O Conhecimento Abstrativo em Duns Escoto

maravilhas das antigas civizações

A procura pelo conhecimento necessário em um mundo dominado pela
contingência é o que caracteriza a filosofia de Duns Escoto. A ciência tal como
a conhecemos vulgarmente toma a probabilidade pelo todo, e é a desconstrução
desse tipo de conhecimento e o alcance de uma ciência verdadeira o intuito
deste filósofo medieval.

A FILOSOFIA ÁTICA – História da Filosofia na Antiguidade – Hirschberger

História da Filosofia Antiga – Johannes Hirschberger (Tradução de Alexandre Correia) Capítulo  II A FILOSOFIA ÁTICA Na vida, alturas e profundezas muitas vezes andam juntas. Talvez devesse o espírito grego passar pela depressão sofistica, pela sua superficíalidade, sua leviana retórica, sua crítica destrutiva, seu relativismo e ceticismo, para, abalado e ameaçado no seu mais íntimo, … Ler maisA FILOSOFIA ÁTICA – História da Filosofia na Antiguidade – Hirschberger

A FILOSOFIA DOS PRÉ-SOCRÁTICOS – História da Filosofia na Antiguidade – Hirschberger

Capítulo Primeiro Tradução de Alexandre Correia. Fonte: Editora Herder, 1965. A FILOSOFIA DOS PRÉ-SOCRÁTICOS O pensamento filosófico hodierno se interessa particularmente pelos pré-socráticos, antes de tudo, em virtude dos originais problemas que suscitam e da sua posição ontológica em geral. Antigamente, eram tidos apenas como os filósofos da natureza, entendendo-se, então, por natureza o mundo … Ler maisA FILOSOFIA DOS PRÉ-SOCRÁTICOS – História da Filosofia na Antiguidade – Hirschberger

A BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT

maravilhas das antigas civizações

A BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT Francisco Nunes de Carvalho Estudante de Filosofia – [email protected]   INTRODUÇÃO Procuraremos aqui apresentar e discutir a busca do critério de moralidade na reflexão ética de Kant. Portanto, nossa pesquisa está situada no âmbito da reflexão ética ou ética filosófica, que trata acerca da … Ler maisA BUSCA DO CRITÉRIO DE MORALIDADE NA REFLEXÃO ÉTICA DE KANT

ORIGENS DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA – A filosofia contemporânea Ocidental – J. M Bochenski

J.M BOCHENSKI – A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA OCIDENTAL – Tradução de Antonio Pinto de Carvalho. Fonte: Ed. Herder Capítulo I – ORIGENS DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA O "homem moderno", isto é, o homem desde o Renascimento encontra-se pronto para ser enterrado. Conde Paul Yorck von Wartenburg 1.   O  SÉCULO XIX A. Caráter e desenvolvimento da filosofia moderna. … Ler maisORIGENS DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA – A filosofia contemporânea Ocidental – J. M Bochenski

Spinoza – biografia e pensamentos

espinosa resumo

Baruch Spinoza ou Espinosa, ou Espinoza (1632-1677) nasceu em Amsterdã, Holanda. John Locke nasceu no mesmo ano. Spinoza era de uma família tradicional judia, de origem portuguesa. Sua família emigrou porque os judeus estavam sendo perseguidos. Seu pai era um comerciante bem sucedido e abastado. Spinoza gostava de estudar e ficava na sinagoga. Era um … Ler maisSpinoza – biografia e pensamentos

UMA FILOSOFIA BRASILEIRA

maravilhas das antigas civizações

UMA FILOSOFIA BRASILEIRA   Hugo Allan Matos[1]   Neste último semestre concentrei minha reflexão além de meu tcc[2] em temas que versam sobre filosofia brasileira. Sobretudo, no assunto: há filosofia e filósofos brasileiros? Agora, inspirado nas aulas e reflexões geradas na disciplina de mesmo nome, tendo como objetivo comentar os 4 textos indicados em uma … Ler maisUMA FILOSOFIA BRASILEIRA

O MUNDO INTERIOR – Farias Brito

O MUNDO INTERIOR (antologia)Raimundo de Farias Brito (1862-1917) Fonte: Farias Brito Uma antologia organizada por Gina Magnavita Galeffi. GRD-INL/MEC (1979) ENSAIO SOBRE OS DADOS GERAIS DA FILOSOFIA DO ESPÍRITO   Este livro, publicado no Rio em 1914, é a última obra de Farias Brito, que faleceu em começo de 1917. Em A Base Física do … Ler maisO MUNDO INTERIOR – Farias Brito

Finalidade do Mundo – Farias Brito – vol. 1 (antologia)

A FINALIDADE DO MUNDO Raimundo de Farias Brito (1862-1917) Fonte: Farias Brito Uma antologia organizada por Gina Magnavita Galeffi. GRD-INL/MEC (1979) 1.° Volume PREFÁCIO Publicando o primeiro volume da Finalidade do mundo, devo observar que por tal modo me absorve o pensamento desta obra que com razão posso dizer: tudo em minha vida está subordinado … Ler maisFinalidade do Mundo – Farias Brito – vol. 1 (antologia)

Universo Infinito de Giordano Bruno aceito por pensadores e executado pela Igreja

maravilhas das antigas civizações

Universo Infinito de Giordano Bruno aceito por pensadores
e executado pela Igreja

Pablo Dressel

A forma
como defendeu, até ao fim, as suas convicções filosóficas, consideradas
heréticas pelo Santo-Ofício, fizeram do filósofo napolitano Giordano Bruno um
símbolo marcado por um mundo e por uma época onde labaredas castigavam
espíritos discordantes. E embora já muitos outros autores fossem lidos e
divulgados, para a época do renascimento as idéias de Aristóteles continuavam a
ser o alicerce de novas respostas, idéias que condizem que um mundo infinito
não era coisa sequer concebível.

 

Giordano
Bruno, Filósofo, astrônomo e matemático, rejeitou a teoria geocêntrica
tradicional e ultrapassou a teoria heliocêntrica de Copérnico que ainda
mantinha o universo finito com uma esfera de estrelas fixas. Embora tais campos
não existissem ainda na ciência, pode-se dizer que Bruno estava interessado na
natureza das idéias e do processo associativo na mente humana. Por outro lado,
está fascinado em prover com um embasamento filosófico as grandes descobertas
científicas de seu tempo. Mesmo que a conseqüência seja o fim de sua própria
vida.

Hegel: Unificação de Ontologia e Lógica

Hegel: Unificação de Ontologia e Lógica Miguel Duclós Trabalho originalmente apresentado para o CFH-UFSC (2007) 1.     Kant e o “fim” da metafísica. Como é sabido, o sistema de Kant deixou uma tarefa intrincada para a posteridade ao reconceituar a metafísica na dissecação detalhada da razão humana que empreendeu, gerando uma revolução divisora de águas na … Ler maisHegel: Unificação de Ontologia e Lógica

Fragmentos Pré-Socráticos

Fragmentos pré-socráticos Extraídos do volume Pré-Socráticos da Coleção Os Pensadores – Nova Cultural Tradução de José Cavalcante de Souza A) Anaximandro de Mileto – 1. SIMPLICÍO, Física, 24, 13. (Em discurso direto:)… Princípio dos seres… ele disse (que era) o ilimitado… Pois donde a geração é para os seres, é para onde também a corrupção … Ler maisFragmentos Pré-Socráticos

O problema dos universais em Pedro Abelardo

maravilhas das antigas civizações

Trabalho Originalmente Apresentado para a FFLCH/USP

“Reflitamos primeiramente a respeito da causa comum. Cada um dos homens, distintos uns dos outros, embora difiram tanto pelas próprias essências quanto pelas formas – como lembramos acima ao investigarmos a física da coisa – se reúnem naquilo que são homens” (ABELARDO, Lógica Para Principiantes, pg.61)

1 – Escopo do trabalho

O problema que se coloca nesse trecho resume a temática da querela dos Universais, discussão central na filosofia medieval, da qual se ocuparam diversos autores além de Abelardo num grande período de tempo. Trataremos aqui, de forma compacta, de alguns aspectos dos universais e da visão de Abelardo sobre o tema. A questão dos universais é primeiramente enunciada a partir da Isagoge de Porfírio. Isagoge é o termo grego para “introdução”. Trata-se de uma introdução às categorias de Aristóteles, que como o filósofo mais importante e de maior alcance, era objeto constante de comentários, debates e glosas. Averróis, por exemplo, era conhecido como O comentador e escreveu dezenas de obras sobre o filósofo. Porém ele é de uma geração posterior a Abelardo, viveu entre 1126 e 1198, enquanto Abelardo viveu entre 1079 e 1142. Nesse período de tempo a obra de Aristóteles se difundiu consideravelmente. A geração de Abelardo conhecia Aristóteles principalmente através das traduções de Boécio para o latim de duas únicas obras, referentes ao corpo da lógica no sistema: Categorias e De Interpretatione. Estas, juntamente com outros cinco textos (além de Isagoge, De syllogismo categórico, De syllogismo hypothetico, De diffèrentiis topicis and De divisione do próprio Boécio) são as fontes primárias da lógica de Abelardo. Abelardo sabia muito pouco grego, e, não obstante fazer breves referências a outros trabalhos como os Argumentos Sofísticos e os Primeiros Analíticos, nada indica que tenha conhecido as grandes obras sobre a moral, a física e a metafísica.

Da Verdade Proposicional à Verdade da Existência: considerações em torno da compreensão heideggeriana da linguagem

maravilhas das antigas civizações

Da Verdade Proposicional à Verdade da Existência: considerações em torno da compreensão heideggeriana da linguagem. Por Marcos Paulo L. Vieira. A proposição é o lugar originário da verdade. À luz desta fórmula, o sentido da verdade, como conformidade da proposição à coisa, vem sendo compreendida por todo pensamento ocidental enquanto verdade proposicional há séculos. Isso … Ler maisDa Verdade Proposicional à Verdade da Existência: considerações em torno da compreensão heideggeriana da linguagem

Filosofia da Arte no Tomismo

maravilhas das antigas civizações

download do TCC em formato doc Alguns Elementos da Filosofia da Arte no Tomismo Por: Adriano de Araújo Sumário Da possibilidade da Estética na Filosofia Tomista.. Breves considerações sobre o conceito “Estética”. O conceito de Estética no Tomismo.. Arte no Tomismo.. Considerações gerais acerca do Belo no Tomismo.. Acerca da integridade. Acerca da proporção.. Acerca … Ler maisFilosofia da Arte no Tomismo

Metafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche

maravilhas das antigas civizações

[download id=”30″] Metafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O artigo pretende abordar a Metafísica como um conceito histórico na obra de Nietzsche. Buscaremos apresentar a interpretação que o filósofo faz dos conceitos indicados em nosso título apoiando-nos na obra Crepúsculo dos Ídolos. Objetivamos … Ler maisMetafísica, errância e subjetividade: Da metafísica como “História de um erro” em Nietzsche

Metafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo.

maravilhas das antigas civizações

Metafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo. Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O propósito do artigo é elaborar um estudo sobre as noções de metafísica, história do ser e subjetividade no pensamento de Heidegger. Para tanto, interpretaremos estas concepções na obra Nietzsche – Metafísica … Ler maisMetafísica, história do ser e subjetividade – uma reconstrução a partir dos fragmentos de Nietzsche: metafísica e niilismo.

Jean-Paul Sartre – Fenomenologia da alteridade

Resumo: O texto consiste de um estudo acerca da questão da alteridade em O ser e o Nada de Jean-Paul Sartre. Abordaremos a parte em que o filósofo francês aponta como a alteriadade ainda constitui um nó-górdio à fenomenologia. Sartre comentará o conceito em três estações do pensamento fenomenológico. Hegel, na modernidade, e sua compreensão de fenomenologia não husserliana; Husserl, em suas Investigações e Heidegger em Ser e tempo. Os comentários de Sartre são elucidativos das diferenças essenciais entre os autores, e ponto que pode ser tomado como elemento didático para um contato com esse campo teórico.

A tese de Hegel sobre o ser nas doutrinas da Enciclopédia das ciencias das filosóficas Lógica menor (1830)

maravilhas das antigas civizações

Resumo: O artigo pretende
uma breve apresentaçao acerca das tres doutrinas da lógica hegeliana.
Pautando-se na Ciencia da Lógica, tal como encontrada na Enciclopédia
das ciencias filosóficas
, buscaremos explicitar a compreensao que o
filósofo tem dos conceitos de ser, essencia e conceito; demonstrando
como esses estao ligados por uma dialética. O trabalho adota por metodologia o
comentário pontual de passagens seletas do autor, apoiando-se em bibliografia
especializada.

Como Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo

maravilhas das antigas civizações

Como Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo? Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O texto comunica o encaminhamento de uma pesquisa de Doutorado intitulada: Da Gênese do conhecimento teórico em Ser e tempo. Tem o propósito de apresentar um aprofundamento ao problema: Como se interpreta a gênese do conhecimento teórico nesta … Ler maisComo Heidegger interpreta a gênese do conhecimento teórico em Ser e Tempo

O MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER

O MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: O tema do artigo é o caráter grego da filosofia entendida como metafísica desde o enfoque permitido pelo pensamento de M. Heidegger (1889-1976). Temos o objetivo de apresentar que a metafísica tem seu ethos em uma experiencia … Ler maisO MUNDO GREGO COMO ETHOS DA ASSIM CHAMADA FILOSOFIA-OCIDENTAL-EUROPÉIA (METAFÍSICA) SEGUNDO MARTIN HEIDEGGER

SOBRE A SENTENÇA DE NIETZSCHE: O SUPER-HOMEM É O SENTIDO DA TERRA.

maravilhas das antigas civizações

Sobre a sentença de Nietzsche “O super-homem é o sentido da terra” Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo A questão do texto é perguntar sobre o conceito de “sentido da terra” tal como vemos formulado no livro Assim Falou Zaratustra de F. W. Nietzsche. Nosso objetivo é esclarecer a compreensão que o autor tem deste, bem … Ler maisSOBRE A SENTENÇA DE NIETZSCHE: O SUPER-HOMEM É O SENTIDO DA TERRA.

Metafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger

maravilhas das antigas civizações

Metafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger Roberto S. Kahlmeyer-Mertens [1] Resumo: Esse artigo traz uma primeira tentativa de pensar a obra do filósofo brasileiro Gerd Bornheim. Autor de significativa obra no cenário nacional, Bornheim é apontado como um dos receptores da filosofia de Heidegger no Brasil. As leituras que o brasileiro faz de Heidegger … Ler maisMetafísica e práxis: Bornheim leitor de Heidegger

Leibniz – Princípios de Filosofia ou Monadologia

Leibniz – Princípios de Filosofia ou Monadologia Tradução de Luís MartinsFonte: Edição da Imprensa Nacional – Casa da Moeda – Lisboa 1 — A Mónada, de que iremos aqui falar, não é outra coisa senão uma substância simples, que entra nos compostos; simples, quer dizer, sem partes. (Teodíceia, § 10). 2 — E, como há … Ler maisLeibniz – Princípios de Filosofia ou Monadologia

Kant e o Problema da Metafísica – Aula 7

maravilhas das antigas civizações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS  Curso sobre Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr.  2o. semestre de 2004  Professor Bento Prado Jr. ÍNDICE Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr. Data da aula  01/10/2001 08/10/2004 15/10/2004 12/11/2004 19/11/2004 26/11/2004 03/12/2004 [download id=”4″]   03/12/2004 Mas o … Ler maisKant e o Problema da Metafísica – Aula 7

Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Curso sobre Heidegger: Kant e o problema da metafísica – aula 6  2o. semestre de 2004  Professor Bento Prado Jr. Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr. ÍNDICE Data da aula  01/10/2001 08/10/2004 15/10/2004 12/11/2004 19/11/2004 26/11/2004 03/12/2004 [download id=”4″]   26/11/2004 Nós passamos pra comentar o A questão … Ler maisHeidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 6

Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Curso sobre Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr.  2o. semestre de 2004  Professor Bento Prado Jr. Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr. ÍNDICE Data da aula  01/10/2001 08/10/2004 15/10/2004 12/11/2004 19/11/2004 26/11/2004 03/12/2004 [download id=”4″] )   19/11/2004 Kant … Ler maisHeidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 5

Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS   Curso sobre Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr.  2o. semestre de 2004  Professor Bento Prado Jr. ÍNDICE Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr. Data da aula  01/10/2001 08/10/2004 15/10/2004 12/11/2004 19/11/2004 26/11/2004 03/12/2004 [download id=”4″])   12/11/2004 Antes … Ler maisHeidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 4

Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Curso sobre Heidegger: Kant e o Problema da Metafísica  2o. semestre de 2004  Professor Bento Prado Jr. Material Enviado por José de Medeiros Machado Jr. ÍNDICE Data da aula  01/10/2001 08/10/2004 15/10/2004 12/11/2004 19/11/2004 26/11/2004 03/12/2004 [download id=”4″] 15/10/2004 1- O “Eu penso” que repete “Eu = Eu”; 2- As … Ler maisHeidegger: Kant e o Problema da Metafísica – Aula 3