (6)
  • maio 2008 (10)
  • abril 2008 (29)
  • março 2008 (28)
  • fevereiro 2008 (20)
  • janeiro 2008 (25)
  • novembro 2007 (5)
  • outubro 2007 (12)
  • setembro 2007 (1)
  • agosto 2007 (11)
  • julho 2007 (1)
  • junho 2007 (11)
  • maio 2007 (32)
  • março 2007 (3)
  • fevereiro 2007 (6)
  • janeiro 2007 (9)
  • dezembro 2006 (31)
  • novembro 2006 (58)
  • julho 2006 (3)
  • maio 2006 (2)
  • abril 2006 (3)
  • fevereiro 2006 (1)
  • janeiro 2006 (4)
  • novembro 2005 (4)
  • setembro 2005 (3)
  • julho 2005 (1)
  • junho 2005 (2)
  • maio 2005 (2)
  • abril 2005 (3)
  • novembro 2004 (1)
  • outubro 2004 (3)
  • setembro 2004 (2)
  • julho 2004 (1)
  • junho 2004 (5)
  • maio 2004 (2)
  • abril 2004 (3)
  • julho 2003 (1)
  • fevereiro 2003 (2)
  • dezembro 2002 (1)
  • agosto 2002 (2)
  • julho 2002 (1)
  • maio 2002 (1)
  • março 2002 (1)
  • fevereiro 2002 (2)
  • dezembro 2001 (2)
  • julho 2001 (3)
  • abril 2001 (1)
  • fevereiro 2001 (1)
  • janeiro 2001 (3)
  • agosto 2000 (1)
  • julho 2000 (1)
  • fevereiro 2000 (2)
  • dezembro 1999 (2)
  • maio 1999 (1)
  • fevereiro 1999 (3)
  • julho 1998 (2)
  • junho 1998 (1)
  • maio 1998 (4)
  • fevereiro 1998 (2)
  • dezembro 1997 (1)
  • setembro 1997 (3)
  • agosto 1997 (10)
  • julho 1997 (8)
  • Textos no ano 2004

    dom
    7
    nov
    2004

    O FENÔMENO DO ATEÍSMO NO MUNDO DE HOJE

    O FENÔMENO DO ATEÍSMO NO MUNDO DE HOJE Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho, Professor no Seminário de Mariana – MG – vidigal @ homenet. com.br O objetivo deste texto é fazer uma análise dos argumentos mais ponderáveis até hoje apresentados por aqueles que não admitem a existência de um Ser Supremo e diagnosticar a […]

    sáb
    23
    out
    2004

    Sobre o ensaio Do Pedantismo de Michel de Montaigne

    Sobre o ensaio “Pedantismo”, de Montaigne (*) por Marcelo Penna Kagaya marcelo_penna@hotmail.com Merleau-Ponty define um clássico como sendo “aquele que ainda nos dá o que pensar”. Montaigne, talvez, seja um desses clássicos que nos fazem refletir sobre muitas coisas, dentre as quais, os fundamentos de nossa pedagogia contemporânea. Em “Pedantismo” (texto integrante de Ensaios, de […]

    sáb
    23
    out
    2004

    Santo Tomás de Aquino: um Filósofo Admirável

    Tomás de Aquino que foi chamado o mais sábio dos santos e o mais santo dos sábios. Nasceu em março de 1225 no castelo de Roca-Sica, perto da cidade de Aquino, no reino de Nápoles, na Itália. Com apenas cinco anos seu pai, conde de Landulfo d’Aquino, o internou no mosteiro de Monte Cassino. Aí iria ser educado pelos sábios monges beneditinos, ordem religiosa fundada por Bento de Núrsia exatamente naquele local.

    sáb
    16
    out
    2004

    Nietzsche – Cartas de 1886

    Traduzido da versão em inglês Tabela de conteúdo [esconder] 1 Carta 1 2 Carta 2 3 Carta 3 4 Carta 4 Tradução de Miguel Duclós Carta 1 Sils Maria, 14 de julho, carta a Franz Overbeck Querido amigo, Também teria gostado muito de revê-lo este ano, mas sei que não será possível. Meu plano de […]

    ter
    21
    set
    2004

    Ética a Nicômaco de Aristóteles – Resumo e Análise

    Sumário INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA 1.1  Autor e Obras 1.2  A classificação das ciências de Aristóteles 1.3  A ética Aristotélica RESENHA:  A ÉTICA À NICÔMACO 2.1 O objeto do agir humano 2.2  As virtudes 2.3  A estrutura do ato moral 2.4  As  Virtudes  Morais 01. A coragem 02. A Temperança 3.  A Liberalidade 04.  A Magnificência […]

    sáb
    11
    set
    2004

    Mimeses e o advento do estado no Leviatã de Thomas Hobbes

    Mimeses e o advento do estado no Leviatã. por Danilo Vaz Curado Ribeiro de Menezes Costa Bacharel em Direito e Especialista em Ciências Política E-mail: danilocostaadv (arroba) hotmail.com RESUMO: O presente artigo objetiva lançar as bases e fomentar a discussão acerca de uma possível relação conceitual existente entre o processo de mimeses tal como descrito […]

    seg
    12
    jul
    2004

    NIETZSCHE, O IMORALISTA, E A FÉ CRISTÃ

    NIETZSCHE, O IMORALISTA, E A FÉ CRISTÃ por Antonio Lucieudo Lourenço da Silva Para começarmos a falar sobre Nietzsche, há que se fazer algumas considerações relevantes a seu respeito. Em momento algum, o filósofo quis que seu pensamento ou suas idéias fossem profanadas, ou que tivessem adeptos. Ainda assim, sua filosofia é para o porvir, […]

    sáb
    19
    jun
    2004

    A FILOSOFIA POLÍTICA DE ORTEGA Y GASSET

    A FILOSOFIA POLÍTICA DE ORTEGA Y GASSET* Danilo Santos Dornas** Resumo Neste trabalho indicaremos como o filósofo José Ortega y Gasset analisou os problemas de seu tempo e a partir deles consolidou suas teses sociais e políticas. A partir dos textos sobre política do filósofo podemos verificar que sua preocupação fundamental era incentivar o homem […]

    sex
    18
    jun
    2004

    Jean-Jacques Rousseau – resumo, fichamento, contrato social

    JEAN-JACQUES ROUSSEAU por June Müller I. Contextualização 1 Iluminismo: iniciou-se na Inglaterra no fim do século XVII e atingiu o apogeu no continente (especialmente na França) no século XVIII 2 Concepções centrais do Iluminismo 2.1 Racionalismo cartesiano (Descartes) 2.1.1 Primazia da razão: é o único guia infalível da sabedoria 2.1.2 Razão: torna o homem livre […]

    sex
    18
    jun
    2004

    JOHN LOCKE – Contextualização e Pensamento

    JOHN LOCKE por June Müller   I. Contextualização     1 Contexto sócio-político da obra: final do século XVII na Europa 1.1      Inglaterra, 1688: Revolução Gloriosa: Rei é entronizado pelo Parlamento e jura respeitar a Carta Magna 1.2      Movimentos políticos 1.2.1        Igualitários: “Levellers” (igualdade civil, participação política, garantia da propriedade para artífices e pequenos proprietários) […]

    sex
    18
    jun
    2004

    O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NA FILOSOFIA DA RAZÃO VITAL DE ORTEGA Y GASSET

    O PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NA FILOSOFIA DA RAZÃO VITAL DE ORTEGA Y GASSET*

    Danilo Santos Dornas**

    Resumo: Neste trabalho, examinamos quais são os aspectos da Filosofia da Educação segundo o pensador espanhol José Ortega y Gasset (1883-1955). Adicionalmente, procuramos compreender qual a postura do educador e do educando nesse modelo teórico.

    Palavras-chave: Filosofia, Educação, Raciovitalismo.

    Considerações iniciais

    sex
    18
    jun
    2004

    O LUGAR DE SPINOZA NA HISTÓRIA DA FILOSOFIA, O MODELO INTERPRETATIVO DE JOAQUIM DE CARVALHO

    O LUGAR DE SPINOZA NA HISTÓRIA DA FILOSOFIA, O MODELO INTERPRETATIVO DE JOAQUIM DE CARVALHO José Mauricio de Carvalho** Danilo Santos Dornas*** RESUMO Joaquim de Carvalho desenvolveu uma abordagem crítica da História da Filosofia e do seu papel no desenvolvimento da própria filosofia. Além disso, introduziu a discussão de uma História da Filosofia Portuguesa apontando […]

    dom
    16
    maio
    2004

    Nietzsche, o último filósofo

    NIETZSCHE – "O ÚLTIMO FILÓSOFO" por Vera Lúcia Vassouras    Gênio (propositadamente) incompreendido pela humanidade.    Provavelmente poucos estudantes de filosofia e até mesmo as "autoridades" denominadas filósofos conheçam sua obra. O pensador, vulgarmente conhecido como o "Anticristo" apenas por ter escrito uma obra com tal nome, aliás, desconhecida pelos seus críticos mais vorazes, traz, em seu […]

    dom
    16
    maio
    2004

    O comum necessário de Heráclito

    O ‘COMUM’ NECESSÁRIO DE HERÁCLITO       Humberto Zanardo Petrelli Mestre em Filosofia Antiga UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Apresentado na ANPOF em 03.10.2002 [download id=”2″]              Será feito nesta apresentação o comentário de alguns poucos fragmentos, ou se preferirem, aforismos atribuídos ao livro ‘Sobre a Natureza’ de Heráclito, notadamente os que ocorre a palavra , […]

    seg
    5
    abr
    2004

    Jean-Jacques Rousseau e Friedrich Nietzsche em defesa da liberdade

    Jean-Jacques Rousseau e Friedrich Nietzsche em defesa da liberdade por Rafael Teixeira – ÍNDICE: 1. Introdução 2. A questão da piedade 3. O interesse pelo bem-estar e a vontade-de-potência 4. A propriedade e a vontade-de-verdade 5. O entregar-se unicamente ao sentimento da existência atual e o eterno retorno 6. Jean-Jacques Rousseau e Friedrich Nietzsche em defesa da liberdade 7. Bibliografia 1. […]

    seg
    5
    abr
    2004

    Em memória de Giordano Bruno, por Vera Vassouras

    EM MEMÓRIA DE GIORDANO BRUNO



    Vera Lúcia Vassouras

    "Para o verdadeiro filósofo, todos os países são sua pátria"

    Aos 17 de fevereiro de 1600, após uma tortuosa e longa prisão, Giordano Bruno é levado à fogueira pelo Santo Oficio, sob as acusações de "apóstata", "herético impertinente, pertinaz e obstinado". A acusação foi sancionada pelo Papa Clemente VIII e posteriormente renovada por Leão XIII, declarando sua filosofia como um "materialismo degenerado". A época ficou conhecida como o período das reformas político-religiosas: o Renascimento. O filósofo foi condenado pelas três correntes: catolicismo, calvinismo o luteranismo (protestantismo).

    seg
    5
    abr
    2004

    Diálogos Platônicos – Íon

    Íon de Platão – Download em Pdf Íon de Platão – Download em PageMaker 6.5 DIÁLOGOS DE PLATÃO ÍON [ou sobre a Ilíada, gênero probatório] Tradução e cópia do texto original de Humberto Zanardo Petrelli petrelli(arroba)usp.br SÓCRATES, ÍON     St. I   p. 530 Sócrates: Saudações, Íon. De onde nos vens agora, de tua […]

    11

    Início