Vida de Frederico Nietzsche, Daniel Halévy / 1

VIDA DE FREDERICO NIETZSCHE Autor: Daniel Halévy Tradutor: Jerônimo Monteiro Extraído da edição da Editora Assunção ltda. Coleção Perfis Literários    O livro foi dividido em 7 páginas Cap. 1 – OS ANOS DE INFÂNCIA Cap. 2 – OS ANOS DA JUVENTUDE Cap. 3 – FREDERICO NIETZSCHE E RICHARD WAGNER — TRIEBSCHEN Cap. 4 – … Ler maisVida de Frederico Nietzsche, Daniel Halévy / 1

Kant, Crítica da Razão Pura – Fundamentos de Filosofia de Manuel Morente

Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia MorenteLições Preliminares Lição XVIII A CRÍTICA DE KANT CRÍTICA   DA   RAZÃO   PURA:     I  ESTÉTICA TRANSCENDETAL 135. A MATEMÁTICA E SUAS CONDIÇÕES. — 136. O ESPAÇO E SUA EXPOSIÇÃO METAFÍSICA. — 137. SUA EXPOSIÇÃO TRANSCENDENTAL APLICADA A GEOMETRIA. — 138. A ARITMÉTICA E O TEMPO. — 139. SUA EXPOSIÇÃO METAFÍSICA … Ler maisKant, Crítica da Razão Pura – Fundamentos de Filosofia de Manuel Morente

Fundamentação da Metafísica dos Costumes – Immanuel Kant

Fundamentação da Metafísica dos Costumes Immanuel Kant Tradução de Antônio Pinto de Carvalho Companhia Editora Nacional PREFÁCIO A antiga filosofia grega repartia-se em três ciências: a Física, a Ética e a Lógica. Esta divisão está inteiramente de acordo com a natureza das coisas, nem temos que introduzir-lhe qualquer espécie de aperfeiçoamento, a não ser acrescentar … Ler maisFundamentação da Metafísica dos Costumes – Immanuel Kant

Nietzsche – Cartas de 1884

Versão em Ingles Tabela de conteúdo [esconder] 1 Cartas de Nietzsche – 1884 1.1 1 1.2 2 1.3 3 1.4 4 1.5 5 1.6 6 if (window.showTocToggle) { var tocShowText = “mostrar”; var tocHideText = “esconder”; showTocToggle(); } Cartas de Nietzsche – 1884 Tradução de Miguel Duclós 1 Nice, Jan/Feve de 1884 – Rascunho de … Ler maisNietzsche – Cartas de 1884

Introdução Geral – Curso de Filosofia de Jolivet

Curso de Filosofia – Régis Jolivet INTRODUÇÃO GERAL Art.    I.   NATUREZA   DA  FILOSOFIA – 1.    O desejo de saber, fonte das ciências. Todo homem, diz Aristóteles, está naturalmente desejoso de saber, isto é, o desejo de saber é inato; esse desejo já se manifesta na criança pelos "porquês" e os "como" que ela não cessa … Ler maisIntrodução Geral – Curso de Filosofia de Jolivet

Nietzsche – Cartas de 1888

Tabela de conteúdo [esconder] 1 Cartas de Nietzsche – 1888 1.1 Carta 1 1.2 Carta 2 1.3 Carta 3 1.4 Carta 4 1.5 Carta 5 // Tradução de Miguel Duclós Cartas de Nietzsche – 1888 Tradução do inglês Carta 1 Nice, 12 de Fevereiro de 1888: carta a Reinhart von Seydlitz Querido amigo, Se não … Ler maisNietzsche – Cartas de 1888

Aristóteles – A Constituição de Atenas

A Constituição de Atenas Aristóteles Tradução de A.S. Costa Fonte: Editora Casa Mandarino I Foram submetidos a julgamento perante um tribunal formado por pessoas pertencentes a nobres famílias, e que prestava juramento na cerimônia dos sacrifícios. Míron ocupava o cargo de acusador. Os réus eram acusados de sacrilégio por desenterrarem os cadáveres, expatriando a raça … Ler maisAristóteles – A Constituição de Atenas

Material Didático de Filosofia para o Quinto Ano /2

[download id=”40″] ·Bimestre 1 Material Didático para a Sexta Série – Bimestre 3Por Anderson Alves Esteves I – A LIBERDADE ENTRE A RAZÃO E OS INSTINTOS 1 – LIBERDADE E RAZÃO: SÓCRATES “Conheça-te a ti mesmo” (Sócrates) 1.1 – Das trevas à luz: Platão e a alegoria da caverna Platão (427-347 a.C.) formulou uma história … Ler maisMaterial Didático de Filosofia para o Quinto Ano /2

Material Didático de Filosofia para o Quinto Ano /1

Material Didático para a Quinta Série Ginasial – Bimestre 1Por Anderson Alves Esteves LIBERDADE: RAZÃO E AUTONOMIA FILOSOFIA: O QUE É ISSO? “Tudo é um” TALES DE MILETO 1 – A FILOSOFIA E OS MITOS Provavelmente, esta é a primeira aula de Filosofia da sua vida. Quando chegar em casa, você poderá dar a notícia … Ler maisMaterial Didático de Filosofia para o Quinto Ano /1

Vida de Díon -Plutarco – Vidas Paralelas

Arte etrusca

Díon por Plutarco Capítulo do livro Vidas Paralelas (Bioi Paralleloi) Tradução direta do grego de Gilson César Cardoso Extraído da edição da editora Paumape, 1992 Prefácio 1. Como disse Simônides, ó Sósio Senecião, os troianos não quiseram mal aos coríntios por terem estes participado da expedição dos aqueus contra eles porque Glauco, originário de Coríntio, … Ler maisVida de Díon -Plutarco – Vidas Paralelas

Material Didático de Filosofia para o Sexto Ano / 2

Download desse documento em formato Msword (doc) ( downloads) Bimestre 1 Material Didático para a Sexta SériePor Anderson Alves Esteves LIBERDADE: RAZÃO E AUTONOMIA “Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado” Immanuel Kant 1 – O problema da escolha sem autonomia em nossa sociedade. Sabemos que a … Ler maisMaterial Didático de Filosofia para o Sexto Ano / 2

Material Didático de Filosofia para o Sexto Ano

[download id=”37″] Bimestre 2 Material Didático para a Sexta SériePor Anderson Alves Esteves I – LIBERDADE: ELA EXISTE? Liberdade – essa palavra Que o sonho humano alimenta Que não há ninguém que explique, E ninguém que não entenda! Cecília Meireles. Romanceiro da Inconfidência. 1 – Determinismo OS MITOS DE TÂNTALO, PÉLOPS E NÍOBE Tântalo Tântalo … Ler maisMaterial Didático de Filosofia para o Sexto Ano

Píndaro – Oitava Ode Pítica

Fontes Gregas Introdução em Pdf Introdução em rtf Ebook de Píndaro – Oitava Pítica (pdf) Ebook de Píndaro – Oitava (rtf) – necessárias para a correta visualização dos documentos acima. Oitava “Ode Pítica” de Píndaro   Humberto Zanardo Petrelli Mestre em Filosofia pela USP Píndaro (P…ndaroj) foi o mais brilhante poeta do século V a.C.. … Ler maisPíndaro – Oitava Ode Pítica

Prefácio do Tratado Teológico-Político de Espinosa

Prefácio do Tratado Teológico-Político

Baruch de Espinosa

Tradução: Diogo Pires Aurélio

PREFÁCIO

    Se os homens pudessem, em todas as circunstâncias, decidir pelo seguro, ou se a fortuna se lhes mostrasse sempre favorável, jamais seriam vitímas da superstição. Mas, como se encontram freqüentemente perante tais dificuldades que não sabem que decisão hão de tomar, e como os incertos benefícios da fortuna que desenfreadamente cobiçam os fazem oscilar, a maioria das vezes, entre a esperança e o medo, estão sempre prontos a acreditar seja o que for:, se tem dúvidas, deixam-se levar  com a maior das facilidades para aqui ou para ali; se hesitam, sobressaltados pela esperança e pelo medo em simultâneo, ainda é pior; porém, se estão confiantes, ficam logo inchados de orgulho e presunção. Julgo que toda a gente sabe que é assim, não obstante eu estar convicto de que a maioria dos homens se ignoram a si próprios. Não há, com efeito, ninguém que tenha vivido entre os homens que não se tenha dado conta de que a maior parte deles, se estão em maré de prosperidade, por mais ignorantes que sejam, ostentam uma tal sabedoria que até se sentem ofendidos se alguém lhes quer dar um conselho. Todavia, se estão na adversidade, já não sabem para onde se virar, suplicam o conselho de quem quer que seja e não há nada que se lhes diga, por mais frívolo, absurdo ou inútil, que eles não sigam. Depois, sempre por motivos insignificantes, voltam de novo a esperar melhores dias ou a temer desgraças ainda piores. Se acontece, quando estão com medo, qualquer coisa que lhes faz lembrar um bem ou um mal por que já passaram, julgam que é o prenúncio da felicidade ou da infelicidade e chamam-lhe, por isso, um presságio favorável ou funesto, apesar de já terem se enganado centenas de vezes. Se vêem, pasmados, algo de insólito, crêem que se trata de um prodígio que lhes revela a cólera dos deuses ou do Númem sagrado, pelo que não aplacar com sacríficios e promessas tais prodígios constitui um crime aos olhos desses homens submergidos na superstição e adversários da religião, que inventam mil e uma coisas e interpretam a natureza da maneira mais extravagante, como se toda ela delirasse ao mesmo tempo que eles. Tanto assim é, que quem nós vemos ser escravo de todas as superstições são sobretudo os que desejam sem moderação os bens incertos. Todos eles, designadamente quando correm perigo e não conseguem por si próprios salvar-se, imploram o auxílio divino com promessas e lágrimas de mulher, dizem que a razão é cega porque não pode indicar-lhes um caminho seguro em direção às coisas vãs que desejam, ou que é inútil a sabedoria humana; em contrapartida, os devaneios da imaginação, os sonhos e as extravagâncias infantis, parecem-lhes respostas divinas. Até julgam que Deus sente aversão pelos sábios e que os seus decretos não estão inscritos na mente, mas sim nas entranhas dos animais, ou que são os loucos, os insensatos, as aves, quem por instinto ou sopro divino os revela.

Nietzsche – Cartas de 1886

Traduzido da versão em inglês Tabela de conteúdo [esconder] 1 Carta 1 2 Carta 2 3 Carta 3 4 Carta 4 if (window.showTocToggle) { var tocShowText = “mostrar”; var tocHideText = “esconder”; showTocToggle(); } Tradução de Miguel Duclós Carta 1 Sils Maria, 14 de julho, carta a Franz Overbeck Querido amigo, Também teria gostado muito … Ler maisNietzsche – Cartas de 1886

A fenomenologia de Edmund HUSSERL, por Bochenski

EDMUND HUSSERL por J. M. Bochenski Tradução de Antônio Pinto de Carvalho in A filosofia contemporânea ocidental, Herder, 1968 A. EVOLUÇÃO E IMPORTÂNCIA DE SEU PENSAMENTO. EDMUND HUSSERL (1859-1938) que, juntamente com BERGSON, exerceu e continua ainda exercendo a influência mais profunda e duradoura sobre o pensamento contémporâneo, foi discípulo de BRENTANO. Estudou também com … Ler maisA fenomenologia de Edmund HUSSERL, por Bochenski

Henri Bergson – resumo, biografia, pensamentos

HENRI BERGSON por J. M. Bochenski Tradução de Antônio Pinto de Carvalho. in A Filosofia Contemporânea Ocidental. Herder, São Paulo, 1968        A. PROCEDÊNCIA E PARTICULARIDADES. HENRI BERGSON (1859-1941) é o representante mais conceituado e original da nova "filosofia da vida", a qual dele recebeu a forma mais acabada. Contudo, embora mais tarde se tenha posto … Ler maisHenri Bergson – resumo, biografia, pensamentos

Górgias – Elogio de Helena

Elogio de Helena, de Górgias   Estudo introdutório, cópia do texto original e tradução:Humberto Zanardo Petrelli [email protected] Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo – USP Limeira, 23 de agosto de 2003 .     Górgias ( 485- 375 a.C.) foi natural de Leontino, na Sicília. Em 427 a.C. ele viajou para Atenas, como … Ler maisGórgias – Elogio de Helena

O Estoicismo

Extenso panorama sobre os filósofos estóicos antigos elaborado pelo erudito francês Émile Bréhier em sua História da Filosofia, detalhes confiáveis sobre a escola estóica de Zenão e outros filósofos.

Plutarco – Vidas Paralelas – Cícero

mapa roma itália

C Í C E R O , por Plutarco (Nascido no ano 106 e morto no ano 43 antes de J. C.) Capítulo de Vidas Paralelas (Bioi Paralleloi) Sobre a tradução: Primeira tradução brasileira, de Sady Garibaldi. Atena Editora, São Paulo. Para correções, comparações e compilação de notas foram usadas ainda outras edições: 1. Plutarco, … Ler maisPlutarco – Vidas Paralelas – Cícero

DAS OBRAS DO ESPÍRITO, por La Bruyère

Retirado do volume “Pensadores Franceses” da Coleção Clássicos Jackson. Volume XII, tradução de J. Brito Broca e Wilson Lousada. Jean La Bruyère nasceu em 1645 em Paris e morreu de apoplexia em 1696. Faz parte, junto com La Rochefoucauld e outros, do grupo chamado de “moralistas franceses”     Tudo está dito, e chegamos tarde demais, … Ler maisDAS OBRAS DO ESPÍRITO, por La Bruyère

Fichte – O PRINCÍPIO DA DOUTRINA DA CIÊNCIA (1797)

O PRINCÍPIO DA DOUTRINA-DA-CIÊNCIA (1797) Por Johann Gottlieb Fichte Tradução Rubens Rodrigues Torres Filho Extraído do Volume Fichte da Coleção Os Pensadores – editora Abril Cultural I     Permita-nos o leitor, com quem temos de entrar em consonância de pensamento, dirigir-nos diretamente a ele e tratá-lo com o familiar “tu”.     1) Podes sem dúvida … Ler maisFichte – O PRINCÍPIO DA DOUTRINA DA CIÊNCIA (1797)